Homepage

  • Após susto, Kikas supera a repescagem no show de Jack Robinson em Pipe
    30 janeiro 2022
    arrow
  • Carlos Muñoz é o surfista que se segue no caminho do surfista português.
  • Foi com ondas épicas e grandes performances que arrancou este sábado o Billabong Pro Pipeline, etapa inaugural do CT 2022. Um dia memorável em termos de surf, onde Frederico Morais foi de menos a mais, acabando o dia a superar a repescagem rumo à ronda 3. Depois de uma derrota na ronda inaugural, o surfista português respondeu à altura na repescagem, com uma das melhores ondas do dia. Apesar do susto na reta final da bateria, conseguiu seguir em frente com muito suspense à mistura.

    Mas o dia teve outros heróis, que não fugiram muito dos suspeitos do costume. Os havaianos brilharam, como já é tradicional. Com o favoritíssimo John John Florence à cabeça, mas também com o wild-card Barron Mamiya em grande plano. Kelly Slater esteve igualmente em nível alto, mostrando que os 50 que estão a chegar são só um número. O rookie João Chianca foi uma das grandes surpresas do dia, compensado a exibição mais apagada dos tops Filipe Toledo e Italo Ferreira. Jordy Smith conseguiu a melhor onda do dia, depois de ter sucumbido na ronda inaugural. Mas a grande figura foi o australiano Jack Robinson, que foi o dono do show com o melhor score da jornada e uma performance de fazer inveja a todos os rivais.

    Com o swell esperado a entrar bem na bancada mais famosa do surf mundial, cedo se começou a perceber o dia de grandes tubos que estava pela frente, ainda que a ação tenha começado a um ritmo baixo. O australiano Owen Wright foi o primeiro vencedor do dia e também um dos que mostrou os caminhos de saída das cavernas tubulares havaianas. O compatriota Connor O’Leary elevou a fasquia no heat 3 e depois foi vermos Barron Mamiya a dar espetáculo, confirmando as previsões dos especialistas, que o apontaram desde cedo como uma das possíveis surpresas.

    Ainda assim, pelo meio, a conta gotas, existiram alguns heats de scores baixos, mesmo que na água estivessem nomes sonantes. Italo estreou-se com um triunfo de 7,06 pontos. De seguida Toledo venceu a sua bateria com apenas 7 pontos. Por essa altura, no heat 8, Kikas falhou a passagem direta à ronda 3, depois de ser superado pelo australiano Jackson Baker e pelo brasileiro Miguel Pupo no heat com scores mais baixos da ronda e onde o conservadorismo do português acabou por não ajudar na disputa. Pelo meio houve um heat em que Kanoa Igarashi fez a primeira onda de 9 pontos do dia, mas que foi vencido pelo havaiano Seth Moniz, com 16,44 pontos. No entanto, no ar ficou a ideia de que o novo formato em estreia em 2022, com etapas reduzidas a 24 surfistas a partir de meio do ano, pode indicar o que será o futuro do circuito.

    A partir daqui tudo mudou em termos de espetáculo. Logo após o heat de Frederico, foi a vez de John John entrar em cena para a primeira apresentação em 2022. Mostrando-se totalmente recuperado da lesão que lhe hipotecou a temporada passada, Florence deu show já de início. Foram 17,13 pontos, graças a duas ondas excelentes, de 8,53 e 8,60, com o brasileiro João Chianca a dar boa réplica ao havaiano, terminando no 2.º posto, com 15,30 pontos. Uma performance de grande nível, mas com muita margem para evoluir. A partir daqui deverá ser sempre a subir, como é seu apanágio em Pipe. Será com muita surpresa que não veremos John John sair desta etapa de licra amarela vestida…

    Mas os que pensavam que este heat seria o ponto alto da ronda enganaram-se porque de seguida houve uma masterclass por parte de um dos grandes jovens tube riders do Tour, o australiano Jack Robinson. Um show à parte, ao qual Kelly Slater não quis deixar de contribuir. Para se ter noção do domínio de Robo neste dia de ondas incríveis, basta ver que fez três das seis melhores ondas do dia. Venceu a bateria com o melhor score do dia, com 18,67 pontos. Fez apenas três ondas e brilhou com um 9,17 e um 9,50, dando-se ainda ao luxo de descartar uma onda de 8,87 pontos. Nada mais a dizer sobre a grande performance do dia, de um jovem que pode aproveitar esta etapa para embalar rumo ao estatuto de candidato ao título. Mas nunca esquecer que em jogo também esteve Kelly Slater, que terminou a bateria com 16,57 pontos, que deixam boas impressões para as fases seguintes.

    A ação avançou rapidamente até final da ronda, mas com as condições a continuarem com muito potencial a organização decidiu avançar para as repescagens. Depois de uma primeira exibição aquém do esperado, Ivan Florence, o wild-card e irmão de John John Florence, mostrou que é um especialista nesta onda ao vencer logo o heat 1. Um heat onde aconteceu a maior surpresa do dia, com a eliminação do australiano Morgan Cibilic, rookie de 2021 e um dos cinco surfistas a conseguirem a presença nas WSL finals do ano passado. Além de Florence, também o peruano Lucca Mesinas conseguiu superar Cibilic.

    No heat seguinte foi a vez de Jordy Smith roubar o espetáculo. O gigante sul-africano prometia chegar a Pipe em grande forma, mas nem isso lhe valeu na ronda inaugural. E quando tudo parecia complicado na repescagem, Jordy encontrou uma caverna em que se colocou de pé bem lá dentro, saindo em glória. Um momento sublime, que rendeu 9,73 pontos. A melhor onda do dia, que acabou por animar o final de festa. O bálsamo perfeito para um dos surfistas que pode ser letal em Pipeline, numa bateria em que o peruano Miguel Tudela também esteve em bom plano, com 14,83 pontos. Pelo caminho ficou o rookie havaiano Imaikalani deVault.

    Depois foi a vez de Kika regressar à água, já madrugada dentro em Portugal. Depois de uma primeira performance apagada, o surfista português reagiu com raiva e abriu a contenda com um ponto de exclamação. Frederico conseguiu, finalmente, e após vários anos a competir na mítica arena havaiana, um tubo profundo para Pipeline. Talvez este tenha sido mesmo o melhor momento da carreira nesta onda. Foi brindado com 8,50 pontos, naquela que foi a 10.ª melhor onda do dia. O claim, de raiva, a bater no peito após sair com sucesso do tubo, disse tudo.

    Só que aquilo que parecia ser suficiente para um heat calmo, acabou como um grande susto para o português. Sem conseguir uma onda de backup que desse tranquilidade, Kikas viu os adversários aproximarem-se aos poucos. Já na reta final um “adormecido” Jordan Lawler, que só entrou em prova devido à lesão vespertina do rookie Liam O’Brien, viu um tubo incrível aparecer-lhe pela frente. Foi quase um milagre para um surfista que pouco tinha feito até então, mas o suficiente para atirar Kikas para último lugar da bateria. Com o norte-americano Jake Marshall na liderança, resta ao português tentar uma onda na casa dos 2 pontos nos 2 minutos que faltavam. Foi de calculadora na mão e já ouvindo os tristes fados do passado, que Frederico fintou o passado e conseguiu encontrar uma onda que lhe deu basicamente o que precisava. Muito drama e suspense, com os resultados a serem conhecidos já com os surfistas na água. O português passou, por pouco, mas passou. E foi isso que interessou.

    Pelo segundo ano consecutivo, Frederico Morais chega à ronda 3 de uma das etapas que são o seu calcanhar de aquiles. No último heat do dia, e um dos piores, o rookie costarriquenho Carlos Muñoz venceu uma disputa em que Jadson Andre foi eliminado. E o que isso está relacionado com Kikas? Quis o draw que Muñoz seja o próximo adversário de Kikas no heat 7 da ronda 3. Algo que abre possibilidades ao surfista português de seguir em frente e conseguir aqui o melhor resultado da carreira em Pipe. Depois de ter conseguido a melhor onda e de quase ter ficado pelo caminho. A emoção promete continuar já este domingo.

    Caso supere Muñoz, Frederico terá pela frente o vencedor do heat entre Kolohe Andino e Lucca Mesinas nos oitavos-de-final. Só depois disso se poderá cruzar Italo Ferreira, sendo que nesta metade do draw ficou ainda Kelly Slater ou Kanoa Igarashi. Na segunda metade do draw estão a maioria das estrelas. A John John Florence, juntam-se Jack Robinson, Griffin Colapinto ou Jordy Smith. Também Filipe Toledo, que prossegue como número um do seeding e, por isso, com a grande “fava” da ronda pela frente, o havaiano Ivan Florence. Mas o maior destaque vai mesmo para a possibilidade de John John e Jack Robinson se cruzarem nos oitavos-de-final em caso de vitória de ambos na próxima ronda. Uma final bem antecipada neste Pipe Masters que está a prometer ser um dos melhores dos últimos anos.

    Billabong Pro Pipeline Men’s Opening Round 1 Results:
    Heat 1: Owen Wright (AUS) 13.34 DEF. Ezekiel Lau (HAW) 7.00, Jordy Smith (ZAF) 6.46
    Heat 2: Griffin Colapinto (USA) 10.47 DEF. Matthew McGillivray (ZAF) 7.67, Jordan Lawler (AUS) 5.60
    Heat 3: Connor O'Leary (AUS) 15.50 DEF. Caio Ibelli (BRA) 10.07, Morgan Cibilic (AUS) 5.17
    Heat 4: Barron Mamiya (HAW) 16.57 DEF. Conner Coffin (USA) 9.63, Jake Marshall (USA) 2.43
    Heat 5: Italo Ferreira (BRA) 7.06 DEF. Callum Robson (AUS) 6.17, Miguel Tudela (PER) 4.03
    Heat 6: Filipe Toledo (BRA) 7.00 DEF. Samuel Pupo (BRA) 4.57, Ivan Florence (HAW) 0.23
    Heat 7: Seth Moniz (HAW) 16.44 DEF. Kanoa Igarashi (JPN) 12.00, Carlos Munoz (CRI) 9.50
    Heat 8: Jackson Baker (AUS) 6.43 DEF. Miguel Pupo (BRA) 6.20, Frederico Morais (PRT) 5.33
    Heat 9: John John Florence (HAW) 17.13 DEF. Joao Chianca (BRA) 15.30, Jadson Andre (BRA) 7.84
    Heat  10: Jack Robinson (AUS) 18.67 DEF. Kelly Slater (USA) 16.57, Lucca Mesinas (PER) 12.13
    Heat 11: Ethan Ewing (AUS) 12.76 DEF. Kolohe Andino (USA) 4.37, Imaikalani deVault (HAW) 1.50
    Heat 12: Nat Young (USA) 12.00 DEF. Leonardo Fioravanti (ITA) 8.60, Deivid Silva (BRA) 7.00

    Billabong Pro Pipeline Men’s Elimination Round 2 Results:
    HEAT 1: Ivan Florence (HAW) 12.60 DEF. Lucca Mesinas (PER) 9.50, Morgan Cibilic (AUS) 1.83
    HEAT 2: Jordy Smith (ZAF) 15.73 DEF. Miguel Tudela (PER) 14.83, Imaikalani deVault (HAW) 11.00
    HEAT 3: Jake Marshall (USA) 11.67 DEF. Frederico Morais (PRT) 11.13, Jordan Lawler (AUS) 10.27
    HEAT 4: Carlos Munoz (CRI) 6.10 DEF. Deivid Silva (BRA) 5.50, Jadson Andre (BRA) 4.63

    Billabong Pro Pipeline Men’s Round of 32 Matchups:
    Billabong Pro Pipeline Men’s Round of 32 Matchups: 
    HEAT 1: Conner Coffin (USA) vs. Barron Mamiya (HAW)
    HEAT 2: Kelly Slater (USA) vs. Jake Marshall (USA)
    HEAT 3: Kanoa Igarashi (JPN) vs. Owen Wright (AUS)
    HEAT 4: Leonardo Fioravanti (ITA) vs. Nat Young (USA)
    HEAT 5: Italo Ferreira (BRA) vs. Miguel Tudela (PER)
    HEAT 6: Miguel Pupo (BRA) vs. Connor O'Leary (AUS)
    HEAT 7: Frederico Morais (PRT) vs. Carlos Munoz (CRI)
    HEAT 8: Kolohe Andino (USA) vs. Lucca Mesinas (PER)
    HEAT 9: Filipe Toledo (BRA) vs. Ivan Florence (HAW)
    HEAT 10: Seth Moniz (HAW) vs. Ezekiel Lau (HAW)
    HEAT 11: Jack Robinson (AUS) vs. Joao Chianca (BRA)
    HEAT 12: John John Florence (HAW) vs. Jackson Baker (AUS)
    HEAT 13: Griffin Colapinto (USA) vs. Caio Ibelli (BRA)
    HEAT 14: Ethan Ewing (AUS) vs. Callum Robson (AUS)
    HEAT 15: Deivid Silva (BRA) vs. Samuel Pupo (BRA)
    HEAT 16: Jordy Smith (ZAF) vs. Matthew McGillivray (ZAF)