Homepage

  • Já vigora a proibição do uso de plástico descartável nas áreas naturais protegidas do Quénia
    08 junho 2020
    arrow
    arrow
  • A proibição foi anunciada há um ano, mas só agora a medida entrou em vigor no país africano.
  • Desde a passada sexta-feira, dia 5 de junho, que o Quénia proibiu a presença de plástico de utilização única nas suas áreas naturais protegidas. 

    Desta forma, os visitantes dos parques nacionais, praias, florestas e zonas de conservação não poderão transportar pratos descartáveis, copos, palhinhas, colheres, garfos e garrafas de água, artigos considerados altamente poluentes.

    A proibição foi anunciada há um ano pelo presidente do Quénia, Uhuru Kenyatta, que justificou a medida com o argumento de que “um ambiente sustentável é uma garantia para uma sociedade saudável, melhor e produtiva”.

    O Programa das Nações Unidas para o Ambiente (PNUA), com sede em Nairobi, saudou o “passo arrojado” dado pelo Quénia para reforçar a protecção das suas zonas naturais. “Ao proibir os plásticos de utilização única dos seus parques e áreas protegidas, o Quénia junta-se ao resto do mundo na definição da agenda para a gestão sustentável dos resíduos, em consonância com o tema do Dia Mundial do Ambiente deste ano”, afirmou a directora do PNUA para África, Juliette Biao, numa declaração.

    Segundo o PNUA, a poluição plástica é uma das mais graves ameaças para a saúde do planeta. Os plásticos de utilização única estão a contaminar a maioria dos ecossistemas, desde as florestas tropicais até às trincheiras oceânicas mais profundas do mundo.

    Quando o peixe e o gado os consomem, os resíduos plásticos acabam na cadeia alimentar humana. Até 2050, a ONU estima que haverá mais plástico do que peixe no oceano, a menos que os governos e o sector privado promovam uma concepção, produção, utilização e gestão dos plásticos mais racionais e eficientes.

    O Quénia já proibiu a utilização de sacos de plástico em 2017, uma iniciativa que reduziu em 80% esta presença no país na África Oriental, segundo um relatório recente do Sustainable Inclusive Business (SIB-Kenya). Outros países africanos, como o Ruanda e a África do Sul, também tomaram medidas para proibir os sacos de plástico e os produtos de utilização única, feitos a partir desse material.

     

     

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Quénia
  • África
  • Plástico
  • plástico descartável
  • Áreas protegidas
  • Ecossistema
  • Natureza
  • Meio Ambiente
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
setembro 28
Kelly Slater salvou estrela de cinema em torneio de golfe
setembro 27
David Raimundo e a aventura de Vasco em Huntington Beach: 'Queríamos mais'
setembro 27
Praia da Aguçadoura coroou os campeões nacionais de bodyboard esperanças competição de 2021
setembro 27
10 anos depois, o Circuito Nacional de Bodyboard está a caminho dos Açores
setembro 27
Ericeira WSR+10 promove curso sobre surfing e sustentabilidade
setembro 24
Nunca houve tantas mulheres no circuito nacional como em 2021!
setembro 24
Frontón vai coroar o novo campeão do mundo júnior de bodyboard