Homepage

  • Descobertas duas espécies de cetáceos nunca descritas no Algarve
    22 dezembro 2021
    arrow
    arrow
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Uma descoberta que foi conseguida através do recurso às redes sociais.
  • Investigadores do Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR) descobriram, recorrendo a informação partilhada nas redes sociais, que, de 2011 a 2020, 16 espécies de cetáceos foram avistadas na costa algarvia, duas das quais nunca descritas naquela região.

    O estudo, publicado na revista científica internacional 'Frontiers in Marine Science', recorreu à informação partilhada nas redes sociais das empresas marítimo-turísticas de observação de cetáceos ao longo da costa do Algarve para perceber quais as espécies de golfinhos e baleias que podem ser avistadas.

    A investigação, desenvolvida no âmbito do programa de estágios 'Blue Young Talent' do CIIMAR, contou com a colaboração de investigadores do Centro de Ciências do Mar da Universidade do Algarve (CCMAR).

    Em declarações à agência noticiosa Lusa, Pedro Morais, líder do estudo, afirmou que o mesmo surgiu da "necessidade de se obter informação fundamental sobre os cetáceos do Algarve", nomeadamente, que espécies existem e quais as mais e menos comuns.

    "Este tipo de informação é essencial para se desenvolverem medidas de conservação, caso estas sejam necessárias", afirmou o investigador da Universidade do Algarve e do Institute of Environment da Florida International University, nos Estados Unidos.

    "Este estudo demonstra que as redes sociais contêm informação preciosa sobre a biodiversidade de baleias e golfinhos do Algarve", observou Pedro Morais. Segundo o investigador, existem ainda registos de oito espécies no Algarve que não foram observadas no período do estudo.

    "Desde que há registos, foram avistadas 24 espécies de cetáceos no Algarve", notou, acrescentando que o golfinho-comum foi a espécie mais vezes observada e a baleia-anã a menos rara entre as cinco espécies de baleias avistadas entre 2011 e 2020.

    Também Ester Dias, investigadora do centro da Universidade do Porto, esclareceu que a principal motivação para o trabalho foi a "escassez" de informação disponível sobre a biodiversidade de cetáceos no Algarve.

    "Sete das 16 espécies avistadas pelas empresas marítimo-turísticas nunca tinham sido descritas numa publicação científica formal", destacou.

    Já Luis Afonso, jovem estudante do programa Blue Young Talent do CIIMAR e também autor do estudo, salientou que a investigação permitiu "demonstrar a utilidade de algo comum, as redes sociais, como uma ferramenta científica que não deve ser subvalorizada".

    Os investigadores pretendem continuar a monitorizar as redes sociais das empresas marítimo-turísticas do Algarve para manterem "uma atualização" das espécies presentes na região, bem como aplicar a metodologia na costa africana.

     

     

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Portugal
  • Natureza
  • Meio Ambiente
  • Ecossistema
  • Estudo
  • cetáceos
  • Algarve
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
dezembro 02
Primeiro fim de semana de dezembro vai ser frio, cinzento e chuvoso
dezembro 02
Grupos central e oriental dos Açores com aviso amarelo devido ao mau tempo e mar agitado
dezembro 02
Seleção Nacional de Surf Adaptado já partiu para o Mundial ISA 2022
dezembro 02
Ericeira Surf Clube participa em projeto que promove a sustentabilidade ambiental e não só
novembro 30
Chuva não fica para o feriado: sol vai brilhar
novembro 29
Governo australiano é contra a inclusão da Grande Barreira de Coral na lista de Património Mundial em perigo
novembro 29
38 anos depois, acordou o maior vulcão ativo do mundo