Homepage

  • Descarga de água da central de Fukushima no Pacífico será monitorizada pela ONU
    08 julho 2021
    arrow
    arrow
  • A Agência Internacional da Energia Atómica considera que o 'método de eliminação escolhido pelo Japão é não só tecnicamente exequível como está de acordo com a prática internacional'.
  • A agência especializada da Organização das Nações Unidas (ONU) para a energia nuclear anunciou esta quinta-feira ter chegado a um acordo com o Japão para ajudar a monitorizar a descarga de água radioativa tratada da central destruída de Fukushima no Oceano Pacífico.

    O Governo japonês decidiu no passado mês de abril começar a descarregar a água, cerca de dois anos depois de ter construído as instalações adequadas e de se ter munido de planos conformes com os protocolos de segurança.

    Tóquio pediu à Agência Internacional da Energia Atómica (AIEA) para verificar se os seus planos cumpriam as normas de segurança internacionais e para apoiar e estar presente durante operações de monitorização ambiental.

    A AIEA, sediada em Viena, indicou que acordou agora os “termos de referência” com Tóquio e que deverá realizar a sua primeira missão de acompanhamento no Japão mais perto do fim do ano.

    “A AIEA representará um papel fundamental na monitorização e acompanhamento da aplicação pelo Japão do seu plano. Como os olhos da comunidade internacional, os especialistas da AIEA poderão verificar que a descarga da água é feita de forma segura”, disse o diretor-geral da agência especializada da ONU em comunicado.

    “Isto é de grande importância para tranquilizar as pessoas no Japão e noutros pontos do mundo, especialmente em países vizinhos, de que a água não representa qualquer ameaça para elas”, sublinhou.

    A agência acrescentou que “o método de eliminação escolhido pelo Japão é não só tecnicamente exequível como está de acordo com a prática internacional”.

    A água acumulada tem estado armazenada em tanques na central nuclear de Fukushima desde 2011, quando um forte sismo e um tsunami danificaram os reatores e a água do sistema de arrefecimento ficou contaminada e começou a vazar. A capacidade máxima de armazenamento da central será atingida no final do próximo ano.

    O primeiro-ministro japonês, Yoshihide Suga, declarou em abril que a descarga no oceano era a opção mais realista e que descartar a água era inevitável para a desativação da central, que se espera leve décadas.

     

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf! 

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • central nuclear
  • Oceano Pacífico
  • Japão
  • Ecossistema
  • Habitat Natural
  • Biodiversidade marinha
  • Natureza
  • Meio Ambiente
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
janeiro 31
Luke Shepardson, o vencedor improvável do Eddie Aikau que passou a ter um dia no Havai com o seu nome
janeiro 31
Surf adaptado mantem bem vivo o sonho da inclusão nos Jogos Paralímpicos de Los Angeles 2028
janeiro 31
Ondas da Praia da Vigia consagraram campeões do Circuito Sealand Santa Cruz 2022
janeiro 30
Validade da certificação dos nadadores-salvadores prorrogada até ao final de 2023
janeiro 30
Conhecido calendário dos circuitos regionais de bodyboard para 2023
janeiro 30
FPS vai realizar dois cursos online de juízes de surf em fevereiro
janeiro 30
Frio não desarma e deixa todo o território continental em aviso amarelo