Homepage

  • Porque motivo este verão está a ser tão ventoso? Pedro 'Pecas' explica
    31 julho 2021
    arrow
    arrow
  • Fotografia
    Pedro Pecas
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Está tudo plasmado através de um brilhante texto intitulado 'Desabafos de uma ventania de verão'.
  • É verdade. Nem demos por isso e este domingo chega o mês de agosto, período de férias para muitos e no qual habitualmente, ano após ano, o verão atinge o seu pico.

    Porém, este não está a ser um verão qualquer. Não pelo facto de mais uma vez estarmos debaixo de um contexto pandémico, mas sim porque, salvo raras exceções, estamos a viver um verão em que não há continuidade do tempo condizente com a época do ano que atravessamos. 

    Onde têm andado aqueles dias de calor abrasador? E as noites tropicais? A verdade é que as semanas vão passando e os dias, particularmente no litoral, têm sido sucessivamente marcados por vento forte, temperaturas amenas e aquela sensação de que em muitos momentos precisamos de um agasalho para ficarmos totalmente confortáveis.

    Por isso, muitos de nós já se terão questionado: porque razão isto acontece? 

    Através das redes sociais, o antigo competidor e atual diretor de provas da Liga MEO Surf, Pedro Monteiro 'Pecas', explica de forma brilhante o que está acontecer neste verão através de um texto intitulado 'Desabafos de uma ventania de verão', que integra o espaço 'Crónicas Pé na Prancha'.

    "O Anticiclone dos Açores é um grande centro de Altas Pressões atmosféricas que ocorre no Arquipélago dos Açores, no Oceano Atlântico.

    Por definição as altas pressões estão associadas ao bom tempo e têm a tendência de se plantarem durante longos períodos na altura do verão no Atlântico proporcionando-nos ventos do quadrante Norte, mais precisamente de NNO.

    São responsáveis por uma série de fenómenos como a propagação de fogos promovendo-lhes dimensões infelizmente descontroláveis, mas o que a nós (surfistas) nos concerne, e até banhistas (apesar do tempo seco), é que o Anticiclone dos Açores serve de barreira de entrada de ondulação limpa na nossa costa, chegando esta muito fraca ou inexistente; cria pseudo ondulações locais que pouco ou nenhum efeito têm na nossa costa; arrasta a superfície do mar para sul proporcionando a que a água do fundo venha ao de cima arrefecendo-a; deixa o corredor aberto para a correntes quentes e entradas de ondulação acima da Península, banhando e aquecendo o norte da Europa; o vento Norte, a partir do fim da manhã junta-se ao vento térmico, ou vento local, que é originado pela diferença de temperatura entre a superfície do mar e a superfície da terra e faz com que a sua intensidade aumente e se torne incomportável na areia para se estar como também na água; consequentemente dão também origem a correntes de deriva para sul que nos obrigam a estar permanentemente a remar para chegar ao pico. Enfim, uma trabalheira.

    Sempre que entra a tão famosa Nortada tentamos não reparar para ver se passa o mais rápido possível, tentamos aproveitar bem a manhã que é quando se faz menos sentir ou vamos para lugares onde existem micro climas e tentar disfarçar a sua existência.

    Mas há alturas como a que estamos a viver agora que a Nortada não consegue passar despercebida, porque nunca mais termina e não tem fim à vista.

    Faz-me pensar de como temos uma costa incrível, absolutamente exposta a ondulações todo ano, com vários tipos de recorte de naturezas diferentes e a curtíssimas distâncias, e sim há muita costa disponível e saudável por aproveitar. Mas isto tudo sem a Nortada, sem a presença do Anticiclone dos Açores, sem este vento desconfortável e este frio em pleno verão."

     

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • praia
  • mar
  • Pedro Pecas
  • Vento
  • Vento forte
  • meteorologia
  • Temperatura
  • Portugal
  • Verão
  • Fotografia
    Pedro Pecas
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
agosto 10
Banhos desaconselhados em cinco praias de Matosinhos
agosto 10
Dois animais marinhos devolvidos ao habitat natural ao largo de Aveiro
agosto 10
Buondi anuncia os vencedores das 7 cadeiras anfíbias Turtle
agosto 09
De quase eliminada de primeira à glória, assim foi a história de Carolina Santos na Costa Nova
agosto 09
Avistada caravela-portuguesa na Praia das Maçãs
agosto 09
Tartaruga presa em arte de pesca foi resgatada na foz do Mondego
agosto 09
Fajã da Areia acolheu o arranque do Circuito Regional de Bodyboard Open da Madeira 2022