Homepage

  • Tetracampeão mundial critica mudanças no WCT
    05 maio 2020
    arrow
    arrow
  • Fotografia
    wsl
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • O facto de o WCT passar a ser decidido numa etapa final em “surf off” não faz sentido para Richards.
  • É um dos nomes mais históricos do surf mundial e o que conta com mais títulos mundiais conquistados, logo após Kelly Slater. O australiano Mark Richards conta com quatro títulos no currículo, conquistados consecutivamente, e com uma reputação única na esfera do surf mundial. E utilizou-a para vir a público criticar a mudança anunciada pela WSL na forma como o título mundial vai passar a ser atribuído a partir de 2021.

    “Bem, conhecem aquele ditado de que mentes preguiçosas causam problemas? Penso que é isso que se está a passar atualmente na WSL”, começou por dizer MR numa recente entrevista concedida à revista australiana “Tracks”. “Compreendo o entusiasmo em relação ao ano passado ter tudo terminado com uma finalíssima, mas consigo encontrar 10 razões para todo esse entusiasmo e nenhuma é o facto de ter sido o número um contra o número dois”, frisou.

    O facto de o WCT passar a ser decidido numa etapa final em “surf off” não faz sentido para Richards, que não poupou nas críticas aos atuais membros da WSL. Para o lendário surfista australiano os responsáveis da organização que gere o surf profissional a nível mundial estão a seguir exemplos de desportos coletivos, esquecendo-se que o surf é um desporto individual.

    “Vejo que eles dão como exemplo o Superbowl da NFL ou a NBA, que terminam com uma final. Contudo, talvez eles não saibam que cada eliminatória dos playoffs pode ter até sete jogos. Posso estar errado, mas creio que o que eles querem é ter um dia de grandes emoções. Não consigo imaginar na fórmula 1 tudo a ser decidido apenas num GP, com o que aconteceu no resto do ano a não contar para nada”, explicou.

    Richards defende que a performance ao longo do ano é que deve continuar a definir os campeões mundiais. “Tens um x de eventos por ano, nas mais variadas condições, desde reef breaks a beach breaks, direitas e esquerdas, e o surfista que tem as melhores performances em todas estas condições é que deve ser o campeão. Se formos ignorar tudo o que se fez numa época para decidir o campeão numa só etapa, então para quê fazer um circuito? Mais vale fazerem só esse dia e o vencedor leva o dinheiro todo”, ironizou o tetracampeão mundial.

    “A minha grande preocupação é o facto de um surfista que teve um grande ano, que ganhou três ou quatro eventos, chega ao evento final como número um e tem de jogar tudo num dia. Segundo o que dizem, pode haver até oito surfistas no dia final, então o número um pode perder o título para o número 8… Penso que para o vencedor não é um triunfo limpo. Isto não é uma boa ideia. Se alguém chega à última etapa com uma vantagem no ranking é porque surfou melhor e teve uma estratégia melhor. Naquele dia as coisas podem correr mal e o número 8 vence… Seria um sentimento estranho. O surfista que chega a esse dia final como número 8 não merece ser campeão mundial. Espero que nunca o seja e que o campeão seja o que chega na liderança”, defendeu MR.

    O vencedor do WCT entre 1979 e 1982 lançou ainda outra questão sobre esta decisão: “Compreendo que seja uma decisão a pensar nos fãs, mas o Tour é feito para os fãs ou é feito para ser justo na forma como é decidido? Penso que o atual sistema está equilibrado em termos de justiça. E há outro ponto… Se vai ser tudo decidido num só dia, onde vai ser essa decisão?”, atirou.

    “Li no comunicado deles que a decisão foi tomado em concordância com os surfistas. Seria interessante questionar mesmo os surfistas sobre o que acham disto…”, sublinhou Richards, atirando mais uma questão: “Quem vai querer patrocinar um Tour? Se tu sabes que tudo se decide num dia final, vais querer patrocinar esse dia final. Penso que o surf, infelizmente, anda a ‘pregar aos peixes’”, afirmou.

    Por fim, o lendário surfista disse acreditar que o surf nunca vai ser um desporto de massas porque o público generalista não compreende o desporto em si. “É difícil explicar às pessoas a dificuldade que existe em surfar uma onda, sendo que para eles parece sempre mais do mesmo. Nos media australianos é frustrante ver que o tenista que passa uma ronda em Wimbledon ou no US Open vem logo na capa, mas quando a Stephanie Gilmore ou a Sally Fitzgibbons ganham uma etapa, por exemplo, vem uma notícia pequena. Infelizmente, esta é a realidade sobre aquilo que um editor de desporto pensa sobre o surf”, rematou.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, e encontra tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • WSL
  • wct
  • surf off
  • mark richards
  • Fotografia
    wsl
  • Fonte
    Redação
pub
similar News
similar
novembro 25
Steph, Parko e outros tops avançam com primeiro resort de surf australiano
novembro 25
Praia de Albarquel conquista prémio 'Praia + Acessível 2020'
novembro 24
Irmã de Medina arrasa concorrência pelo Brasil
novembro 25
Zmar promove campanha Black Friday
novembro 25
Mais 82 autos levantados por campismo e autocaravanismo ilegais em Vila do Bispo
novembro 25
The Base Surf Store celebra Black Friday com campanha especial
novembro 25
Odeceixe Surf School anuncia aulas aos fins de semana para crianças
pub