Homepage

  • Registados mais de 100 óbitos por afogamento em Portugal desde o início do ano
    12 setembro 2022
    arrow
    arrow
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • O número de mortes cifra-se em 111, valor que representa um novo máximo nos últimos cinco anos.
  • Os números são contabilizados pelo Observatório do Afogamento da Federação Portuguesa de Nadadores-Salvadores (FEPONS). Desde o dia 1 de janeiro de 2022 já ocorreram mais de uma centena de óbitos por afogamento.

    Numa altura em que falta contabilizar um quadrimestre até ao fim do vigente ano, o número de mortes cifra-se em 111, valor que representa um novo máximo nos últimos cinco anos.

    Só no passado mês de agosto foram verificados 23 óbitos. Este registo bateu o máximo mensal de mortes em meio aquático em Portugal dos últimos cinco anos. O mês de julho de 2020 era aquele em que, neste período, tinham sido registadas mais mortes: 21.

    Em declarações à agência noticiosa Lusa, Alexandre Tadeia, presidente da Federação Portuguesa de Nadadores-Salvadores, referiu poder atribuir-se o aumento das mortes registadas com a "falta de cultura das pessoas na relação com o meio aquático".

    "Por um lado, achamos que as pessoas não sabem identificar os riscos. Não sabem o que é um agueiro, os perigos das ondas, que um corpo flutua menos em água doce. Nada disto é ensinado nas escolas e deveria. E, por outro, o período pós-pandemia levou a uma maior procura [das zonas balneares]", frisou.

    Segundo Alexandre Tadeia, o padrão de mortes por afogamento em meio aquático tem vindo a manter-se ao longo dos últimos cinco anos. "São mais homens, mais no distrito do Porto e mais no interior".

    Comparando com períodos homólogos desde 2017, altura em que o Observatório do Afogamento começou a fazer os registos, o valor de 111 mortes representa um aumento significativo face ao anterior máximo de 87 mortes ocorridas em 2017.

    Em 2018, registaram-se 76 mortes no mesmo período; em 2019 e 2020 registaram-se, em cada ano, 69; e em 2021 ocorreram 76 óbitos.

    A maioria das mortes em meio aquático este ano aconteceu no mar (42) e no rio (40), sendo que apenas oito mortes ocorreram em zonas vigiadas e a maioria por desrespeito às indicações de segurança.

    Nove pessoas morreram por afogamento em barragens e nove em poços. Os restantes afogamentos verificaram-se em piscina doméstica (três), em porto de abrigo (dois) e, no que se refere a cinco deles, em tanque, lago, cisterna, canal de rega ou piscina oceânica.

     

     

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • praia
  • mar
  • Portugal
  • FEPONS
  • Federação Portuguesa de Nadadores-Salvadores
  • Mortes
  • Afogamento
  • Verão
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
dezembro 03
FPS agradece todo o 'trabalho' e 'dedicação' de Teresa Bonvalot
dezembro 02
Primeiro fim de semana de dezembro vai ser frio, cinzento e chuvoso
dezembro 02
Grupos central e oriental dos Açores com aviso amarelo devido ao mau tempo e mar agitado
dezembro 02
Seleção Nacional de Surf Adaptado já partiu para o Mundial ISA 2022
dezembro 02
Ericeira Surf Clube participa em projeto que promove a sustentabilidade ambiental e não só
novembro 30
Chuva não fica para o feriado: sol vai brilhar
novembro 29
Governo australiano é contra a inclusão da Grande Barreira de Coral na lista de Património Mundial em perigo