Homepage

  • Supertubos coroa Griffin Colapinto e Tatian Weston-Webb
    07 março 2022
    arrow
  • Kanoa Igarashi e Brisa Hennessy saem de Portugal rumo à Austrália de licra amarela vestida.
  • Supertubos teve uma chamada madrugadora para o dia final do MEO Pro Portugal. Às 7 horas já a ação estava na água com as meias-finais femininas. O mar, esse, desceu consideravelmente em relação à véspera, mas nem por isso deixou de haver ação pelo quinto dia consecutivo. As previsões para o resto da janela de espera mostravam tempestade a caminho, o que aguçou a necessidade de coroar já os campeões da terceira etapa do CT 2022. No final, os vencedores podem não ter sido os mais esperados, mas Griffin Colapinto e Tatiana Weston-Webb foram aqueles que melhor se adaptaram às ondas de Peniche, que ofereceram todo o tipo de condições durante os últimos dias.

    O dia final não foi exceção. Tudo apontava para um espetáculo de aéreos, sobretudo do lado masculino, com surfistas bem progressivos ainda em prova. E se foi assim que o dia começou, tudo acabaria por se decidir mais à base do power surf e nas manobras verticais que os surfistas foram conseguindo encaixar nas pequenas paredes que rolavam com potencial em Supertubos, nomeadamente para a esquerda. O relógio pouco passava das 10 horas quando a festa terminou. Para Tatiana foi o regresso aos grandes resultados, depois de um arranque de temporada aquém do esperado. Mas razões para festejar teve Colapinto, que conquistou a primeira vitória da carreira no Tour.

    Com grande parte dos principais nomes do circuito escalados para este dia final, a lógica acabou por não imperar. Do lado feminino, Stephanie Gilmore abriu as hostilidades com o surf estilo inconfundível, adiantando-se no duelo frente a Lakey Peterson. Contudo, a norte-americana não se rendeu e no último minuto operou a reviravolta, depois de ter encontrado uma onda com potencial para mais que três manobras bem colocadas.

    Se entre candidatas, Gilmore era a mais favorita por todo o currículo, onde cabem sete títulos mundiais, no heat seguinte, o mesmo sucedeu. Carissa Moore partia com favoritismo frente a Tatiana Weston-Webb. Campeã e vice-campeã mundial em confronto com o mar a oferecer condições q.b. para um embate deste nível. Apesar do equilíbrio, uma onda de 6,83 pontos acabou por decidir o marcador a favor de Weston-Webb, com apenas uma diferença de 0,59 pontos a deixarem pelo caminho mais cinco títulos mundiais.

    De seguida entraram os homens na água e Italo Ferreira não perdeu tempo em acelerar e voar bem alto, aproveitando as rampas existentes. O melhor aéreo do dia foi dele, com uma nota de 8,83, a única excelente que se viu nesta manhã na prova masculina. Só que o campeão olímpico ficou o resto do tempo à procura de uma segunda onda de qualidade e a matemática acabou por favorecer o compatriota Filipe Toledo, que com uma onda de 7,50, que juntou a outra de 6,17, acabou por vencer esta verdadeira final antecipada.

    Depois de encontrado o primeiro finalista, John John Florence tentava contrariar a lógica, mas o havaiano também não evitou a queda de mais um favorito. Frente a Griffin Colapinto, desta vez Florence não tinha tubos para explicar ao Mundo que ninguém o faz tão bem como ele. Entre aéreos e power, a fome de sucesso do californiano acabou por levar a melhor. Um triunfo que até acabou por ser inesperadamente fácil para Colapinto.

    As duas finais colocavam no ar um cenário de domínio total brasileiro, o que seria o pináculo desse regresso em Supertubos à ordem normal dos acontecimentos no surf mundial, mas também havia em cima da mesa a possibilidade de Lakey e Griffin fazerem a América “Great Again”. Só que como Supertubos provou ao longo dos últimos dias, nada aqui é previsível. E nem uma nem outra opção foram em frente.

    Na final feminina tivemos uma Lakey Peterson a surfar no máximo em busca da licra amarela, mas a embater no power da brasileira formatada no Havai. Precisamente no local onde tinha arrancado de forma tão dececionante da temporada. Com 15,33 pontos, Weston-Webb não só vingou o péssimo arranque de ano, recuperando muitas posições no ranking, como ainda deu o troco a Lakey Peterson depois da derrota na final em Margaret River em 2019. Foi a terceira vitória da carreira para Tatiana, que subiu ao 4.º posto do ranking, onde a surpreendente Brisa Hennessy prossegue para a Austrália como líder, sendo seguida de perto por Carissa Moore e Lakey Peterson.

    Foi perante a festa brasileira de Tatiana Weston-Webb que entrou na água a final masculina. Quando muitos achavam que Toledo ia completar o ramalhete brasileiro, eis que Griffin Colapinto voltou a mostrar-se em muita sintonia com as ondas. Apesar de ter começado mais forte e de se mostrar mais movimentado, a final decidiu-se numa troca de ondas à entrada dos últimos 10 minutos. Griffin puxou do seu forte ataque de backside às esquerdas e virou o heat a seu favor. Foram apenas 0,14 pontos a separar ambos. O suficiente para Colapinto celebrar a primeira vitória na elite mundial e o primeiro de um surfista californiano em mais de 10 anos no circuito masculino – o último a fazê-lo tinha sido Bobby Martinez, em 2009, na etapa de Teahupoo.

    Com Kanoa Igarashi confirmado desde ontem como o novo líder do ranking mundial, a luta acabou por ser para ver quem mais se aproximava do japonês. Mas Colapinto baralhou um pouco as contas. Com este triunfo em Portugal ascendeu 20 posições até ao 7.º posto, depois de um arranque de temporada fraco. Por sua vez, Filipe Toledo falhou a vice-liderança, sendo agora 4.º do ranking, praticamente colado a Kelly Slater e Barron Mamiya. Sim, é verdade. Aos 50 anos, e após três etapas, Slater é o número dois do Mundo e prossegue o sonho do 12.º título mundial.

    Destaque ainda para Frederico Morais, que com o 9.º posto final em Portugal, conseguiu subir quatro posições, estando agora no 23.º posto do ranking, o primeiro abaixo do cut, e liderando um pelotão de surfistas que na Austrália vão ter de encontrar um bom resultado para conseguirem um lugar entre os surfistas que permanecem para a segunda metade da temporada.

    MEO Pro Portugal Presented by Rip Curl Men’s Semifinals Results:
    SF 1: Filipe Toledo (BRA) 13.67 def. Italo Ferreira (BRA) 12.66
    SF 2: Griffin Colapinto (USA) 12.40 def. John John Florence (HAW) 10.50

    MEO Pro Portugal Presented by Rip Curl Women’s Semifinal Results:
    SF 1: Lakey Peterson (USA) 12.34 def. Stephanie Gilmore (AUS) 12.00
    SF 2: Tatiana Weston-Webb (BRA) 10.76 def. Carissa Moore (HAW) 10.17

    MEO Pro Portugal Presented by Rip Curl Men’s Final Results:
    1 - Griffin Colapinto (USA) 14.34
    2 - Filipe Toledo (BRA) 14.20

    MEO Pro Portugal Presented by Rip Curl Women’s Final Results:
    1 - Tatiana Weston-Webb (BRA) 15.33
    2 - Lakey Peterson (USA) 14.27

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram