Homepage

  • Arrancaram as obras de extensão do quebra-mar do Porto de Leixões. Onda de Matosinhos pode estar em risco
    09 dezembro 2021
    arrow
    arrow
  • Fotografia
    Facebook Surfrider Foundation Porto
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Desde o seu anúncio, este é um projeto que está a gerar uma grande insatisfação junto da comunidade local, nomeadamente aquela que está ligada à indústria do surf.
  • Esta semana fica marcada pelo início dos trabalhos de melhoria da acessibilidade marítima do Porto de Leixões, o que compreende o prolongamento do quebra-mar em 300 metros e a dragagem da bacia de rotação.

    Trata-se de um projeto promovido pela Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL), que envolve um investimento de 147 milhões de euros. Desde o seu anúncio, este é um projeto que está a gerar uma grande inquietação e insatisfação junto da comunidade local, nomeadamente aquela que está ligada à indústria do surf, o que já motivou protestos e deu inclusive origem ao movimento 'Diz Não ao Paredão'. Movimento esse que pede um controlo contínuo dos sedimentos dragados e descarregados nas praias, na sequência destas obras. 

    Toda esta insatisfação é gerada porque os trabalhos previstos deverão ter um impacto negativo em termos ambientais, económicos e sociais. Seja pela influência na qualidade das águas ou na prática de desportos de ondas nas praias localizadas a sul do Porto de Leixões.

    Entre essas praias que deverão ser afetadas com a realização dos trabalhos, inclui-se a Praia de Matosinhos, que está ali bem ao lado do Porto de Leixões. Surf spot de excelência do Grande Porto, a Praia de Matosinhos tem uma grande tradição. Palco da realização de vários campeonatos de surf, esta é uma praia que diariamente é muito procurada pelos free surfers locais, mas é também um sítio predileto para o ensino do surf durante o ano.

    Com esta obra, a consistência da onda deverá ficar em causa, o que arrasta consigo toda a indefinição em torno de este continuar a ser um bom sítio para a prática do surf assim como o valor económico que advém desse fator, que é notado por exemplo ao nível do funcionamento das escolas de surf. 

    Numa altura em que os trabalhos arrancam, a Surfrider Foundation Porto, uma das entidades que mais lutou contra o avanço deste projeto, não escondeu a frustração com o sucedido através de uma publicação na sua página oficial na rede social Instagram.

    "Tememos o pior: a destruição de um dos locais mais emblemáticos e frequentados do distrito do Porto, a acumulação da poluição numa baía fechada, a perturbação de ecossistema, etc... Até onde deve ir a intervenção humana na natureza? Até onde estão dispostos a ir por dinheiro, mesmo com total consciência e noção de que é contranatura, e contra a vontade da comunidade? A nossa batalha não pode acabar aqui! Não depois de tudo o que já fizemos e com a paixão que temos pelo nosso oceano e pelo nosso planeta", pode ler-se no texto publicado. 

     

     

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • praia
  • mar
  • Surf
  • praia de matosinhos
  • Obras
  • Portugal
  • Fotografia
    Facebook Surfrider Foundation Porto
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
maio 20
3ª edição do projeto 'Surf & Rescue' começou com visita inédita a Sesimbra
maio 20
Começa em junho o 2º curso de Nadador-Salvador Profissional para estudantes do concelho de Faro
maio 20
Nuvem de poeira com 'valores muito altos' na atmosfera atinge a Península Ibérica no fim de semana
maio 19
Vamos todos ajudar o Zion Brocchi!
maio 19
Campanhas de Arte Xávega autuadas na Praia da Vieira de Leiria
maio 19
Anémonas verdes têm vindo a dar à costa na Praia de Carcavelos
maio 19
Fim de semana chega com temperaturas de 38ºC e o regresso das poeiras do Norte de África