Homepage

  • Keanu Asing renasce das cinzas e mira regresso ao WCT
    29 agosto 2017
    arrow
  • Após a queda da elite mundial no último ano, o pequeno havaiano tem estado em grande forma no WQS, alcançando na última semana o terceiro triunfo da temporada.
  • Poucos davam muito por Keanu Asing aquando da sua qualificação para o Tour de 2015, mas a verdade é que o underdog havaiano deu uma lição a muitos rookies, garantindo a continuidade entre a elite mundial, enquanto outros mais badalados se despediram. Em 2016 voltou a surpreender vencendo o Quiksilver Pro France, naquela que foi a maior vitória da carreira e única no WCT.

    No entanto, a última temporada não terminou da melhor forma para Asing que estabeleceu o registo de ser o primeiro surfista do World Tour a vencer um evento e a não conseguir a requalificação no mesmo ano. Mas o pequeno e compacto surfista, de 24 anos, não baixou os braços e em 2017 está de regresso à melhor forma.

    Tanto é, que Keanu Asing acabou de vencer na última semana o terceiro evento da temporada no WQS, ao conquistar o Vans Pro, em Virginia Beach, em Virginia. É certo que se trata apenas de um QS3000 e que as outras duas vitórias foram noutro QS3000 (Barbados) e num QS1000 (Boomerang Beach, na Austrália), mas a verdade é que são sucessos que o colocam novamente na rota da qualificação.

    Asing ocupa atualmente o 8.º posto do ranking do WQS, pois além dos triunfos já alcançados conta ainda com um 9.º lugar no QS10000 de Ballito, que, na realidade, até é a pontuação mais alta que tem a contar (3700 pontos). Agora, o jovem havaiano precisa de resultados fortes na reta final da temporada para se solidificar no top 10.

    Esta semana vai estar já a competir em Pantín, no QS6000 galego, e depois andará por Portugal, devendo marcar presença nos Açores e em Cascais. Mas será no “seu” Havai que terá muitas hipóteses de pontuar de forma a carimbar o regresso à elite mundial, sobretudo no QS10000 de Haleiwa e no de Sunset Beach.

    Este novo Keanu Asing, que poucos acreditavam ter qualidade para estar no World Tour, está agora a mostrar uma nova vida e também uma veia triunfadora nunca antes vista, sobretudo porque foi no ano passado em França que alcançou o primeiro triunfo da carreira em provas seniores da WSL - este ano só o sul-africano Michael February, número dois do ranking WQS, ganhou tantas provas como ele, mas todas de estatuto QS1000.

Galeria