Homepage

  • Fanning relembra 2015, ano em que bateu no fundo, ao programa 60 Minutos (VÍDEO)
    30 agosto 2020
    arrow
    arrow
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Segundo Fanning, foi a família que o salvou, conseguindo superar essa fase difícil.
  • Mick Fanning foi um dos surfistas mais bem-sucedidos da história do surf moderno, conquistando três títulos mundiais e retirando-se como uma verdadeira lenda do surf mundial, não só pelas suas conquistas, mas também pela forma de ser e por todos os episódios que marcaram a sua carreira.

    Mas nem só de alegrias se faz a vida de uma das maiores estrelas do surf. E Fanning sabe disso como ninguém. Depois dos inúmeros episódios traumáticos que sofreu, Eugene abre agora o jogo, numa sincera e profunda entrevista ao famoso programa australiano 60 Minutos. Fanning, de 39 anos, enfrentou os seus demónios e admitiu que viveu uma fase bastante delicada.

    O australiano teve muito perto de vencer o título mundial em 2015, depois de no dia final em Pipeline ter sabido da trágica notícia da morte do seu irmão – o segundo que perdeu. Meses depois veio a separação. O ataque de tubarão sofrido em J-Bay que se tornou viral em todo o Mundo ajudou no turbilhão de emoções vividos por Mick num curto espaço de tempo.

    Segundo Fanning, foi a família que o salvou, conseguindo superar essa fase difícil. Atualmente, o surfista, que deixou a competição há poucos anos, reencontrou o amor e foi pai, deixando para trás essa fase mais atribulada da vida. No entanto, decidiu abrir o jogo perante as câmaras de televisão.

    “Para mim, 2015 foi um ano horrível”, começou por dizer Fanning. “Depois de tudo o que se passou terminou o ano vazio, de rastos. Pensava no que mais me poderia acontecer. No final desse ano bati no fundo”. Foi então que surgiu a decisão de tirar um ano sabático do WCT e separar-se da mulher com quem tinha vivido os últimos 10 anos da vida.

    “Sentia que não tinha nada para dar, nem a mim nem às pessoas que me rodeavam, à família e amigos. Simplesmente não encontrava uma forma de dar a volta à situação. Nunca me tinha sentido tão vazio assim. Apenas queria ficar na cama, sem fazer nada nem sair de cada”, relembrou o tricampeão mundial.

    Em 2016 Mick enfrentou esse ano sabático, regressando depois ao circuito mundial em 2017. Durante 2016 decidiu fazer várias viagens pelo Mundo à procura de ondas e foi numa delas que sentiu o ponto de viragem. Tudo aconteceu no Alasca. “Subi ao topo de uma montanha, apreciei a bela paisagem e lembrei-me dos meus irmãos, começando automaticamente a chorar. Não eram lágrimas de tristeza. Senti que estava a dar o primeiro passo e que foi aí que iniciei o processo de recuperação”, lembrou, entre tantos outros testemunhos.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, e encontra tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Mick Fanning
  • Tubarão
  • 60 minutos
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
agosto 10
Água da Praia de Vila Praia de Âncora está imprópria para banhos
agosto 10
Banhos desaconselhados em cinco praias de Matosinhos
agosto 10
Dois animais marinhos devolvidos ao habitat natural ao largo de Aveiro
agosto 10
Buondi anuncia os vencedores das 7 cadeiras anfíbias Turtle
agosto 09
De quase eliminada de primeira à glória, assim foi a história de Carolina Santos na Costa Nova
agosto 09
Avistada caravela-portuguesa na Praia das Maçãs
agosto 09
Tartaruga presa em arte de pesca foi resgatada na foz do Mondego