Homepage

  • Entrevista a Pedro Perestrelo Pinto, Cônsul-Geral em São Francisco (Parte 2): da visita às catedrais do surf havaiano ao antepassado português de Kai Lenny
    13 maio 2022
    arrow
    arrow
  • Fotografia
    DR/Pedro Perestrelo Pinto
  • Fonte
    Alexandre Melo
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Na recente passagem do Cônsul-Geral pelo arquipélago do Havai, não faltou o surf ou não estivéssemos a falar da meca do surf mundial. Além disso, Pedro Perestrelo Pinto é desde há muito um praticante desta modalidade olímpica.
  • Na primeira parte da entrevista que o Beachcam efetuou a Pedro Perestrelo Pinto, ficámos a conhecer um pouco melhor a ação desenvolvida pelo Cônsul-Geral de Portugal em São Francisco, bem como a forte influência da cultura portuguesa no Havai, arquipélago onde recentemente esteve.

    Uma visita à qual não faltou o surf ou não estivéssemos a falar da meca do surf mundial. Iniciou-se no bodyboard, mas a verdade é que há muito que o surf faz parte da vida de Pedro Perestrelo Pinto. "Divirto-me, enche-me a alma e recarrego baterias", conta-nos.

    Contemporâneo de nomes como Pedro 'Pecas' Monteiro, João de Macedo ou Francisco Simões Rodrigues 'Xiquilin', a introdução à modalidade aconteceu na emblemática Praia Grande, no concelho de Sintra. "Nada bate um bom dia de Praia Grande, com amigos de infância", diz-nos. Contudo, também a Carrapateira e a insular Fajã de Santo Cristo têm um lugar muito especial no coração.

    Nesta passagem pelo Havai, o diplomata teve a oportunidade de confraternizar e fazer um free surf com um dos maiores big riders da atualidade, Kai Lenny. Uma figura que, imagine-se, tem costela portuguesa por causa de um antepassado.

    Curiosamente, o país onde tem alcançado a glória ao descer as gigantes montanhas de água geradas no Canhão da Nazaré, a cada inverno que passa. Paralelemente, Pedro Perestrelo Pinto também teve tempo para visitar as catedrais do North Shore e surfar em Pupukea, ali bem ao lado de Pipeline. 

    Beachcam (BC) - Nesta visita ao arquipélago do Havai como surgiu a oportunidade de ser recebido por Kai Lenny?

    Pedro Perestrelo Pinto (PPP) - O Mayor Mike Vitorino organizou uma receção com alguns luso-descendentes na minha chegada a Maui. Tendo sabido que eu fazia surf, convidou para lá estar a família Lenny: pais, Kai e Ridge. No dia seguinte, fomos fazer surf a Lahaina. As ondas estavam pequenas, mas foi divertido.

    BC - Qual a origem da ascendência portuguesa de Kai Lenny?

    PPP - Do lado paterno tem um antepassado português que, há várias gerações, terá emigrado para a Califórnia. A mãe também é da Califórnia e mudaram-se para o Havai antes de terem os filhos. É uma 'water family': todos fazem surf, kitesurf, windsurf e foil. O pai contou-me como o Laird Hamilton, de quem eram vizinhos, foi uma referência para o Kai. E a mãe lembrou episódios em que ele e o irmão, Ridge, em miúdos treinavam o tow-in com um, de bicicleta, a puxar o outro, de skate, por uma corda. Por vezes, a brincadeira acabava no hospital.

    BC - Nesse encontro, o que disse Kai Lenny acerca do nosso país? Apenas falou da onda gigante da Nazaré?

    PPP - A Nazaré foi a motivação para ir a Portugal e depois apaixonou-se pelo país. Das pessoas à comida, elogiou imenso Portugal. Disse-me que é onde mais se sente em casa na Europa. É um dos seus sítios preferidos no mundo, para surf e não só. Sobre a Nazaré, disse-me que adora a onda e foi um grande desafio percebê-la, por ser um beach break, em comparação com Jaws ou Mavericks, que são mais previsíveis. Comentou que o campeonato em 2020 foi um dos momentos mais marcantes da sua vida. Nem a costela partida lhe tirou o foco.

    BC - Uma vez que gosta de fazer surf, teve tempo na agenda para praticar este desporto nalgum local icónico?

    PPP - Claro. Fui uma manhã ao North Shore de Oahu e percorri todas aquelas ondas que crescemos a ver em revistas. De Haleiwa a Velzyland. Pipeline estava flat, por isso entrei em Pupukea, dois picos ao lado. Gostei imenso. Em Maui, como disse, estava pequeno, mas sabe sempre bem.

    BC - Sendo português, um país fortemente ligado ao surf, como é que a prática deste desporto entrou na sua vida?

    PPP - Desde que nasci, passei as férias e os fins de semana na Praia Grande. Acho que tive a primeira prancha de esferovite aos cinco anos e, como todos do meu grupo, pelos 10/11 anos comecei a fazer 'morey boogie', pois na altura não chamávamos bodyboard. Estou a falar de 87, 88, 89. Poucos do meus amigos começaram logo a fazer surf. As exceções na Praia Grande eram o André Pedroso – o maior talento que vi… nasceu para o mar - o Pecas e, logo depois, o João de Macedo. O Francisco Simões Rodrigues era o único mais novo que me lembro que fazia surf. Passei para o surf anos depois e nunca me esquecerei do dia em que cortei a primeira onda na Praia Grande. Estava em êxtase e quando saí fiquei a dançar sozinho com o chop, ao pôr do sol, onde agora é o Bar do Fundo.

    BC - Em Portugal, quais as ondas que mais gosta de surfar?

    PPP - Nada bate um bom dia de Praia Grande, com amigos de infância. A Carrapateira é a minha 'terra santa', onde sempre que posso vou em 'peregrinação', desde os 16 anos, na altura de Vespa e a acampar. E a Fajã de Santo Cristo, em São Jorge, é um lugar único, onde apanhei as melhores ondas em Portugal. Agora a minha praia é Ocean Beach, em São Francisco, que tem algumas semelhanças com a Praia Grande. Tem fundo de areia e mar forte.

    BC - É no surf que encontra uma forma de desconectar e relaxar da rotina diária?

    PPP - O surf conjuga o exercício físico, a adrenalina e um elemento espiritual, inerente ao mar. Sempre que entro divirto-me, enche-me a alma e recarrego baterias.

    BC - Como é que olha para o crescimento do surf como dinamizador do turismo em Portugal?

    PPP - Tem um impacto importante, os números são evidentes e já faz parte da nossa imagem externa. Não só pelo desporto em si, mas também pela perceção de qualidade de vida que transmite. Por exemplo, a onda da Nazaré projetou Portugal como destino turístico, mesmo para quem não faz surf. Para mim, pessoalmente, é algo ambivalente. Por um lado, como surfista, quando estou em Portugal, confesso que me custa ver tantos estrangeiros na Costa Vicentina, por me lembrar de há 30 anos ter a Arrifana e a Carrapateira só para mim e dois ou três amigos. Por outro lado, como diplomata responsável pela promoção de Portugal na região oeste dos Estados Unidos, procuro aqui posicionar Portugal como a Costa Oeste da Europa, a Califórnia da Europa. Nesse sentido, o mar e o surf são instrumentais para elevar o perfil do nosso país. Há muito potencial a explorar, da ligação entre a Nazaré e Mavericks, à troca de experiências entre Portugal e a Califórnia em termos de áreas de reserva protegida de surf, e de modelo de negócio do surf.

    Para além do surf, mas ainda sobre o mar, realizámos uma série 'Blue Talks' com algumas das melhores universidades da Califórnia – Stanford, UCLA, UC San Diego e UC Santa Barbara - sobre a Conferência dos Oceanos das Nações Unidas, que terá lugar em Lisboa no fim de junho. Também nessa área promovemos a imagem de Portugal e temos afirmado a liderança do nosso país.

    Em suma, também pelo surf e pelo mar, o 'it place' para os californianos visitarem ou investirem é cada vez mais Portugal. Isto tem sido evidenciado em artigos recentes, como o do meu amigo Jon Littman, na Los Angeles Magazine: 'The new California dream is in Portugal'.

     

     

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • praia
  • Surf
  • Portugal
  • Pedro Perestrelo Pinto
  • Entrevista
  • Havai
  • Kai Lenny
  • Fotografia
    DR/Pedro Perestrelo Pinto
  • Fonte
    Alexandre Melo
similar News
similar
janeiro 31
Comunicado da FPS sobre o projeto 'Gestão do Espaço Costeiro'
janeiro 31
Luke Shepardson, o vencedor improvável do Eddie Aikau que passou a ter um dia no Havai com o seu nome
janeiro 31
Surf adaptado mantem bem vivo o sonho da inclusão nos Jogos Paralímpicos de Los Angeles 2028
janeiro 31
Ondas da Praia da Vigia consagraram campeões do Circuito Sealand Santa Cruz 2022
janeiro 30
Validade da certificação dos nadadores-salvadores prorrogada até ao final de 2023
janeiro 30
Conhecido calendário dos circuitos regionais de bodyboard para 2023
janeiro 30
FPS vai realizar dois cursos online de juízes de surf em fevereiro