Homepage

  • Sally Fitzgibbons antecipa revolução no surf feminino
    12 junho 2020
    arrow
    arrow
  • Fotografia
    wsl
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Após 11 temporadas no WWT e com o passaporte para Tóquio já garantido, Sally, de 29 anos, garante que ainda se sente uma “jovem a aprender”.
  • Se para muitos o regresso das competições de surf a nível internacional ainda é uma incógnita, para outros não há assim tantas interrogações. Bem pelo contrário. A top australiana Sally Fitzgibbons acredita que esta paragem foi útil para originar uma revolução no surf feminino. E porquê? Porque antecipa a chegada em força do surf progressivo às provas femininas.

    Numa entrevista concedida ao site olímpico, Sally explica esta sua ideia, que assenta no facto de muitas das competidoras terem tido tempo durante a quarentena para treinarem manobras mais técnicas e específicas, que requerem muita dedicação. “Penso que as manobras aéreas vão aparecer em grande quando retomarmos a competição”, atirou a australiana.

    “Vamos assistir a uma mudança de paradigma. Os aéreos são muito difíceis de fazer. Todas aquelas manobras que vemos nos filmes de surf são bastante técnicas. Sempre fui fascinado por elas. Refugiada na sua terra natal, a sul de Sydney, Sally admitiu ter tido o tempo necessário para juntar manobras aéreas ao seu reportório, estando desejosa de mostrá-las.

    Fitzgibbons deu o exemplo de alguns especialistas do circuito masculino em que se inspirou. “Quando vemos surfistas como Filipe Toledo ou Italo Ferreira ficamos com a sensação que eles nunca passam por situações complicadas ou se magoam, porque aterram de uma forma tão eficaz que fazem parecer as coisas simples. No entanto, essa é a beleza deste desporto. Dei alguns aéreos grandes a treinar, mas é com a pressão inerente à competição que tenho de fazê-los. São manobras super arriscadas”, frisou.

    Após 11 temporadas no WWT e com o passaporte para Tóquio já garantido, Sally, de 29 anos, garante que ainda se sente uma “jovem a aprender”. É dessa forma que pretende continuar a lutar por um título mundial que sempre lhe escapou por pouco. Além, claro, de alimentar o sonho de conquistar uma medalha na estreia do surf nos Jogos Olímpicos.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Sally Fitzgibbons
  • WWT
  • Aéreos
  • Fotografia
    wsl
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
janeiro 19
Caitlin Simmers quer apenas continuar a ser Caitlin Simmers, para já
janeiro 19
Estão abertas as inscrições para curso de nadador-salvador profissional em Sintra
janeiro 19
Gabriel Ribeiro está de volta em 2022 e 100% dedicado ao surf
janeiro 18
Teresa Bonvalot e a nova época: 'Estou com muita vontade de voltar ao ataque'
janeiro 18
Praias da capital do Peru atingidas por maré negra
janeiro 19
Julian Wilson lança marca de roupa
janeiro 18
The Wave vai construir mais seis parques no Reino Unido e Irlanda