Homepage

  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • De acordo com os biólogos, esta invasão deve-se ao facto do tempo quente e seco ser cada vez mais uma constante na Península da Crimeia.
  • Esta é uma notícia que nos chega da Península da Crimeia. Foi nas praias dessa latitude que nos últimos dias aconteceu uma verdadeira invasão de medusas, uma situação que forçou os banhistas, desde locais a turistas, a terem de procurar outros locais para ir a banhos.

    Nos mares perto da Crimeia existem duas espécies de medusas, mas apesar do incómodo da situação nenhuma das espécies em causa representa perigo para o ser humano. 

    De acordo com os biólogos, esta invasão de medusas deve-se ao facto do tempo quente e seco ser cada vez mais uma constante na Crimeia, condições climatéricas que limitam a água fresca que flui dos rios para o mar. Isto faz com que a água do mar fique mais salgada, o que é propício à proliferação destes organismos gelatinosos, nomeadamente junto à costa.

     

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf! 

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • praia
  • mar
  • Verão
  • Crimeia
  • Península da Crimeia
  • medusas
  • Natureza
  • Meio Ambiente
  • Ecossistema
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
fevereiro 02
Tempo frio ainda deixa três distritos sob aviso amarelo
fevereiro 02
Praia da Empa coroou vencedores do Science Ericeira 2022
fevereiro 01
FUEL TV assegura transmissão do Winter Dew Tour 2023 à escala global
fevereiro 01
Campeonato Nacional de Surf da Ucrânia vai ser realizado em Portugal
fevereiro 01
Surf nacional lamenta perda de Pedro Lacerda
janeiro 31
Surf adaptado mantém bem vivo sonho da inclusão nos Jogos Paralímpicos de Los Angeles'2028
fevereiro 01
Índia vai estrear-se no Mundial ISA e já sonha com Paris’2024