Homepage

  • David Raimundo: “O Telmo e o Fidji vão fazer um excelente trabalho” (ENTREVISTA 2.ª PARTE)
    13 setembro 2022
    arrow
    arrow
  • Fotografia
    FPS
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Selecionador nacional garante coerência no processo da seleção dos surfistas.
  • David Raimundo caminha a passos largos para cumprir uma década a liderar a Seleção Nacional de Surf. Depois de ter revolucionado o surf nacional em termos de seleções e conquistas internacionais, Raimundo prepara-se para atacar o segundo trajeto olímpico, após ter ajudado Portugal a qualificar três surfistas para Tóquio’2020.

    O primeiro passo para Paris’2024 começa já esta sexta-feira, em Huntington Beach, com o primeiro de três Mundiais ISA que vão ter vagas em jogo para as olimpíadas francesas. Apesar de ausente, o selecionador nacional mostra-se otimista para a campanha portuguesa e demonstra confiança na escolha feita para suprimir a sua ausência na Califórnia.

    Na segunda parte desta entrevista exclusiva, David Raimundo aborda os critérios de seleção e analisa ainda vários outros temas importantes da atualidade do surf nacional.

    Beachcam - O Mundial ISA vai realizar-se em Huntington Beach, uma praia que historicamente não tem sido muito favorável ao surf português. Esse histórico torna ainda mais difícil a tarefa ou, por sua vez, é um fator extra de motivação para romper com essa tendência?

    David Raimundo - Gosto sempre de ver as coisas positivas que já conseguimos fazer lá. Conseguimos uma medalha de bronze com o Afonso Antunes e já tivemos atletas no top 10 júnior. É verdade que no US Open ainda não conseguimos nenhum resultado que faça justiça ao nosso potencial de surf, mas a nossa qualidade está lá. E, assim sendo, as perspetivas são sempre boas e a motivação sempre máxima!

    B - O David não vai poder estar presente neste Mundial ISA. A que se deve esta ausência?

    DR - Vou ser pai pela terceira vez e está previsto o meu filho nascer na semana do campeonato.

    B - No seu lugar estará o Nuno Telmo, que há muito trabalha consigo. Quem sugeriu este nome? Foi o David em conjunto com a FPS?

    DR - A sugestão foi minha à direção da FPS, que depois de analisar os meus argumentos e ponderar todos os cenários, optou por concordar comigo. Como já referi anteriormente, a prova é realizada em duplo podium e, por isso, são necessários sempre dois treinadores. A escolha do Telmo para mim é muito simples e fácil de entender: é um dos treinadores mais competentes, experientes e titulados em Portugal. Foi treinador da Teresa e da Kika mais de cinco anos, é treinador do Guilherme Fonseca há mais de 15 anos e já orientou o Frederico em alguns estágios e campeonatos do Pro Júnior e WQS. Conhece perfeitamente o surf do Gui Ribeiro e da Yolanda e já os vê competir desde os tempos em que eram esperanças. Depois, tem a vantagem de trabalhar exatamente da mesma maneira que eu, de ver o surf de competição como eu e de ser a pessoa a seguir ao Pedro Simão “Fidji”, que está mais por dentro daquilo que eu tenho feito com as equipas nacionais ao longo destes anos todos. E por último, tem uma excelente relação com o “Fidji”. Não tenho dúvidas que os dois, em conjunto, vão fazer um excelente trabalho!

    B - Tendo em conta as características tubulares de Teahupoo, chamar um surfista com características de tube rider foi algo pensado? É Guilherme Fonseca que, entre os surfistas que se mantêm em competição, encaixa nesse perfil?

    DR - Quando se começa a preparar um ciclo olímpico, tudo é pensado e preparado ao pormenor. Neste momento, e sendo realistas, não temos nenhum atleta a competir que tenha muita experiência na onda de Teahupoo. O Frederico é o mais experiente e mesmo assim não foi lá muitas vezes. A Teresa já teve lá a sua primeira experiência. Os restantes, nunca ninguém surfou lá. O surfista que tem mais experiência naquela onda - até já competiu lá mais do que uma vez - é o Nicolau Von Rupp. Mas não compete mais e está virado para outras áreas como surfista. O Guilherme Fonseca é um bom tube rider, assim como o Frederico e o Gui. A nossa ideia é fazer o máximo de estágios em Teahupoo, de forma a adquirir o máximo de experiência possível na onda. Sabemos que é complicado porque não temos orçamento para tudo aquilo que queremos e precisamos.

    B - Com uma equipa rejuvenescida em termos masculinos houve alguns nomes de destaque a ficarem de fora. No entanto, acredita que o recente resultado do Guilherme Ribeiro é a prova necessária para encerrar eventuais polémicas?

    DR - Sempre que existe uma convocatória, há pessoas contentes e pessoas descontentes. Já é assim desde a minha primeira convocatória para o Mundial ISA Junior, no Equador, em 2014. Cabe-me a mim e ao “Fidji” definirmos os critérios de seleção para cada prova e sermos coerentes com os mesmos. E nós sempre fomos coerentes com os nossos critérios. O que acontece muito aqui em Portugal é que as pessoas falam de justiça ou injustiça, de um ou outro atleta ser convocado ou não, sem saberem o mais importante: os critérios! E, esses, são definidos pela equipa técnica. Sempre aceitei e aceito que outros treinadores, surfistas ou amantes do surf, não concordem com os meus critérios. Mas nunca vão poder acusar-me que não fui coerente e justo. Felizmente, temos excelentes surfistas e a concorrência é sempre muito grande.

    B - Num olhar ao atual momento do surf nacional em termos de performances nas provas da WSL, como analisa a discrepância de resultados que tem vindo a ser verificada entre o feminino e o masculino, pese embora a recente vitória de Guilherme Ribeiro em Lacanau?

    DR - É um facto que o surf feminino tem estado muito forte e consistente nos WQS. Vamos, se não me engano, em 9 vitórias consecutivas para surfistas portuguesas. É, realmente, notável. A juntar a isto, a vitória da Teresa - a primeira portuguesa na história - no Challenger de Manly foi muito bom para o reconhecimento do surf português. E olharmos para o ranking do WQS europeu feminino e vermos a campeã e duas vice-campeãs da Europa, puxa muito por todas as meninas que fazem surf em Portugal. Mas não acho que os homens estejam assim tão mal como algumas pessoas os pintam. Vejamos: o Frederico ainda este ano estava no World Tour. E só saiu por uma regra - cut ao fim da quinta etapa - que do ponto de vista desportivo não faz o menor sentido. Caso contrário, acho que se ia manter. O Vasco é o campeão europeu em título. O Gui Ribeiro venceu em Lacanau. Temos que ter sempre em atenção todo o contexto quando queremos comparar o feminino versus masculino e Portugal versus franceses ou espanhóis. Esta comparação e análise dava para fazer uma entrevista só disto, pois a complexidade é muito maior do que se faz querer passar.

    B - Olhando apenas para o atual momento do surf feminino, como avalia este crescimento e quais considera as principais causas desta afirmação? Este momento faz com que olhe para as representantes femininas como a grande arma portuguesa para chegar a Paris'2024?

    DR - Acho que o crescimento do surf feminino é reflexo do bom trabalho que algumas escolas e treinadores têm vindo a fazer já há vários anos. Tudo isto aliado ao bom nível das surfistas e à sua capacidade de trabalho, coincide com o aparecimento dos bons resultados. Olho para a qualidade de todos os surfistas portugueses! E acredito que essa qualidade, experiência e espirito de grupo nos mundiais são a nossa maior arma para voltarmos a fazer história! Todas as pessoas que me conhecem sabem que sou um otimista por natureza. Sou ambicioso e trabalhador. Acredito sempre que é possível atingirmos os nossos objetivos e sonhos!

    B - Acompanhou de muito perto o crescimento de Vasco Ribeiro no panorama do surf nacional e internacional. Como olha para o recente anúncio de que vai fazer uma pausa na carreira?

    DR – Olho, acima de tudo, com respeito. Ele, melhor que ninguém, sabe o que é mais importante para a sua saúde mental. Neste momento, isso tem que ser a principal prioridade.

     

    Não perca a primeira parte da entrevista de David Raimundo, onde deixa algumas críticas ao atual processo olímpico, além de comentar outros temas “quentes” associados a Paris’2024.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • David Raimundo
  • ISA World Surfing Games
  • Huntington Beach
  • Fotografia
    FPS
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
janeiro 26
Produção diária de energia eólica atingiu novo recorde em Portugal
janeiro 27
Revelado calendário dos circuitos regionais de surf para 2023
janeiro 27
Tempo frio vai continuar pelo menos até quinta-feira
janeiro 27
FPS anuncia 'grande mudança' no acesso aos circuitos em 2023
janeiro 26
Cidade chinesa regista temperatura recorde de -53ºC
janeiro 26
Frio fica para o fim de semana: todo o continente vai estar sob aviso amarelo
janeiro 26
FUEL TV lança programa de estágios