Homepage

  • As grandes diferenças no WCT em 10 anos
    10 janeiro 2020
    arrow
  • Houve perdas irreparáveis, mas também o surgimento de novas estrelas do surf mundial. Novos campeões mundiais e o aparecimento de uma nação dominadora.
  • Chegámos a 2020 e, com isso, são muitas listas que circulam pela internet sobre os momentos, acontecimentos e personagens da última década, embora na realidade a década só termine no final deste ano. Ainda assim, recuámos 10 anos no tempo para “vasculhar” o passado do surf mundial de competição e perceber as grandes diferenças que existem de 2010 para 2020.

    Foram de facto 10 anos intensos e com muitos acontecimentos marcantes. Houve perdas irreparáveis, mas também o surgimento de novas estrelas do surf mundial. Novos campeões mundiais e o aparecimento de uma nação dominadora que há 10 anos ainda só apalpava o terreno. Houve também mudanças nos formatos e nos eventos.

    Eis 10 grandes diferenças de 2010 para 2020:

    - Kelly Slater estava a conquistar o 10.º título mundial. No ano seguinte venceu o 11.º e desde então nunca mais foi campeão. Mas, aos 47 anos, ainda compete;

    - Dane Reynolds ainda competia e nesse ano fez a melhor época da carreira, ao termino no 4.º posto do ranking;

    - As lendas australianas Mick Fanning, Taj Burrow e Bede Durbidge, recentemente retiradas, faziam parte do top 6 mundial;

    - Tiago Pires estava na terceira temporada entre a elite mundial, tendo alcançado nesse ano a sua melhor prestação de sempre, com um 21.º lugar;

    - Andy Irons ainda era vivo e estava a regressar ao WCT, tendo vencido a etapa do Taiti. Morreria em novembro desse ano…;

    - Apenas existiam quatro brasileiros (Adriano, Jadson, Neco Padaratz e Marco Polo) num Tour dominado por australianos (21) e dois deles saíram no cut a meio do ano. Hoje em dia a ordem inverteu, com 11 brasileiros para 10 australianos;

    - Apesar se só ter 16 anos, Gabriel Medina já causava furor nos WQS. Em 2009 já tinha mesmo vencido um evento Prime, com apenas 15 anos;

    - Frederico Morais tinha apenas 18 anos e lutava pelos primeiros lugares do ranking Pro Júnior europeu, enquanto dava os primeiros passos no WQS;

    - Sete das etapas da altura ainda se mantêm no circuito, entre elas a de Peniche. A de Santa Catarina no Brasil mudou para o Rio, a de Trestles, na Califórnia, chegou ao fim, e o The Search, que naquele ano foi em Porto Rico, também. Em comparação com 2020 entraram Margaret River, G-Land e Surf Ranch;

    - A temporada de 2010 começou com um top 44 mundial e só a meio dessa temporada houve uma redução para o atual top 34 mundial.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, e encontra tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram