Homepage

  • Cientistas de universidades portuguesas descobrem cinco novas espécies de animais marinhos
    23 maio 2022
    arrow
    arrow
  • O estudo do DNA revelou que, escondidas sob um mesmo disfarce, o que era previamente considerada uma só espécie são afinal espécies diferentes.
  • Uma equipa de investigadores das universidades de Aveiro e do Minho descobriu cinco novas espécies através da análise molecular de exemplares de anelídeos marinhos provenientes do Nordeste Atlântico, revelou fonte académica.

    O estudo do DNA revelou que, escondidas sob um mesmo disfarce, o que era previamente considerada uma só espécie são afinal espécies diferentes com a mesma aparência morfológica, estando mais quatro a aguardar colheita de mais exemplares para um estudo aprofundado.

    Os anelídeos são animais invertebrados com o corpo formado por vários segmentos que lembram uma série de anéis fundidos uns aos outros.

    Um estudo efetuado por investigadores do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM) da Universidade de Aveiro (UA), da Universidade do Minho e também da Universidade de Gotemburgo (Suécia) a 148 exemplares da espécie 'Eumida sanguinea', colhidos ao longo da costa europeia, desde a Noruega à Itália, revelou tratar-se de um complexo de nove espécies diferentes.

    "Estas espécies de anelídeo distinguem-se apenas por variações subtis de coloração corporal e de proporção dos seus apêndices, as quais passam despercebidas até aos olhos mais atentos e experientes", descreve uma nota de imprensa da Universidade de Aveiro.

    Esses organismos fazem parte dos ecossistemas costeiros e vivem em substratos arenosos e lodosos ou entre algas, até cerca de 50 metros de profundidade.

    "Com o cada vez maior uso dos testes de DNA poderemos com outras espécies ter a mesma surpresa e este foi só o primeiro 'complexo de espécies' de entre quatro que estamos a estudar", revela Ascensão Ravara, do CESSAM.

    A equipa, da qual fazem também parte os investigadores Marcos Teixeira, Pedro Vieira, Filipe Costa e Arne Nygren, tem já sinalizadas outras espécies que "provavelmente também serão afinal complexos de espécies diferentes".

    Os organismos agora estudados encontram-se depositados na COBI - Coleção Biológica de Investigação da Universidade de Aveiro - uma coleção que está disponível para estudo pela comunidade científica.

     

     

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Portugal
  • Oceano
  • mar
  • Descoberta
  • universidade de aveiro
  • Universidade de Braga
  • Sustentabilidade
  • Natureza
  • Meio Ambiente
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
fevereiro 02
Tempo frio ainda deixa três distritos sob aviso amarelo
fevereiro 02
Praia da Empa coroou vencedores do Science Ericeira 2022
fevereiro 01
FUEL TV assegura transmissão do Winter Dew Tour 2023 à escala global
fevereiro 01
Campeonato Nacional de Surf da Ucrânia vai ser realizado em Portugal
fevereiro 01
Surf nacional lamenta perda de Pedro Lacerda
janeiro 31
Surf adaptado mantém bem vivo sonho da inclusão nos Jogos Paralímpicos de Los Angeles'2028
fevereiro 01
Índia vai estrear-se no Mundial ISA e já sonha com Paris’2024