Homepage

  • Os nomes já garantidos nas novas Challenger Series
    02 julho 2021
    arrow
  • Com a data de arranque do US Open a estar apontada para 2 de Agosto, ainda falta uma confirmação oficial de que será mesmo esse o dia de arranque destas Challenger Series.
  • Estamos cada vez mais perto de entrar na derradeira fase da temporada da WSL. Após a muito aguardada estreia olímpica do surf, a ação prossegue com a reta final do CT, mas também com um novo “sub-circuito”, que visa implementar um novo e atraente método de qualificação para a elite mundial. As há muito anunciadas Challenger Series estão prestes a arrancar. Os dias passam e, embora ainda nem tudo se saiba ao pormenor, há já algumas coisas que vão sendo desvendadas aos poucos.

    Serão cinco eventos – Huntington Beach (Califórnia), Ericeira (Portugal), Hossegor (França) e Halaweia e Sunset, ambos no Havai. Isto, claro, se a pandemia não entrar novamente em ação para estragar estes planos. E só terá direito a entrar nestas provas os tops das várias regiões. Com a temporada do QS regional a chegar ao final – há regiões onde nem sequer chegou a regressar… - há já vários nomes carimbados para esta nova segunda divisão do surf mundial.

    Aliás, apenas a Europa tem de definir os seus qualificados, mas nem todos, pois há surfistas, com o português Vasco Ribeiro à cabeça, já garantido matematicamente nestas contas. Com a ação parada em Pantín, apenas no fim-de-semana iremos saber quem serão todos os qualificados europeus. E nessa altura a lista de qualificados mundiais já deverá ser a final.

    Com a data de arranque do US Open a estar apontada para 2 de Agosto, logo após os Jogos Olímpicos de Tóquio, ainda falta uma confirmação oficial de que será mesmo esse o dia de arranque destas Challenger Series. Numa altura em que a pandemia volta a aumentar de casos por todo o Mundos, as próximas semanas serão essenciais para perceber as condições que existem para este circuito ir em frente.

    Por agora, as poucas certezas que existem são as dos surfistas qualificados por regiões. E mesmo em algumas delas, talvez não seja melhor dar o ranking como um dado adquirido. Como por exemplo em África, onde apenas existem três surfistas femininas com ranking e dois eventos a contar, ou no Havai, onde não existem provas a contar desde o início de 2020.

    Contudo, e de acordo com o que diz no site da WSL, podemos já apontar vários nomes que cumprem os requisitos das várias regiões, com os números de qualificados a derivarem de sítio para sítio. A Europa é uma das regiões com vagas máximas. A par da Austrália/Oceânia e da América do Norte, onde também se qualificam os 10 melhores surfistas masculinos e 10 femininos. Em sentido inverso, África apenas qualifica os cinco melhores homens e as três melhores mulheres – na verdade também não há mais no ranking.

    A juntar a estes surfistas em posição de qualificação deverão ainda entrar em prova vários wildcars. Além de, numa altura de tantas incógnitas, haver a possibilidade de surfistas abdicarem da sua vaga. Por agora, este é o esboço daqueles que serão os qualificados para as Challenger Series, devendo haver uma lista final depois de Pantín e de a Europa ter as contas fechadas.

    Olhando para a lista abaixo, o que mais se nota é uma grande ausência de surfistas latinos, eles que tão bons resultados têm tido nas provas ISA, indo inclusivamente com muitos representantes a Tóquio. Inseridos num circuito sul-americano dominado pelo Brasil, sobretudo no lado masculino, em mais de 50 surfistas vemos apenas quatro surfistas – um mexicano, dois peruanos e um uruguaio, sendo que dois deles qualificaram-se pela América do Norte. Nas mulheres o caso é ligeiramente diferente, mas nem por isso as cinco latinas qualificadas representam uma força dominante nestas provas.

    Destaque ainda para a presença de nomes inesperados nesta lista, sobretudo no Havai. Mason Ho e o antigo campeão mundial de ondas grandes Billy Kemper são bons exemplos disso. Caso estejam mesmo na disposição de competir poderão causar estragos, sobretudo se tivermos em conta que duas das etapas são no Havai. Aliás, caso Kemper esteja disposto a viajar pelo Mundo não seria nada de admirar se o víssemos a conseguir uma inesperada qualificação no final da temporada. Ingredientes extra não faltam para estas Challenges Series. Caso consigam ir para a frente…  

    Challenger Series masculinas (58 apurados + wildcards a definir)

    África (5 homens)

    - Shane Sykes (AFS)
    - Beyrick de Vries (AFS)
    - Adin Masencamp (AFS)
    - Jordy Maree (AFS)
    - Slade Prestwich (AFS)

    Austrália/Oceânia (10 homens)

    - Matt Banting (AUS)
    - Reef Heazlewood (AUS)
    - Callum Robson (AUS)
    - Jacob Willcox (AUS)
    - Liam O’Brien (AUS)
    - Sheldon Simkus (AUS)
    - Kalani Ball (AUS)
    - Jackson Baker (AUS)
    - Dylan Moffat (AUS)
    - Billy Stairmand (NZL)

     Havai/Taiti (7 homens)

    - Eli Henneman (HAV)
    - Mason Ho (HAV)
    - Billy Kemper (HAV)
    - Keanu Asing (HAV)
    - Josh Moniz (HAV)
    - Jackson Bunch (HAV)
    - Koa Smith (HAV)

    América do Norte (10 homens)

    - Nat Young (EUA)
    - Michael Dunphy (EUA)
    - Lucca Mesinas (PER)
    - Pat Gudauskas (EUA)
    - Cam Richards (EUA)
    - Jake Marshall (EUA)
    - Jhony Corzo (MEX)
    - Kade Madson (EUA)
    - Cole Houshmand (EUA)
    - Evan Geiselman (EUA)

    América do Sul (10 homens)

    - Wiggolly Dantas (BRA)
    - Alonso Correa (PER)
    - Ian Gouveia (BRA)
    - Thiago Camarao (BRA)
    - João Chianca (BRA)
    - Weslley Dantas (BRA)
    - Marco Giorgi (URU)
    - Edgard Groggia (BRA)
    - Samuel Pupo (BRA)
    - Rafael Teixeira (BRA)

    Europa (10 homens/6 já apurados)

    - Vasco Ribeiro (PRT)
    - Ramzi Boukhiam (MAR)
    - Joan Duru (FRA)
    - Tim Bisso (FRA)
    - Kauli Vaast (FRA)
    - Charly Quivront (FRA)

    Ásia (6 homens/4 já apurados)

    - Shun Murakami (JAP)
    - Rio Waida (IND)
    - Reo Inaba (JAP)
    - Hiroto Ohhara (JAP)
    - Shuji Nishi (JAP)
    - Hiroto Arai (JAP)

     

    Challenger Series femininos (44 apuradas + wildcards a definir por etapa)

    África (3 mulheres)

    - Sarah Baum (AFS)
    - Zoe Steyn (AFS)
    - Natasha Van Greunen (AFS)

    Austrália/Oceânia (8 mulheres)

    - Molly Picklum (AUS)
    - Sophie McCulloch (AUS)
    - Zahli Kelly (AUS)
    - Philippa Anderson (AUS)
    - Freya Prumm (AUS)
    - Kobie Enright (AUS)
    - India Robinson (AUS)
    - Dimity Stoyle (AUS)

    Havai/Taiti (6 mulheres)

    - Bettylou Sakura Johnson (HAV)
    - Luana Silva (HAV)
    - Savanna Stone (HAV)
    - Leila Riccobuano (HAV)
    - Kohai Fierro (TAH)
    - Erin Brooks (HAV)

    América do Norte (8 mulheres)

    - Kirra Pinkerton (EUA)
    - Meah Collins (EUA)
    - Alyssa Spencer (EUA)
    - Samantha Sibley (EUA)
    - Tia Blanco (PRT)
    - Leilani McGonagle (CRC)
    - Ella McCaffray (EUA)
    - Chelsea Tuach (BRB)

    América do Sul (5 mulheres)

    - Daniella Rosas (PER)
    - Silvana Lima (BRA)
    - Sol Aguirre (PER)
    - Josefina Ane (ARG)
    - Dominic Barona (EQU)

    Europa (8 mulheres/4 já apuradas)

    - Leticia Canales Bilbao (ESP)
    - Pauline Ado (FRA)
    - Vahine Fierro (FRA)
    - Maud Le Car (FRA)

    Ásia (6 mulheres/3 já apuradas)

    - Minami Nonaka (JAP)
    - Mahina Maeda (JAP)
    - Hinako Kurokawa (JAP)
    - Shino Matsuda (JAP)
    - Amuro Tsuzuki (JAP)
    - Sara Wakita (JAP)

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf! 

    Segue o Beachcam.pt no Instagram