Homepage

  • Estudo aponta que alterações climáticas já afetem metade dos oceanos
    18 agosto 2020
    arrow
    arrow
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Segundo os cientistas, as alterações climáticas são mais difíceis de detetar nas partes mais profundas e isoladas dos oceanos.
  • Um estudo, publicado recentemente na revista “Nature Climate Change”, estima que entre 20% e 55% dos oceanos Atlântico, Pacífico e Índico tenham agora temperaturas e níveis de sal muito alterados, prevendo-se que as percentagens subam para 40% a 60% até meados do século, e para 55% a 90% até 2080.

    Para o estudo, os cientistas usaram modelos e observações climáticas em zonas mais profundas dos oceanos do mundo para calcular, pela primeira vez, como estão as alterações dos níveis das temperaturas e do sal (bons indicadores do impacto das alterações climáticas provocadas pelo homem) a sobrepor-se às variações naturais.

    Os cientistas concluíram também que os oceanos do hemisfério sul estão a ser mais rapidamente afetados pelas alterações climáticas do que os do hemisfério norte, com mudanças detetadas desde os anos 1980.

    "Temos vindo a detetar alterações da temperatura dos oceanos à superfície, devido às alterações climáticas, há já várias décadas, mas as alterações em vastas áreas do oceano, particularmente em áreas mais profundas, são muito mais difíceis de detetar", disse Eric Guilyardi, da Universidade de Reading (Reino Unido) e do Laboratório de Oceanografia e Clima de Paris, explica, citado na publicação.

    Yona Silvy, da Universidade de Sorbonne, em Paris, responsável pelo estudo, explicou que se pretendeu perceber se os níveis de temperatura e de sal eram suficientemente elevados para superar a variabilidade natural das áreas mais profundas. Uma descida ou subida acima dos picos normais afeta a circulação oceânica global e a subida do nível da água do mar representa uma ameaça para as sociedades humanas e para os ecossistemas, disse.

    Segundo os cientistas, as alterações climáticas são mais difíceis de detetar nas partes mais profundas e isoladas dos oceanos, onde o calor e o sal se propagam a um ritmo mais lento.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, e encontra tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Oceanos
  • Alterações climáticas
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
setembro 27
O que valem as vagas olímpicas ganhas por Japão e Estados Unidos?
setembro 27
Os outros pontos de interesse do Challenger da Ericeira
setembro 27
David Raimundo: 'A Seleção Nacional de Surf mostrou ao mundo uma vez mais o valor do surfista português'
setembro 27
Frederico Morais sobre Guilherme Fonseca: 'Conheci um viciado no surf e apaixonado pela competição'
setembro 27
The Surf Experience vai celebrar 30º aniversário com festival de música em Lagos
setembro 27
Projeto 'Surf & Rescue' em estreia nos Açores no sábado
setembro 26
Foi 'muito criticado', mas Guilherme Fonseca reivindicou-se em Huntington Beach: 'Fui acreditando cada vez mais'