Homepage

  • Verão de 2020 deixará 'ferida profunda' nas áreas da Terra cobertas por gelo
    01 setembro 2020
    arrow
    arrow
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • A onda de calor vivida no Ártico consolidou o facto de as temperaturas nessa zona estarem a subir duas vezes mais depressa em relação à média global
  • A agência meteorológica da Organização das Nações Unidas (ONU) afirmou hoje, dia 1 de setembro, que o verão de 2020 vai deixar uma “ferida profunda” nas áreas do planeta cobertas por gelo, depois de uma onda de calor no Ártico.

    Segundo a Organização Mundial de Meteorologia (OMM), as temperaturas no Ártico estão a subir duas vezes mais depressa em relação à média global, fazendo diminuir o gelo marítimo, provocando o colapso de uma importante plataforma de gelo no Canadá e contribuiu para aquilo que a porta-voz da OMM descreveu como “círculo vicioso”.

    “O declínio rápido do gelo marítimo, por sua vez, contribui para um maior aquecimento e, por isso, o círculo continua e as consequências não se limitam ao Ártico”, afirmou Clare Nullis, citada pela agência Associated Press durante uma conferência de imprensa na cidade suíça de Genebra.

    Em comunicado, a agência meteorológica afirmou que nos últimos meses foram estabelecidos inúmeros novos recordes de temperatura, incluindo na cidade russa de Verkhoyansk, localizada na Sibéria a norte da linha do Círculo Polar Ártico, que atingiu os 38ºC no passado dia 20 de junho.

    “Aquilo a que assistimos na Sibéria este ano foi excecionalmente mau, foi excecionalmente severo”, afirmou a porta-voz, referindo uma onda de calor no Ártico, incêndios florestais recordes na Sibéria, um quase recorde nos baixos níveis de extensão do gelo marítimo e o colapso de uma das últimas plataformas de gelo intactas no Canadá.

    “O verão de 2020 vai deixar uma ferida profunda na criosfera (as regiões da Terra cobertas por gelo)” lamentou a OMM em comunicado, apontando uma “tendência preocupante” de inundações resultantes de explosões de lagos glaciares, que se estão a tornar “um fator crescente de alto risco em muitas partes do mundo”.

    No final de julho, uma área de 81 quilómetros quadrados da plataforma de gelo Milne, no Canadá, desintegrou-se, reduzindo a área total da plataforma em 43%, segundo a agência. As consequências incluem a perda de um ecossistema raro, a possível aceleração do deslizamento de glaciares em direção ao oceano e consequente subida do nível médio do mar, e a criação de novas “ilhas de gelo à deriva”. Na próxima semana, a agência meteorológica vai divulgar um relatório do impacto das alterações climáticas na criosfera.

     

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, e encontra tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Mundo
  • Ecossistema
  • Degelo
  • Natureza
  • Temperatura
  • Ártico
  • Meio Ambiente
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
setembro 22
Onda californiana de San Miguel a salvo de possível extinção
setembro 22
Há uma nova onda na Indonésia: é gerada por um navio encalhado e repete história do século XX
setembro 20
Kanoa Igarashi, de vice-campeão mundial ISA à prata olímpica em casa
setembro 22
Abriram as inscrições para o Campeonato Nacional de Surf Esperanças Sub-14
setembro 22
Exposição Viva celebra 1ª edição do Programa Atlantis no Dia Nacional da Água
setembro 21
Época balnear em Espinho prolongada até 26 de setembro
setembro 22
Nível do mar continua a subir a um ritmo alarmante