Homepage

  • Já não chega proteger a biodiversidade: restaurar é o caminho
    05 dezembro 2022
    arrow
    arrow
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Ângela Morgado, diretora executiva da representação em Portugal da organização ambientalista internacional WWF, diz que é preciso um Acordo de Paris para a natureza.
  • Proteger a biodiversidade mundial já é insuficiente e é necessário um investimento “em larga escala” no restauro da natureza, disse Ângela Morgado, diretora executiva da representação em Portugal da organização ambientalista internacional WWF, à agência noticiosa Lusa.

    A propósito da cimeira da ONU sobre a Biodiversidade (COP15), que teve uma primeira parte no ano passado na China e que vai concluir-se em Montreal, no Canadá, entre os dias 7 e 19 de dezembro, Ângela Morgado alerta que a natureza está a desaparecer um "ritmo sem precedentes”, com a população de espécies a diminuir 69% desde 1970, segundo o último relatório da World Wide Fund for Nature (WWF).

    Para a COP15 ser bem-sucedida, diz Ângela Morgado, tem de reverter essa tendência e agir para ter até 2030 pelo menos 30% de áreas protegidas do planeta, acrescentando: “Mas também é muito importante a parte do restauro. A nossa meta em restauro é de 30%”.

    “Precisamos de um Acordo de Paris para a natureza. Um acordo com significado político, um acordo com compromissos”, afirma a diretora executiva da Associação Natureza Portugal, que em Portugal trabalha com a WWF, sob a sigla ANP/WWF.

    Em 2015 foi aprovado por quase todos os países do mundo o Acordo de Paris, considerado o mais importante documento da luta contra o aquecimento global, que traça as metas e o que tem de ser feito para que o aumento global das temperaturas não ultrapasse os dois graus celsius (ºC) em relação à época pré-industrial, e se possível não vá além de 1,5ºC. Esse aumento é hoje já de pelo menos 1,1ºC.

    O que Ângela Morgado defende é que em Montreal seja alcançado um acordo do género, mas virado para a proteção da biodiversidade mundial.

    A “inação já não é uma opção, precisamos mesmo de ação”, sustenta a responsável nas declarações à Lusa, acrescentando que um quadro ambicioso para a COP15 passa também pela mobilização para que se reduza para metade, até 2030, a pegada mundial da produção e consumo.

    Tal passa, diz, por uma “transformação comportamental acentuada” das pessoas, reduzindo o consumo de determinados alimentos e optando por outros. Ângela Morgado destaca que essa mudança passa também por outras áreas, seja a moda, a energia ou a mobilidade.

     

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Natureza
  • Meio Ambiente
  • Ecossistema
  • Sustentabilidade
  • Biodiversidade marinha
  • biodiversidade
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
fevereiro 01
Campeonato Nacional de Surf da Ucrânia vai ser realizado em Portugal
fevereiro 01
Surf nacional lamenta perda de Pedro Lacerda
fevereiro 01
FUEL TV assegura transmissão do Winter Dew Tour 2023 à escala global
janeiro 31
Surf adaptado mantém bem vivo sonho da inclusão nos Jogos Paralímpicos de Los Angeles'2028
fevereiro 01
Índia vai estrear-se no Mundial ISA e já sonha com Paris’2024
janeiro 31
Comunicado da FPS sobre o projeto 'Gestão do Espaço Costeiro'
janeiro 31
Luke Shepardson, o vencedor improvável do Eddie Aikau que passou a ter um dia no Havai com o seu nome