Homepage

  • O mar profundo continua a ser um mistério: apenas se conhece 19%
    06 maio 2021
    arrow
    arrow
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Até 2030 pretende-se ter cartografado os fundos marinhos que não são conhecidos até hoje em detalhe.
  • O presidente do Comité Português para a Comissão Oceanográfica Intergovernamental (COI) da UNESCO, alertou ontem para a grande falta de informação e de conhecimento sobre os oceanos, apenas se conhecendo 19% do mar profundo.

    Luís Menezes Pinheiro foi um dos intervenientes numa conferência online promovida pela Ciência Viva, a propósito da 'Década da Ciência do Oceano para o Desenvolvimento Sustentável'. Denominação atribuída pela Organização das Nações Unidas (ONU) para o período temporal de 2021-2030.

    Ao falar das ações e programas para a década, Luís Menezes Pinheiro disse que se pretende ter cartografados até 2030 os fundos marinhos que não são conhecidos até hoje em detalhe.

    "Conhecemos cerca de 19% do oceano profundo. E das águas pouco profundas com boa resolução conhecemos talvez 50%", afirmou, acrescentando que nesta década se pretende ainda fazer um inventário dos ecossistemas marinhos e promover a literacia do oceano.

    É preciso, disse, convencer os estados de que observação dos oceanos é fundamental. "Não podemos atuar sobre aquilo que não conhecemos" e, citando outro interveniente na conferência, "também não conseguimos proteger e amar o que não conhecemos".

    Em resumo, disse Luís Menezes Pinheiro, a década que agora começou tem de ser transformadora, tem de definir ações e soluções, e as pessoas têm de ser audaciosas e juntar-se e partilhar conhecimentos, tudo na defesa do oceano, porque a visão de hoje é de que há "um planeta, um oceano" e não vários oceanos.

    O responsável afirmou ainda que é no oceano que se encontram as chaves para compreender a origem da vida, que pode ser dele que venham "caminhos mais sustentáveis para o planeta", e que ainda assim os humanos têm "tratado o oceano como reservatório de lixo". "Está na altura de salvarmos o oceano", apelou.

    Além de garantir sistemas oceânicos sustentáveis, é preciso assegurar que há avisos precoces para eventos extremos e aumentar a resiliência e capacidade de adaptação das populações às alterações climáticas, porque "não faz sentido" continuar a construir-se junto ao mar.

    A Década que agora começou pretende contribuir, lembrou o responsável, para um oceano mais limpo, identificando poluições (não apenas o plástico, porque "os antibióticos começam a ser um problema gravíssimo"), para um oceano mais saudável e resiliente, para um oceano mais previsível, para um uso do oceano mais sustentável, e para uma população com menos riscos e mais informada.

     

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • praia
  • mar
  • Natureza
  • Ecossistema
  • Meio Ambiente
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
setembro 24
Teresa Bonvalot fora do Mundial ISA por lesão
setembro 24
David Raimundo: 'Portugal tem feito uma prova brilhante a todos os níveis'
setembro 24
João Aranha e a 'meta que está próxima' no Mundial ISA 2022
setembro 22
ISA anuncia datas do Mundial de 2023 em El Salvador
setembro 23
Portugal sofre três baixas mas continua na luta pelo pódio
setembro 23
Trio português garante passagem ao dia final do Mundial ISA
setembro 23
Surf de Norte a Sul do país na Semana Europeia do Desporto