Homepage

  • Nasceu o Start Zero Zero, projeto que une os países da CPLP através da organização de campeonatos de surf
    26 julho 2021
    arrow
    arrow
  • Fonte
    Comunicado de Imprensa
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Trata-se de um projeto visa desenvolver oportunidades económicas, sociais e ambientais na Comunidade de Países de Língua Portuguesa.
  • Três mulheres, Francisca Sequeira, Veridiana Bressane e Maria Magalhães, unidas pelos mesmos valores, a mesma língua e pela paixão pelos desportos de pranchas, juntaram-se com o objetivo de promover uma transformação sustentável na Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), usando o surf como ferramenta.

    Francisca Sequeira é portuguesa, trabalhou como assistente de bordo, o que lhe trouxe uma relação muito próxima com São Tomé e Príncipe desde 2018. Durante o início da pandemia fundou a SOMA, que significa 'Surfistas Orgulhosas na Mulher d’África', um programa de Surf Therapy como ferramenta de empoderamento feminino em São Tomé. É a responsável pela primeira geração de surfistas femininas no país.

    Veridiana Bressane, brasileira, fundou em 2009 a Girls On Board no Brasil, uma plataforma de conteúdo 360º que incentiva as mulheres à prática de desportos, à promoção da qualidade de vida e à espiritualidade. Veri está em Portugal desde 2017, tendo a Girls On Board sido reconhecida pelo governo para ser incubada e tornar-se uma startup portuguesa.

    Maria, também portuguesa, professora e empresária, desenvolve projetos na área da comunicação, marketing e produção, maioritariamente com os departamentos de responsabilidade social corporativa e organizações não governamentais, na sua empresa, a Brand New Territories.

    Em março de 2021, estas três mulheres juntaram-se para criar a Start Zero Zero, um projeto que visa a criação e o desenvolvimento de oportunidades económicas, sociais e ambientais na Comunidade de Países de Língua Portuguesa, unindo estes países através da organização de campeonatos de surf.

    Tendo o surf sido reconhecido pela primeira vez na história como um desporto olímpico nos Jogos de Tóquio'2020, em setembro deste ano vai realizar-se o Pro Surf São Tomé, naquele que será o primeiro circuito de surf nacional de São Tomé e Príncipe, transmitido em direto.

    Este é o quinto campeonato de surf nacional e conta com a presença, pela primeira vez na história do país, de uma competição feminina de surf. O campeonato consiste em duas provas masculinas, cada uma delas em praias diferentes, Porto Alegre e Santana. E um dia dedicado à prova feminina de iniciadas, que acontecerá na praia de 7 ondas.

    Com o intuito de angariar fundos para financiar parte do campeonato e de trazer uma maior visibilidade para o evento, surgiu a Omali Surf Week. Uma viagem exclusiva a decorrer paralelamente ao campeonato e que conta com a presença de atletas de surf, influenciadores, artistas e ativistas. Uma poderosa comitiva de personalidades internacionais que serão embaixadores da primeira edição deste evento desportivo, que pretende expandir para os restantes países da CPLP.

    Paralelamente à competição acontecerão nestes dias diversas atividades para e com a comunidade: Talks e workshops com convidados by Girls on Board, uma limpeza de praia com o apoio da Sea Shepherd e da Global Networks e ainda uma sessão de surf com as meninas da SOMA. Parte dos resultados da operação do campeonato reverterão a favor desta ONG, que luta pela igualdade de género no país em questão.

    Com parceiros de media associados ao projeto em três continentes (Waves - Brasil, Zap Viva, RTP África – África e Portugal, Beachcam, Fuel TV – Portugal) e com um alcance de milhões de contactos, este evento será uma oportunidade para entidades e marcas se envolverem beneficiando de forte visibilidade e trazendo um propósito maior para as suas atividades corporativas

    E, mais do que isto, o Pro Surf São Tomé, será a janela que muitos atletas procuram para se colocarem nos olhos do mundo e realizarem os seus sonhos de se tornarem surfistas profissionais, reconhecidos e, quem sabe, patrocinados, assim levando o surf de São Tomé e Príncipe muito mais longe.

    Através da contratação de empresas nacionais e locais para a produção do campeonato, da captação de um fluxo de turismo extra através da Omali Surf Week, da partilha de conhecimento dos visitantes com a comunidade, do ensino de boas práticas ambientais, este será um exemplo de uma operação sustentável nas suas várias vertentes.

     

     

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf! 

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • praia
  • mar
  • Surf
  • Competição
  • são tomé e príncipe
  • África
  • Fonte
    Comunicado de Imprensa
similar News
similar
janeiro 24
Arranca este sábado curso de Treinadores de Nível 1 na Caparica
janeiro 24
Inscrições disponíveis para os primeiros cursos de Treinadores de Surfing Grau I da ASI Portugal em 2022
janeiro 24
Descoberto um dos maiores recifes de coral do mundo no Taiti
janeiro 24
Homem de 57 anos passa 27 horas consecutivas no Pacífico e sobrevive ao tsunami no Tonga
janeiro 23
Documentário sobre o 7º Capítulo Perfeito vai ser transmitido este domingo na TV portuguesa
janeiro 20
Investigação pede fim do 'consumo excessivo' para travar perda da biodiversidade
janeiro 20
Colónia de peixes com 60 milhões de ninhos é descoberta na Antártida