Homepage

  • Já vigora a proibição do uso de plástico descartável nas áreas naturais protegidas do Quénia
    08 junho 2020
    arrow
    arrow
  • A proibição foi anunciada há um ano, mas só agora a medida entrou em vigor no país africano.
  • Desde a passada sexta-feira, dia 5 de junho, que o Quénia proibiu a presença de plástico de utilização única nas suas áreas naturais protegidas. 

    Desta forma, os visitantes dos parques nacionais, praias, florestas e zonas de conservação não poderão transportar pratos descartáveis, copos, palhinhas, colheres, garfos e garrafas de água, artigos considerados altamente poluentes.

    A proibição foi anunciada há um ano pelo presidente do Quénia, Uhuru Kenyatta, que justificou a medida com o argumento de que “um ambiente sustentável é uma garantia para uma sociedade saudável, melhor e produtiva”.

    O Programa das Nações Unidas para o Ambiente (PNUA), com sede em Nairobi, saudou o “passo arrojado” dado pelo Quénia para reforçar a protecção das suas zonas naturais. “Ao proibir os plásticos de utilização única dos seus parques e áreas protegidas, o Quénia junta-se ao resto do mundo na definição da agenda para a gestão sustentável dos resíduos, em consonância com o tema do Dia Mundial do Ambiente deste ano”, afirmou a directora do PNUA para África, Juliette Biao, numa declaração.

    Segundo o PNUA, a poluição plástica é uma das mais graves ameaças para a saúde do planeta. Os plásticos de utilização única estão a contaminar a maioria dos ecossistemas, desde as florestas tropicais até às trincheiras oceânicas mais profundas do mundo.

    Quando o peixe e o gado os consomem, os resíduos plásticos acabam na cadeia alimentar humana. Até 2050, a ONU estima que haverá mais plástico do que peixe no oceano, a menos que os governos e o sector privado promovam uma concepção, produção, utilização e gestão dos plásticos mais racionais e eficientes.

    O Quénia já proibiu a utilização de sacos de plástico em 2017, uma iniciativa que reduziu em 80% esta presença no país na África Oriental, segundo um relatório recente do Sustainable Inclusive Business (SIB-Kenya). Outros países africanos, como o Ruanda e a África do Sul, também tomaram medidas para proibir os sacos de plástico e os produtos de utilização única, feitos a partir desse material.

     

     

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Quénia
  • África
  • Plástico
  • plástico descartável
  • Áreas protegidas
  • Ecossistema
  • Natureza
  • Meio Ambiente
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
fevereiro 01
Surf nacional lamenta perda de Pedro Lacerda
fevereiro 03
Lucas Fink, de Ipanema para as ondas grandes da Nazaré com a prancha de skimboard: 'Se o teu sonho não te dá medo, não estás a sonhar alto'
fevereiro 03
Sol e temperaturas acima dos 20ºC no primeiro fim de semana de fevereiro
fevereiro 03
Está a chegar o Circuito Regional de Surf do Sul 2023!
fevereiro 02
Tempo frio ainda deixa três distritos sob aviso amarelo
fevereiro 02
Praia da Empa coroou vencedores do Science Ericeira 2022
fevereiro 01
FUEL TV assegura transmissão do Winter Dew Tour 2023 à escala global