Homepage

  • Momentos do ano: Regresso ao México, com drama e ondas épicas
    19 dezembro 2021
    arrow
    arrow
  • Fotografia
    wsl
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Evento mexicano marcou o final da temporada regular e ajudou a definir vários cenários no CT, com Kikas também em grande.
  • Italo Ferreira tinha acabado de ser coroado o primeiro campeão olímpico da história do surf, a par de Carissa Moore. Mas não houve muito tempo para festas. Isto porque o Tour estava a retomar, já mais livre do vírus. Dias depois da aventura de 40 surfistas em Tóquio, a elite mundial regressou à ação no México. Naquela que foi a reencarnação do mítico The Search de 2006 em Barra de la Cruz, para muito a melhor etapa de sempre do circuito.

    Com expectativas muito altas, o Corona Open México tinha tudo para dar errado. Contudo, o México não desiludiu e ofereceu aquelas que foram, sem qualquer dúvida, as melhores ondas do ano no circuito. O ano de 2006 não foi um engano e em 2021 os melhores surfistas do Mundo puderam testar-se nas direitas perfeitas, que fazem corar de inveja muitas ondas mecanizadas agora na ribalta.

    A meio do evento houve o aliciante da notícia do cancelamento da etapa de Teahupoo, que seria a última da temporada regular, transportando todas as decisões ali mesmo para o México. Às ondas incríveis juntou-se o drama. As requalificações, as saídas do Tour, as contas do top 5… Tudo e ainda o nosso Frederico Morais a brilhar em mais uma etapa.

    Kikas foi brioso no México e lutou até ao fim por uma presença no evento final. Caiu nos quartos-de-final frente a Jack Robinson e viu o sonho fugir-lhe. Contudo, foi compensado com o 10.º posto final no ranking, naquela que foi a melhor prestação de sempre de Portugal no CT. Ainda que fosse um CT a meio gás.

    Com todos os olhares sobre os grandes nomes do circuito e com ondas incríveis, a verdade é que acabaram por ser nomes menos sonantes a triunfar. Medina e Italo perderam nos quartos-de-final. Os brasileiros Mateus Herdy, wildcard do evento, e Deivid Silva foram dos maiores destaques do evento. Mas o triunfo foi do australiano Jack Robinson, que superou o poderoso backside de Silva na final.

    Do lado feminino também não faltou emoção, mas as melhores estiveram nas decisões. A graciosidade de Stephanie Gilmore só poderia levar a melhor numa onda tão perfeita como esta. A australiana garantiu a vaga na finalíssima e viu a companheira da final, a havaiana Malia Manuel, garantir o top 10 e, posteriormente, o wildcard que deu a requalificação para 2022.

    Tudo somado, o Corona Open México foi uma etapa memorável, que serviu de entrada gourmet para a decisão do título mundial, em Trestles. Certamente que esta é daquelas ondas que faz sentido pertencer ao Tour. E só um motivo de força maior o poderá não permitir. Barra de la Cruz não desilude. A etapa mexicana foi, sem dúvida, um dos momentos de maior prazer do ano para os fãs do surf mundial!

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Barra de la Cruz
  • México
  • WCT
  • Fotografia
    wsl
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
maio 19
Vamos todos ajudar o Zion Brocchi!
maio 19
Anémonas verdes têm vindo a dar à costa na Praia de Carcavelos
maio 19
Fim de semana chega com temperaturas de 38ºC e o regresso das poeiras do Norte de África
maio 19
Descobertas duas espécies de golfinhos com 20 milhões de anos na Suíça
maio 19
Bloco rochoso na Praia das Avencas vai ser demolido
maio 19
Títulos do Circuito Regional de Surf do Centro decidem-se em Santa Cruz
maio 19
Viana do Castelo recebeu parceiros de projeto inovador sobre o ensino de surf adaptado