Homepage

  • A sustentabilidade da Reserva Mundial da Ericeira foi a debate
    11 novembro 2021
    arrow
    arrow
  • A temática transversal ao evento comemorativo do 10º aniversário da Reserva Mundial de Surf foi dissecada nesta última Digital Talk.
  • Na passada quarta-feira, o Ericeira WSR+10 encerrou o seu ciclo de conferências com uma Digital Talk dedicada à sustentabilidade, conceito que constitui o denominador comum deste projeto promovido pelo Ericeira Surf Clube (ESC) para comemorar o 10º aniversário da Reserva Mundial de Surf da Ericeira (RMSE),

    A quinta e última conferência (de um ciclo iniciado em junho) intitulou-se “Por uma Reserva Mundial de Surf da Ericeira + Sustentável”. Durante o dia, na Casa de Cultura Jaime Lobo e Silva, foram partilhados vários exemplos de como é necessário pensar globalmente e agir de forma local, tal como foi relembrado por Carlos Pereira da Silva do Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais da Universidade Nova. 

    Esta conferência focou, sobretudo, as potencialidades do oceano e do surfing enquanto ferramentas de promoção da sustentabilidade ambiental, social e económica para operacionalizar e concretizar os objetivos do desenvolvimento sustentável (ODS) e do Green Deal Europeu, procurando-se consciencializar os públicos-alvo sobre as várias dimensões que envolvem o conceito da sustentabilidade e gerar reflexão sobre a respetiva aplicação na RMSE, abrindo novos horizontes.

    Os quatro painéis, moderados pelos jornalistas Miguel Pedreira e João Valente, apresentaram uma panóplia muito rica de oradores, incluindo, entre outros, uma eurodeputada, biólogos, um surfista profissional que se tornou num forte ativista ambiental, académicos e representantes de empresas e organizações não-governamentais. 

    Logo ao início da manhã, Maria Graça Carvalho (deputada ao Parlamento Europeu; vice-presidente da Comissão de Pescas; membro titular do Comité de Indústria, Pesquisa e Energia; membro Titular da Comissão dos Direitos da Mulher e Igualdade de Género e da Comissão Especial de Inteligência Artificial na Era Digital) apresentou o desafio da sustentabilidade numa perspetiva europeia, assim como a sua visão sobre os caminhos a percorrer numa lógica de eficiência coletiva para a resolução dos principais desafios ambientais que a nossa sociedade enfrenta e o contributo do desporto para este objetivo.

    Esta embaixadora do projeto Ericeira WSR+10 declarou que o "grande desafio da sustentabilidade passa por desligar o desenvolvimento económico da degradação ambiental”, meta que se encontra no cerne do European Green Deal, nomeadamente com a redução das emissões de CO2, numa transição energética – e de paradigma – que deverá ser realizada com as pessoas e não contra as pessoas, sem deixar ninguém para trás e apostando em energias limpas e acessíveis, com aposta na ciência e nas novas tecnologias, consumindo menos e melhor e reduzindo o impacto das atividades humanas sobre o planeta, de forma a alcançar equilíbrios ambientais e sociais.

    Maria Graça Carvalho concluiu a sua intervenção referindo que “o surf é uma boa onda para a economia, ambiente e saúde de quem o pratica… e as boas ondas não devem ser desperdiçadas.”

    De seguida entraram em cena os quatro painéis, compostos da seguinte forma:

    1. “O Potencial da Literacia do Oceano” - Raquel Gaspar, Miguel Blanco, Maria Cristina Antunes e Nuno Vasco Rodrigues;

    2. “Produção e Biodiversidade” - Álvaro Sardinha, Rita Sá, Joana Lia Ferreira, Bárbara Maurício e David Camocho;

    3. “Surfing: educação, eventos e carga” - Ana Vaz, Ricardo Nogueira Mendes, João Fonseca Ribeiro e Rute Grilo Martins;

    4. “A Reserva no presente a olhar o futuro” - Juanma Murua, Carlos Pereira da Silva, Joaquim Casado e António Abreu.

    Coube a Juanma Murua abrir este derradeiro painel. O responsável pelo estudo em curso sobre o impacto da RMSE nos últimos 10 anos falou sobre alguns dados e resultados recolhidos neste âmbito no que toca aos níveis ambiental, social, económico e de imagem, dividindo-os em impactos positivos e negativos. Em termos de conclusões, considerou que os principais problemas ambientais relacionados com a prática do surf na Ericeira se encontram aos seguintes níveis:

    - pegada ecológica do transporte provocada por quem se desloca à Ericeira para surfar e a diminuição da biodiversidade, nomeadamente no que toca à quantidade e  tamanho dos exemplares das espécies marinhas aqui capturadas;

    - falta de estratégias e regulamentação específica sobre assuntos ambientais para a RMSE (tais como estratégias para a mobilidade ou os resíduos);

    - falta de monitorização dos dados necessários para conhecer adequadamente o impacto da RMSE e fornecer uma gestão adequada e um melhor uso económico e social e com menor impacto ambiental;

    - falta de envolvimento comunitário e desconhecimento do que significa a RMSE, tanto entre a população local como entre os surfistas.

    Juanma Murua destacou também, na parte negativa, a falta de força jurídica da RMSE a nível da legislação portuguesa e de conservação ambiental. Já em território positivo, encontram-se a qualidade da água do mar e das praias, tendo em conta as zonas balneares galardoadas nos últimos anos.

    Tiago Matos (representante da Associação dos Amigos da Baía dos Coxos, entidade que integra o Conselho Restrito do Conselho Municipal da RMSE) e Pedro Bicudo (representante da SOS – Salvem o Surf, outra entidade que integra o CRCM da RMSE) partilharam as perspetivas críticas destas entidades sobre o início e a evolução da Reserva Mundial de Surf da Ericeira.

    Por sua vez, o presidente da Câmara Municipal de Mafra, Hélder Sousa Silva, discursou sobre a mesma RMSE, destacando os aspetos positivos da mesma, que considerou uma realidade em permanente aperfeiçoamento. O autarca focou a necessidade de mobilizar a comunidade para o importante património que a Reserva representa, concluindo que “valeu a pena” o percurso iniciado em 2011.

    Miguel Toscano encerrou a sessão de trabalhos, partilhando que a Comissão Europeia deu a possibilidade do projeto EWSR+10 terminar até 28 de fevereiro de 2022, devido à pandemia da Covid-19, período que será aproveitado para o desenvolvimento de novas iniciativas, nomeadamente ao nível das temáticas da inclusão social e da tecnologia.

    O diretor da área de Inovação e Redes Colaborativas do Ericeira Surf Clube avançou também que o estudo sobre o impacto da RMSE deverá ser apresentado em janeiro do próximo ano.

    Todas as informações relevantes sobre o projeto Ericeira WSR+10 podem ser consultadas online, quer no site oficial do evento ou nas respetivas redes sociais.

     

     

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf! 

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • praia
  • mar
  • Surf
  • Reserva Mundial de Surf
  • Reserva Mundial de Surf da Ericeira
  • ericeira
  • Ericeira Surf Clube
  • Ericeira WSR+10
  • Portugal
  • Sustentabilidade
  • Sustentável
  • Câmara Municipal de Mafra
  • Fotografia
    Ericeira WSR+10
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
fevereiro 08
Aviso amarelo de chuva alargado aos distritos de Lisboa e Setúbal
fevereiro 08
Condomínio privado vai nascer bem próximo de Ribeira d'Ilhas para 'atrair entusiastas de surf'
fevereiro 08
Fundo dinamarquês quer investir oito mil milhões de euros em energia eólica ao largo da Figueira da Foz
fevereiro 07
O tempo vai mudar esta quarta-feira: vem aí chuva em especial na região Sul
fevereiro 07
Seleção Nacional de Surf inicia operação Mundial ISA/Eurosurf com estágio em Peniche
fevereiro 07
Caparica recebe em março prova de qualificação para a Liga MEO Surf 2023
fevereiro 07
Cursos de Treinadores de Surfing Grau I/Surf Grau II da ASIP alargados a novos locais e já com inscrições abertas