Homepage

  • Nível do mar continua a subir a um ritmo alarmante
    22 setembro 2021
    arrow
    arrow
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • A poluição causada pelas atividades em terra, como a agricultura e a indústria, está a ter impacto nos ecossistemas marinhos.
  • Esta quarta-feira, o Serviço de Monitorização do Meio Marinho do programa Copernicus revelou que o nível do mar continua a subir a um ritmo alarmante de 3,1 milímetros por ano. Para este cenário tem contribuído o aquecimento global e o derretimento do gelo na Terra.

    Mais de 150 cientistas, de cerca de 30 instituições europeias, colaboraram no trabalho apresentado. De acordo com as conclusões, os oceanos estão a passar por “mudanças sem precedentes”, o que terá “um enorme impacto” no bem-estar humano e nos ambientes marinhos.

    “As temperaturas da superfície e subsuperfície do mar estão a aumentar em todo o mundo e os níveis do mar continuam a subir a taxas alarmantes: 2,5 milímetros por ano no Mediterrâneo e até 3,1 milímetros por ano globalmente”, escreveram os peritos num documento que é apresentado como sendo uma referência para a comunidade científica, decisores e público em geral.

    Na última década, o aquecimento dos oceanos e o aumento de salinidade intensificaram-se no Mediterrâneo. “Estima-se que o aquecimento do Oceano Ártico contribua com quase 4% para o aquecimento global dos oceanos”, lê-se no relatório.

    A combinação destes fatores pode causar “eventos extremos” em áreas mais vulneráveis, como Veneza, onde em 2019 uma subida do nível das águas fora do comum, uma forte maré e condições climatéricas extremas na região provocaram a chamada 'Acqua Alta'. O nível da água subiu para um máximo de 1,89 metros. “Este foi o nível de água mais alto registado desde 1966 e mais de 50% da cidade foi inundada”, recordaram os autores do documento.

    A poluição causada pelas atividades em terra, como a agricultura e a indústria, está a ter impacto nos ecossistemas marinhos, reforçaram os especialistas na quinta edição do relatório sobre o estado dos oceanos.

    Ainda de acordo com o relatório, o gelo marinho do Ártico continua muito abaixo da média e diminui a "um ritmo alarmante”. A extensão do gelo marinho do Ártico tem vindo constantemente a diminuir. Entre 1979 e 2020, perdeu o equivalente a seis vezes o tamanho da Alemanha, de acordo com o relatório.

    Nos últimos 30 anos, o gelo marinho do Ártico diminuiu continuamente em extensão e espessura. Desde 1979, a cobertura de gelo em setembro reduziu 12,89% por década, com mínimos recordes nos últimos dois anos. A perda contínua do gelo marinho do Ártico pode contribuir para o aquecimento regional, a erosão das costas árticas e as mudanças nos padrões climáticos globais.

     

     

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf! 

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • praia
  • mar
  • Outono
  • Ecossistema
  • Natureza
  • Meio Ambiente
  • Estudo
  • Investigação
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
outubro 19
Joel Rodrigues, o bodyboarder português que enfrenta o Frontón em busca do título mundial júnior
outubro 19
Embarcação fica com leme destruído após interação com orcas a sul de Troia
outubro 19
Seleção Nacional de Surf Adaptado prepara Mundial com dois estágios
outubro 19
Praia do Cabo do Mundo apadrinhou estreia da Matosinhos Surf School Cup
outubro 19
Título nacional de Surf Esperanças Sub-18 discute-se em Ribeira d'Ilhas
outubro 18
Praia da Arriba coroou os campeões nacionais de skimboard de 2021
outubro 18
Os números do evento principal do Ericeira WSR+10