Homepage

  • Tubarão-azul está mais vulnerável à pesca por causa da desoxigenação dos oceanos
    22 janeiro 2021
    arrow
    arrow
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Reclamam-se medidas para 'mitigar os efeitos da desoxigenação dos oceanos nas capturas de tubarões'.
  • Em comunicado, o Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos da Universidade do Porto (CIBIO-InBIO) dá conta que um estudo realizado pelos seus investigadores, que foi publicado na revista 'eLife', concluiu que a desoxigenação do oceano profundo, causada pelas alterações climáticas, tem "empurrado para a superfície" os tubarões-azuis, tornando-os mais vulneráveis à atividade pesqueira.

    A desoxigenação dos oceanos tem provocado "a expansão tanto horizontal como vertical das zonas mais profundas que permanecem com baixa concentração de oxigénio (zonas de oxigénio mínimo), podendo alterar a distribuição e colocar mesmo em perigo espécies de grande porte que necessitam de elevadas concentrações de oxigénio" como o tubarão-azul, refere o CIBIO-InBIO.

    Neste estudo, os investigadores demonstraram que a expansão da zona de oxigénio mínimo no nordeste Atlântico, perto de Cabo Verde, está a "comprimir o habitat do tubarão-azul".

    Através de transmissores de satélite para registar as profundidades máximas de mergulho, os investigadores marcaram os tubarões e seguiram os movimentos horizontais e o comportamento durante vários meses.

    Ao evitarem as profundidades com menor concentração de oxigénio, os tubarões permanecem "mais à superfície, aumentando assim a probabilidade de serem capturados pela atividade pesqueira".

    O tubarão-azul é uma espécie "comercialmente importante" devido às suas barbatanas, perfazendo cerca de 90% do total de capturas reportadas no Atlântico.

    Apesar de estar classificada como espécie "quase ameaça" pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), existem poucas restrições à sua captura a nível mundial.

    Citada no comunicado, Marisa Vedor, primeira autora do estudo, afirma que a zona de oxigénio mínimo ocidental africana "é uma área de pesca intensiva de palangre, com maiores capturas de tubarão-azul" devido à "compressão de habitat em águas superficiais".

    Também Nuno Queiroz, que co-liderou o estudo, refere que a captura desta espécie "deverá aumentar no futuro" caso se continue a assistir a uma expansão das zonas com baixa concentração de oxigénio.

    Para David Sins, que também coliderou o estudo e é coordenador principal do projeto Global Shark Movement, estes resultados "defendem a necessidade de medidas de gestão para mitigar os efeitos da desoxigenação dos oceanos nas capturas de tubarões".

     

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Natureza
  • Ecossistema
  • Meio Ambiente
  • Tubarão
  • habitat
  • mar
  • Oceano
  • Oxigénio
  • Tubarão-azul
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
dezembro 08
Antecipado o aviso laranja para três distritos por causa do mau tempo
dezembro 09
Tomás Freitas termina estreia no Mundial ISA de Surf Adaptado
dezembro 09
Final de Marta Paço no Mundial ISA de Surf Adaptado 2022 é esta sexta-feira
dezembro 07
Campeões nacionais de bodyboard Sub-12 e Sub-16 coroados na Praia da Rocha
dezembro 07
Four Oceans 2022 realiza-se este fim de semana
dezembro 07
Libertados milhares de sargos na Ria Formosa
dezembro 08
Em 24 horas, choveu em Lisboa dois terços do que é normal em todo o mês de dezembro