Homepage

  • Caravelas-portuguesas continuam a ser avistadas em grandes quantidades nos Açores
    11 maio 2020
    arrow
    arrow
  • A espécie também foi recentemente avistada no arquipélago da Madeira, ainda que em menores quantidades.
  • À semelhança do que já havia acontecido no passado mês de abril, o arquipélago dos Açores continua a ser invadido por uma grande quantidade de caravelas-portuguesas.

    O alerta foi hoje dado pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) em nota publicada no seu site.

    "A espécie Physalia physalis (caravela-portuguesa) está, de momento, a ocorrer em grande quantidade nos Açores (ilhas do Faial, Terceira e São Miguel) e na Madeira também foram avistadas ainda que em menor quantidade", pode ler-se.

    Porém, este surgimento de caravelas-portuguesas em grande número nos Açores não é um fenómeno assim tão pouco habitual.

    Os especialistas dizem que entre os meses de abril e junho há um pico deste fenómeno nas águas açorianas e foi assim já no ano passado, onde foi possível ver milhares destes exemplares, que vivem em colónias, nas águas de várias ilhas do arquipélago.

    No entanto, para além das caravelas-portuguesas outros organismos gelatinosos têm sido avistados no arquipélago dos Açores e em Portugal Continental. "Nos Açores (ilha de S. Miguel) também estão a ser registados avistamentos de águas-vivas (Pelagia noctiluca) e no continente português registam-se muitas veleiro (Velella velella)".

    O mesmo texto relembra os cuidados a ter em caso de contacto com a espécie caravela portuguesa: 

    - Limpar zona afectada com água do mar;

    - Retirar quaisquer pedaços de tentáculos que possam ter ficado presos na pele; 

    - Poderás aplicar vinagre e compressas quentes;

    - Procurar assistência médica.

    A nota do IPMA indica ainda que qualquer ocorrência de physalia physalis ou de outras espécies de organismos gelatinosos poderá ser comunicada ao GelAvista, programa  em atividade desde 2016 e responsável pela monitorização dos organismos gelatinosos em Portugal.

    A informação de cada avistamento (data, local, número de organismos e fotografia) deverá ser enviada para o email plancton@ipma.pt ou através da aplicação GelAvista, disponível para sistemas Android.

    Importa referir que em caso de avistamento não se deve tocar nos tentáculos da caravela-portuguesa, mesmo quando esta aparenta estar morta na praia.

     

     

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram  

Tags
  • Praia
  • Açores
  • Madeira
  • Primavera
  • Portugal Continental
  • Caravela-Portuguesa
  • Avistamento
  • organismos gelatinosos
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
janeiro 31
Luke Shepardson, o vencedor improvável do Eddie Aikau que passou a ter um dia no Havai com o seu nome
janeiro 31
Surf adaptado mantem bem vivo o sonho da inclusão nos Jogos Paralímpicos de Los Angeles 2028
janeiro 31
Ondas da Praia da Vigia consagraram campeões do Circuito Sealand Santa Cruz 2022
janeiro 30
Validade da certificação dos nadadores-salvadores prorrogada até ao final de 2023
janeiro 30
Conhecido calendário dos circuitos regionais de bodyboard para 2023
janeiro 30
FPS vai realizar dois cursos online de juízes de surf em fevereiro
janeiro 30
Frio não desarma e deixa todo o território continental em aviso amarelo