Homepage

  • Sunset sai do calendário das Challenger Series e mulheres vão ao Havai
    08 julho 2021
    arrow
  • Em relação ao número de atletas já era conhecido que as provas masculinas seriam compostas por 96 surfistas e as femininas por 64.
  • A WSL confirmou esta quarta-feira a realização das novas Challenger Series, mas com algumas nuances em relação ao inicialmente anunciado. O circuito que vai definir as vagas para o CT 2022 e para o qual se qualificaram os portugueses Vasco Ribeiro e Teresa Bonvalot, vai arrancar a 20 de Setembro na Califórnia, depois de inicialmente estar previsto 2 de Agosto, e vai contar com quatro etapas, tanto no masculino como no feminino.

    As provas, tal como já havia sido revelado no início da temporada, vai acontecer em Huntington Beach, na Ericeira e em Hossegor (França), ambas em Outubro, e depois, a etapa final será em Haleiwa, no Havai, entre Novembro e Dezembro. É aqui que reside a grande novidade, uma vez que a prova havaiana de Sunset sai do calendário prévio, mas o circuito feminino vê confirmada a presença no Havai, o que não estava inicialmente previsto.

    A saída de cena de Sunset acaba por ser normal, uma vez que esta onda vai fazer parte do CT de 2022, além de ter um campeonato menor do circuito regional também já marcado. Já a ida das mulheres a Haleiwa será um marco histórico. Isto depois de também já estar confirmado o primeiro evento da história do circuito mundial feminino em Pipeline.

    “Estamos muito satisfeitos por dar vida às Challenger Series 2021”, começou por dizer Erik Logan”, CEO da WSL. “Este circuito não será apenas um grande palco para os talentosos surfistas que começam a despontar, mas também para aqueles que falharam a requalificação pelo CT e que têm aqui uma segunda oportunidade de continuar na elite mundial”, frisou.

    A mudança de datas para o arranque acaba por ser natural, numa altura em que a pandemia volta a apertar fronteiras e sobretudo porque a data original do US Open estava marcada para um dia depois do final do período de espera da prova de surf dos Jogos Olímpicos. Contudo, isso faz com que alguns continentes ainda possam ter a qualificação em aberto.

    Se olharmos para o calendário dos QS regionais vemos que em Agosto ainda estão marcadas três provas: uma na Indonésia, outra nos Estados Unidos e outra na Europa, em Anglet. A prova francesa já só contará para a qualificação da temporada 2021/22, uma vez que os qualificados europeus já foram oficialmente anunciados. Resta perceber se a prova asiática e a norte-americana também contarão já para a próxima temporada, como estava previsto, ou se passarão a decidir vagas ainda para as Challenger Series de 2021.

    Em relação ao número de atletas já era conhecido que as provas masculinas seriam compostas por 96 surfistas e as femininas por 64. E é aqui que as coisas se complicam, porque supostamente todos os surfistas do CT vão integrar estas provas. Isto na prática, porque na teoria será muito difícil os tops qualificados para o ano seguinte quererem participar nestas provas sem serem obrigados contratualmente.

    Portanto, no total serão 34 homens e 17 mulheres do CT, 58 homens e 44 mulheres via rankings regionais, dois wildcards para surfistas juniores, tanto no masculino como no feminino, e ainda dois wildcards masculinos e um feminino para cada evento. A WSL refere ainda que em caso de os tops do CT falharem estas etapas os lugares deixados vagas – que serão muitos! – irão transformar-se em wildcards.

    Por fim, há ainda um pormenor que fará grande diferença. Os surfistas irão poder contar com os pontos da melhor prova que fizeram em 2020. Na prática todos os surfistas irão ter quatro resultados das provas das Challenger Series de 2021 e ainda um resultado de 2020, o melhor. O ranking final será feito pelos três melhores resultados entre estes cinco eventos. Uma situação que poderá ser mais justa para uns que para outros…

    No caso dos portugueses qualificados, Teresa Bonvalot e Vasco Ribeiro, ambos contam com triunfos no WQS, embora com pontuações bem diferentes. Vasco tem 3250 pontos obtidos com o 3.º posto no QS5000 de Taghazout, em Marrocos, que poderão ser um bom alicerce para a qualificação. Já Teresa tem apenas 1000 pontos do triunfo obtido já este ano no QS1000 da Costa de Caparica.

    Frederico Morais pode ser o outro português presente nestas provas, embora seja altamente provável que garanta a requalificação via WCT, ele que ocupa atualmente o 11.º posto do ranking a duas etapas do final da temporada do CT – os 22 primeiros garantem a requalificação para 2022. Ainda assim, é bastante provável que Kikas compita pelo menos na prova portuguesa e que até possa fazer as outras por uma questão de ritmo, uma vez que o CT para completamente na segunda metade do ano.

    Calendário:

    US Open of Surfing: Huntington Beach, California, USA
    September 20 - 26, 2021
    MEO Pro Ericeira: Ericeira, Portugal
    October 2 - 10, 2021
    Quiksilver/ROXY Pro France: Capbreton/Hossegor/Seignosse, Landes, France
    October 16 - 24, 2021
    Haleiwa Challenger: Haleiwa, Hawaii, USA
    November 25 - December 7, 2021

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf! 

    Segue o Beachcam.pt no Instagram