Homepage

  • Biodiversidade vai ser afetada com a mineração do mar profundo
    01 julho 2022
    arrow
    arrow
  • Também a pesca comercial sofrerá os efeitos desta atividade, diz um estudo realizado pelo grupo de investigação do Mar Profundo da Universidade dos Açores.
  • Um estudo da Universidade dos Açores concluiu que a mineração do mar profundo vai afetar a biodiversidade e a pesca, porque os sedimentos poderão dispersar por uma área equivalente a 10 mil campos de futebol.

    Em comunicado enviado à agência noticiosa Lusa, o grupo de investigação do Mar Profundo da Universidade dos Açores (UAc) avança que um estudo, publicado na revista 'Frontiers of Marine Science', concluiu que a exploração mineral do mar profundo vai produzir “plumas de sedimentos que poderão cobrir uma área até 150 quilómetros quadrados”.

    “Os sedimentos libertados durante a exploração mineral poderão dispersar por uma área equivalente a 10 mil campos de futebol e afetar ecossistemas marinhos vulneráveis e a pesca comercial”, realçam os investigadores.

    A investigação revelou ainda que as plumas “podem dispersar para fora das áreas” de mineração e “atingir montanhas submarinas próximas”, o que afeta os “ambientes do mar profundo” e os “ambientes perto da superfície”.

    “Estas plumas, com elevado potencial tóxico, porão em risco os corais de água fria e as atividades de pesca existentes. Estes impactos são particularmente preocupantes em regiões como os Açores, onde as populações locais são altamente dependentes do mar profundo”, lê-se na nota de imprensa.

    O grupo de investigadores destaca que o mar profundo dos Açores “esconde uma diversidade de comunidades biológicas única no Oceano Atlântico”, como “extensos jardins de corais de águas frias” e “campos de esponjas”.

    “Muitas destas áreas constituem ecossistemas marinhos vulneráveis devido à grande diversidade de espécies, algumas com longevidades de centenas ou milhares de anos e crescimento muito lento”, alertam.

    Para o grupo de investigação, os resultados do estudo “reforçam a necessidade de continuar a avaliar os potenciais impactos da exploração mineral do mar profundo antes de se começar a equacionar a sua regulamentação”.

     

     

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • mar
  • Oceanos
  • Oceano
  • Estudo
  • mineração
  • mineração marinha
  • Universidade dos Açores
  • biodiversidade
  • Biodiversidade marinha
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
fevereiro 01
Surf nacional lamenta perda de Pedro Lacerda
fevereiro 03
Lucas Fink, de Ipanema para as ondas grandes da Nazaré com a prancha de skimboard: 'Se o teu sonho não te dá medo, não estás a sonhar alto'
fevereiro 03
Sol e temperaturas acima dos 20ºC no primeiro fim de semana de fevereiro
fevereiro 03
Está a chegar o Circuito Regional de Surf do Sul 2023!
fevereiro 02
Tempo frio ainda deixa três distritos sob aviso amarelo
fevereiro 02
Praia da Empa coroou vencedores do Science Ericeira 2022
fevereiro 01
FUEL TV assegura transmissão do Winter Dew Tour 2023 à escala global