Homepage

  • Márcio Freire, pioneiro da remada em Jaws e destemido por natureza
    05 janeiro 2023
    arrow
    arrow
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • A onda de Jaws valeu-lhe algumas entradas para os Big Wave Awards.
  • A comunidade do surf está em choque com a perda de Márcio Freire, esta quinta-feira, na Nazaré, enquanto surfava ondas na casa dos 6 metros na Praia do Norte. Uma enorme perda para o surf de Ondas Grandes, sendo ele um dos pioneiros do surf na remada em Jaws, uma das ondas mais temidas do planeta.

    Apesar de não ser um surfista tão mediático como muitos dos que enfrentam as ondas gigantes da Nazaré, o veterano surfista brasileiro teve uma importância incomensurável para a arte do big wave riding, sobretudo pela ligação a Jaws. Com os também baianos Danilo Couto e Yuri Soledade, formou o trio Mad Dogs, que ousaram ser dos primeiros a enfrentar Jaws na remada e sem apoio de segurança.

    Aliás, foi o facto de terem enfrentado a braços aquilo que se julgava impossível na altura, que lhes valeu a alcunha de Mad Dogs. Sem coletes salva-vidas, sem motas de águia ou jet skis, Freire, Couto e Soledade foram trilhando o caminho da história na majestosa arena havaiana, que divide até aos dias de hoje o estrelato do surf de Ondas Gigantes com a Nazaré.

    Foi em 1998, com apenas 23 anos, que Márcio Freire embarcou rumo a Maui, ficando por lá cerca de 20 anos, onde se foi impondo como uma verdadeira referência. O trio composto com Couto e Soledade, que mais tarde tiveram maior apetência para as competições de Ondas Grandes, e por isso ganharam mais mediatismo, ganhou inclusivamente direito a um documentário intitulado com o nome do grupo: Mad Dogs.

    Freire, por sua vez, foi sempre mais soul surfer e nunca escondeu a preferência pela remanda em relação ao tow-in. um verdadeiro apaixonado do surf, que pouco lucrou em termos monetários com a carreira. Há cerca de dois meses, o big rider brasileiro, de 47 anos, concedeu uma entrevista ao canal Let’s Surf, onde garantiu nunca ter tirado proveito financeiro do surf.

    Inspiração para a nova geração de big riders brasileiros, como revelou, por exemplo, Vinícius dos Santos, um dos maiores destaques na última temporada na Nazaré, Márcio Freire viu ainda algumas ondas suas em Jaws terem entrada na disputa pelo prémio Ride of the Year dos Big Wave Awards, nomeadamente em 2016.

    Depois da conquista de Jaws, Freire também enfrentou algumas das lajes mais potentes do Brasil. E até andou pelo sul de Portugal, como contou João “Flecha” Menezes neste artigo. A Nazaré eram um dos palcos onde estava frequentemente e quis o destino que fosse o primeiro surfista a perder a vida nas ondas da Praia do Norte. Mesmo que não tenha sido a maior das sessões que por ali houve ou que Márcio Freire já tenha enfrentado. Partiu o surfista. Ficou o legado!

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Márcio Freire
  • Jaws
  • Nazaré
  • ondas grandes
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
maio 28
Ricardo Rosmaninho alcança 9º lugar no Antofagasta Bodyboard Festival
maio 26
Ricardo Rosmaninho já está nos oitavos-de-final do Antofagasta Bodyboard Festival
maio 26
MEO Beachcam instala nova live cam na Baía de Peniche | Baleal
maio 26
Nacional de Bodysurf visita a Lourinhã este sábado
maio 26
Inscrições abertas para a etapa inaugural do Circuito de Surf da Ericeira 2023
maio 26
Chuva e trovoada de volta: 12 distritos sob aviso amarelo
maio 24
Reaberto passadiço que liga as praias da Barra e da Costa Nova