Homepage

  • Momentos do ano: A estreia das Challenger Series e a Ericeira de gala
    21 dezembro 2021
    arrow
    arrow
  • Fotografia
    wsl
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Yolanda Hopkins foi a surfista portuguesa que mais se destacou no arranque do novo circuito.
  • Foi já na reta de final de Setembro deste ano que foi para a água o muito aguardado novo circuito da WSL, onde apenas os melhores de cada região lutaram pelo acesso ao circuito principal do surf mundial, o CT. As Challenger Series há muito que estavam anunciadas e ganharam vida em Huntington Beach, na Califórnia, naquela que foi a primeira etapa deste novo circuito.

    Com um total de quatro portugueses em prova, a armada lusa esteve bem representada e foi crescendo com o avançar da temporada. As novas alterações trouxeram muito mais qualidade para a água em relação aos anteriores QS10000. Uma nova geração de surfistas oriundos sobretudo dos Estados Unidos, Austrália e Havai começaram cedo a dar nas vistas e marcaram o ritmo de um circuito que animou a segunda metade da temporada.

    Mas se as ondas em Huntington foram aquelas a que já estamos habituados, o que dizer do que se passou na Ericeira? Como sempre, a costa portuguesa não desiludiu e Ribeira d’Ilhas ofereceu as melhores ondas deste novo circuito, com alguns dias memoráveis à mistura. Nem mesmo Haleiwa conseguiu superar o registo ericeirense.

    Os havaianos agradeceram o mar a subir ao longo do evento e foram eles a fazer a festa. De um lado Zeke Lau e do outro Luana Silva. Curiosamente, ambos conseguiram a qualificação. Com quatro etapas apenas – para o ano estão programadas o dobro das etapas -, um bom resultado foi suficiente para catapultar os surfistas para a elite. A Ericeira provou-o melhor que ninguém.

    Aquém ficou apenas a prestação portuguesa, sem representantes a chegar às finais. Yolanda Hopkins e Teresa Bonvalot acabaram por ter as melhores performances, ao chegarem até aos oitavos-de-final. Ainda assim, longe do topo. Tal como nas restantes etapas, o que acabou por ditar que Portugal não tenha conseguido juntar surfistas a Frederico Morais na elite mundial de 2022.

    Uma etapa que nunca desilude e que permanecerá naturalmente no calendário do próximo ano. As expectativas serão altas depois de um grande evento em 2021.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Yolanda Hopkins
  • WSL Challenger Series
  • Ericeira
  • Fotografia
    wsl
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
outubro 04
Costa Nova coroou campeões de Kneeboard e Masters de Bodyboard
outubro 03
Portugal arrecada 30 prémios nos Oscares Europeus dos Turismo
outubro 03
Curso de Treinadores de Surf Grau I de regresso ao Dr. Bernard Surf Center
outubro 03
Joel Rodrigues e Filipa Broeiro vice-campeões europeu de bodyboard
outubro 03
Surf Clube de Viana em destaque no Euro’Meet 2022 na Dinamarca
outubro 03
Francisco Santos sagra-se campeão nacional Sub-12
outubro 03
Rodrigo Carrajola sagra-se tricampeão nacional de bodysurf