Homepage

  • Fotografia
    Câmara Municipal de Espinho
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • A autarquia local pretende implementar o sistema já a partir do verão de 2021.
  • Os Bombeiros Voluntários de Espinho e a autarquia local testaram, na passada quarta-feira, um projeto-piloto de socorro por drone a vítimas de paragem cardiorrespiratória nas praias.

    Uma ação que decorreu em parceria com um consórcio cívico-empresarial que se propõe implementar esse serviço já no verão de 2021.

    Em causa está o programa "CardioDrone", que, a partir de uma aplicação telefónica, aciona um desses veículos aéreos não tripulados para que ele transporte até ao local da ocorrência a caixa com o desfibrilhador automático externo (DAE) que permitirá salvar a vítima num período de resposta cerca de sete minutos mais rápido do que acontece quando o socorro depende apenas de meios deslocados por via terrestre.

    Na simulação realizada, e perante um banhista em paragem cardiorrespiratória na Praia de Paramos, um nadador-salvador abriu a aplicação no dispositivo móvel e ativou o envio do drone que, disponível a três quilómetros de distância no areal de Silvalde, percorreu a distância entre as duas praias a cerca de 100 quilómetros por hora.

    Cerca de três minutos após levantar voo, o veículo sobrevoava a vítima na localização geográfica indicada pela aplicação e, a 20 metros de altura, fazia descer até ao socorrista a mala com o DAE, através de um guincho de aço apto a aguentar com os cerca de cinco quilos desse dispositivo médico.

    O alerta emitido através da aplicação também ativou automaticamente o serviço de emergência 112, pelo que, pouco depois de o nadador-salvador começar a aplicar os choques elétricos no manequim-vítima usado na simulação, chegavam igualmente à praia dois operacionais dos bombeiros de Espinho, um por mar, em moto de água, e outro pelo areal, em moto 4.

    O enfermeiro Pedro Caldeira sintetizou as vantagens do serviço que estará disponível para autarquias a preços na ordem dos 600 a 700 euros por mês por cada drone: "Quanto mais depressa conseguirmos chegar ao local, mais depressa conseguiremos providenciar cuidados médicos à vítima e maior probabilidade ela terá de ser salva".

    Gabriel Boavida, também envolvido no consórcio, enquanto presidente do movimento cívico 'Salvar Mais vidas', defendeu que essa rapidez de ação é a maior vantagem do projeto, considerando que "a paragem cardiorrespiratória súbita é a principal causa de morte em Portugal fora do meio hospitalar", representando cerca de 10 000 óbitos por ano - o que reflete uma taxa de sobrevivência "que ronda os 3%".

    Pedro Louro, comandante da corporação local de bombeiros e responsável pelo dispositivo de socorro instalado em toda a orla costeira de Espinho, reforça a ideia de que a "mais-valia destes equipamentos [aéreos] está muito associada ao tempo de resposta para intervenção", reduzindo o período decorrido "desde a paragem cardiorrespiratória até à assistência à vítima".

    Já Marco Castro, diretor-geral da Ocean Medical e porta-voz do consórcio, explicou que a escolha de Espinho para a realização do teste, deve-se ao facto de este ter sido o "primeiro município a mostrar interesse neste serviço, sendo já um exemplo em termos de dispositivo de socorro nas praias".

    Experiências semelhantes já terão sido testadas "em zonas remotas do Canadá, da Noruega e da Suécia", mas, segundo Marco Castro, esses projetos deixaram a desejar porque, à chegada da aeronave ao seu destino, "não existiam garantias que lá estivesse quem soubesse usar o DAE na vítima".

    Por sua vez, o vereador Quirino de Jesus confirmou a disponibilidade da autarquia de Espinho para disponibilizar o serviço CardioDrone nos seus oito quilómetros de orla costeira já no verão de 2021.

    Porém, reconhece que isso dependerá das devidas autorizações legais para a pilotagem de drones de assistência médica no espaço público - o que Hanniel Pontes, da HP Drones, espera ver viabilizado no próximo mês de janeiro, quando entrar em vigor a anunciada legislação europeia para o efeito.

     

     

     

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, e encontra tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Praia
  • Mar
  • Portugal
  • Drone
  • Espinho
  • Época Balnear
  • Verão
  • Câmara municipal de Espinho
  • Salvamento
  • Fotografia
    Câmara Municipal de Espinho
  • Fonte
    Redação
pub
similar News
similar
setembro 24
A nova Reserva Mundial de Surf fica na Costa Rica
setembro 22
Água imprópria proíbe banhos na Praia do Camilo
setembro 23
Banhos novamente autorizados na Praia do Camilo
setembro 23
Pelo menos 380 das 500 baleias-piloto encalhadas na Tasmânia já faleceram
setembro 23
Títulos nacionais de SUP vão ser decididos no Norte
setembro 15
Miguel Blanco e uma surf trip épica às Maldivas em tempo de pandemia
setembro 23
MEO Portugal Cup of Surfing está a chegar (TEASER)
pub