Homepage

  • Ondas internas solitárias do mar têm mais impacto nos 'carneirinhos' do que o vento
    13 maio 2021
    arrow
    arrow
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Os carneirinhos 'foram observados e descritos pela primeira vez por marinheiros há cerca de 200 anos, nos mares tropicais da Tailândia'.
  • Investigadores da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP) comprovaram que as ondas internas solitárias do mar têm maior impacto na formação das pequenas ondas de espuma branca, habitualmente designadas 'carneirinhos', do que o próprio vento.

    Em comunicado, a FCUP explica que o estudo, publicado na revista 'Oceanography', foi realizado tendo por base dados de satélite obtidos no Brasil, ao largo da foz do rio Amazonas e no mar de Banda, na Indonésia.

    O estudo permitiu aos investigadores concluir que as ondas internas solitárias - ondas gigantes não-lineares que se propagam no interior do oceano - têm maior impacto na formação das pequenas ondas de espuma branca, habitualmente designadas por 'carneirinhos', do que o vento moderado a forte.

    Citado no comunicado, José da Silva, docente da FCUP e investigador, afirma que estas ondas 'carneirinhos' "foram observadas e descritas pela primeira vez por marinheiros há cerca de 200 anos, nos mares tropicais da Tailândia".

    "Na altura não se sabia qual era o fenómeno por detrás delas", refere o investigador do Instituto de Ciências da Terra, acrescentando que o tipo de rebentação é o mesmo das ondas que vemos na praia, "mas a origem é diferente".

    "O que está por detrás, sabe-se agora com mais certeza, são as ondas internas solitárias que têm mais de 100 metros de amplitude", salienta oceanógrafo, sendo que as mesmas podem ter um papel mais preponderante quando o vento não é forte.

    "Na presença de uma onda interna, normalmente os 'carneirinhos' são exacerbados e a sua presença é muito mais intensa", explica.

    Os investigadores descobriram ainda que a altura das ondas decresce cerca de 30% quando a onda rebenta, o que pode significar que perdem parte significativa da energia devido à rebentação.

    "A confirmar-se esta hipótese, estas descobertas podem ser relevantes para perceber onde há mais locais preponderantes de trocas gasosas, por exemplo, o dióxido de carbono, e de calor entre o oceano e a atmosfera", refere.

    A investigação contou com o apoio da Agência Espacial Europeia (ESA), nomeadamente, com a observação de dados de satélite fornecidos pelo Copernicus Sentinel -3, que foi "fundamental para observar o fenómeno da rebentação das ondas" e permitiu observar 10 casos de rebentação em datas diferentes.

    No entanto, as condições ideias para ver o mesmo local na superfície do oceano só surgem a cada 28 dias, devido às constrições orbitais, sendo fundamental "mais tempo e encontrar mais casos de rebentação".

     

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • praia
  • mar
  • Portugal
  • Natureza
  • Oceano
  • ondas
  • Ecossistema
  • Meio Ambiente
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
junho 19
Viva o Dia Internacional do Surf!
junho 18
Portugal tem 42 praias interiores com Bandeira Azul, apenas a França tem mais
junho 18
Praia para cães chega a Vila Nova de Milfontes
junho 18
Vigilância regressa este sábado à Praia do Osso da Baleia
junho 17
Jovem surfista de 12 anos sobrevive a ataque de tubarão
junho 16
Vasco Ribeiro pode alcançar título nacional em Sintra
junho 16
Miss Costa Nova Cup 2021 confirmada