Homepage

  • Cientistas de universidades portuguesas descobrem cinco novas espécies de animais marinhos
    23 maio 2022
    arrow
    arrow
  • O estudo do DNA revelou que, escondidas sob um mesmo disfarce, o que era previamente considerada uma só espécie são afinal espécies diferentes.
  • Uma equipa de investigadores das universidades de Aveiro e do Minho descobriu cinco novas espécies através da análise molecular de exemplares de anelídeos marinhos provenientes do Nordeste Atlântico, revelou fonte académica.

    O estudo do DNA revelou que, escondidas sob um mesmo disfarce, o que era previamente considerada uma só espécie são afinal espécies diferentes com a mesma aparência morfológica, estando mais quatro a aguardar colheita de mais exemplares para um estudo aprofundado.

    Os anelídeos são animais invertebrados com o corpo formado por vários segmentos que lembram uma série de anéis fundidos uns aos outros.

    Um estudo efetuado por investigadores do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM) da Universidade de Aveiro (UA), da Universidade do Minho e também da Universidade de Gotemburgo (Suécia) a 148 exemplares da espécie 'Eumida sanguinea', colhidos ao longo da costa europeia, desde a Noruega à Itália, revelou tratar-se de um complexo de nove espécies diferentes.

    "Estas espécies de anelídeo distinguem-se apenas por variações subtis de coloração corporal e de proporção dos seus apêndices, as quais passam despercebidas até aos olhos mais atentos e experientes", descreve uma nota de imprensa da Universidade de Aveiro.

    Esses organismos fazem parte dos ecossistemas costeiros e vivem em substratos arenosos e lodosos ou entre algas, até cerca de 50 metros de profundidade.

    "Com o cada vez maior uso dos testes de DNA poderemos com outras espécies ter a mesma surpresa e este foi só o primeiro 'complexo de espécies' de entre quatro que estamos a estudar", revela Ascensão Ravara, do CESSAM.

    A equipa, da qual fazem também parte os investigadores Marcos Teixeira, Pedro Vieira, Filipe Costa e Arne Nygren, tem já sinalizadas outras espécies que "provavelmente também serão afinal complexos de espécies diferentes".

    Os organismos agora estudados encontram-se depositados na COBI - Coleção Biológica de Investigação da Universidade de Aveiro - uma coleção que está disponível para estudo pela comunidade científica.

     

     

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Portugal
  • Oceano
  • mar
  • Descoberta
  • universidade de aveiro
  • Universidade de Braga
  • Sustentabilidade
  • Natureza
  • Meio Ambiente
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
julho 03
Martim Nunes e Erica Máximo são os novos campeões nacionais Sub-20
julho 02
Declaração de Lisboa aprovada no fecho da Conferência dos Oceanos
julho 01
Subida da temperatura e diminuição da intensidade do vento no fim de semana
julho 01
Conferência dos Oceanos encerra esta sexta-feira com adoção da Declaração de Lisboa
julho 01
Biodiversidade vai ser afetada com a mineração do mar profundo
junho 30
Maya Gabeira é Campeã para o Oceano e a Juventude da UNESCO
junho 30
Revelados os competidores do Softboard Heroes 2022