Homepage

  • Nishi: a versão nipónica dos irmãos Gudauskas
    20 novembro 2017
    arrow
  • São três os membros da família Nishi que começam a dar cartas no WQS. Shuji, Keijiro e Yuji. E é o mais novo que promete voar mais alto.
  • Os mais despercebidos provavelmente nunca repararam, mas o WQS foi recentemente invadido por uma nova família: os Nishi. São três irmãos oriundos do Japão. Um deles estreou-se a vencer no WQS em 2017. Mas é o mais novo que começa a mostrar muito potencial. Keijiro, Shuji e Yuji são os Nishi Brothers. Ou o mesmo que dizer, a versão nipónica dos manos Gudauskas.

    Sem querer parece xenófobo, a realidade é que quando se olha para a tabela de resultados dificilmente se percebe que estamos na presença de três diferentes surfistas japoneses – até pela semelhança e dificuldade em ler e perceber os nomes de surfistas japoneses. Mas uma rápida e complicada pesquisa – com a ajuda de um tradutor japonês – ajudou a confirmar que, sim, os Nishi são irmãos.

    Keijiro e Shuji entraram no WQS em 2013 e têm passado despercebidos, até que a quantidade elevada de membros da família nas provas, sobretudo, do calendário asiático fez com que reparássemos mais neles. Foram subindo progressivamente no ranking, até que este ano preparam-se para terminar pela primeira vez dentro do top 200 mundial.

    Shuji é o melhor dos três, estando atualmente no 153.º posto. Para tal contribuiu o recente 9.º posto alcançado no QS3000 de Hainan, na China. Foi um dos resultados mais positivos da carreira e, por isso, conseguiu distinguir-se dos irmãos. Mas, apesar de ser o pior dos três, no 179.º posto, o grande destaque do ano foi Keijiro, que conquistou a edição inaugural do Krui Pro, um QS1000 que se disputou em Ujung Bocur, na Indonésia.

    Curiosamente, o “caçula” dos Nishi surge apenas uma posição à frente de Keijiro, que foi o primeiro dos três a vencer uma competição internacional no WQS. Yuji é o 178.º do ranking, mas também é o que mais promete. Acima de tudo, por já ter dado nas vistas no Quiksilver King of the Groms, mas também porque, aos 17 anos, já parece estar ao nível dos irmãos, depois de se ter estreado no QS apenas em 2015.

    Ainda assim, falta a Yuji exprimir o talento em resultados. Em 2017 começou o ano com a participação no Mundial Júnior da WSL, onde não foi além do 25.º posto, em Kiama, na Austrália. Depois, o melhor que conseguiu foi o 5.º posto no Murasaki Shonan Open, um QS1500 que decorreu no Japão. A juntar a isso, foi ainda 2.º classificado num Pro Júnior japonês, o que lhe dá a possibilidade de competir novamente no mundial júnior.

    No entanto, é importante não esquecer que os três irmãos Nishi ainda têm uma prova até final do ano para melhorarem os seus registos no WQS em 2017. Todos estão inscritos no QS1500 que e vai disputar de quarta-feira a domingo em Taiwan. E foi nesta mesma prova, em 2015, no ano de estreia entre os “maiores”, que o pequeno Yuji Nishi se deu a conhecer ao Mundo do Surf, quando, com apenas 15 anos, alcançou um brilhante 3.º posto.

Galeria