Homepage

  • Dois surf offs para a história e um que bateu na trave
    29 abril 2020
    arrow
    arrow
  • Fotografia
    wsl
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Não é preciso recuar muito no tempo para se encontrar o último exemplo de uma finalíssima a decidir o Tour...
  • A WSL anunciou uma grande mudança estrutural no sistema que decide o título de campeão mundial. A partir do próximo ano, o campeão sairá de uma etapa final, onde quem vencer será o campeão. De pouco valerão pontos, rankings e as contas a que nos habituámos desde sempre. Dois surfistas vão chegar ao heat decisivo e quem vencer é campeão. Tão simples quanto isto.

    Uma novidade que já fez correr muita tinta, entre elogio e críticas, como é habitual em qualquer medida disruptiva em qualquer área da sociedade. De um lado os que defendem o método tradicional, que premeia a regularidade e um ano inteiro de resultados. Do outro aqueles que realçam a emoção e espetáculo que uma emoção destas irá trazer.

    A verdade é que esta medida evita que, por exemplo, o título se decida antes do tempo, tirando depois toda a emoção à etapa de Pipe, como aconteceu, por exemplo, em 2016, quando John John Florence carimbou o título em Peniche, de forma antecipada. Outra grande consequência é o facto de o título poder passar a ser decidido mais vezes numa “negra” entre os dois melhores surfistas, quiçá grandes rivais.

    Isto é algo que nos transporta para o passado. Até porque a WSL conta com alguns exemplos de títulos mundiais que só foram decididos no último heat do ano. Mesmo depois de 11 etapas, de inúmeros heats e de centenas de pontos. A decisão ficou para o heat final do Pipe Masters numa versão do quem vencer é campeão.

    Não é preciso recuar muito no tempo para se encontrar o último exemplo desses. No ano passado Italo Ferreira foi campeão mundial depois de bater Medina na final em Pipe. Se Medina tivesse vencido a final era ele o campeão. Foi “mata-mata”, como dizem os brasileiros, e a verdade é que foi dos desfechos mais emotivos dos últimos tempos, a par daqueles que também tiveram perto de ver essas “negras” acontecer.

    Talvez essa disputa entre Italo e Medina só não tenha sido mais reputada por se tratarem de dois surfistas brasileiros, para tristeza do batalhão anglo-saxónico. Certamente que uma finalíssima entre John John e Medina, para apimentar ainda mais a rivalidade entre ambos, teria outro tipo de impacto, mas é isso mesmo que esta nova medida vem procurar.

    É preciso recuar mais 16 anos para encontrar a penúltima “negra” no circuito mundial. Foi em 2003, em pleno apogeu do surf como desporto, muito por culpa da maior rivalidade que este desporto já viu. Kelly Slater e Andy Irons frente a frente em Pipe, na casa de Andy onde Slater é rei. O havaiano acabou por levar a melhor, numa final que ficou para a história. E ficou para a história por isso mesmo, por ter sido uma finalíssima entre dois grandes rivais. Mais uma vez frisamos que essa isso mesmo que a WSL está à procura.

    São estes os dois maiores exemplos que jogam a favor desta mudança. E outros tantos ficaram à beira de acontecer. Como em 2012, quando todos foram surpreendidos pelo anti-herói Josh Kerr. Joel Parkinson chegou a Pipe na frente do ranking, mas Kelly Slater estava logo ali na curva a mirar o 12.º título mundial. Ambos foram avançando firmemente e em perspetiva estava uma final entre os dois. Quem ganhasse era campeão mundial.

    Todos acreditavam no título do implacável KS, sobretudo tento como rival um surfista conhecido por ser o pé frio do Tour, depois de vários “quase títulos”. Só que a história nesse ano não jogou a favor do rei, que perdeu incrivelmente para o darkhorse Josh Kerr, que nessa manhã já tinha sido hospitalizado depois de um wipeout e que na ronda anterior tinha batido Yadin Nicol nos últimos 10 segundos, garantindo a continuidade no Tour a Tiago Pires.

    Foi assim que Parko foi campeão e conquistou o único título da carreira, com muitos nervos e alívio à mistura, depois de uma derrota de Slater – que nunca mais conseguiu esse 12.º título - nas meias-finais em que poucos apostavam. A final acabou por ser ganha por Joel Parkinson, mas disso poucos se lembram. É também por isso, e por tudo o resto que já foi dito, que esta alteração vem trazer um novo sentido e emoção ao título mundial de surf.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Kelly Slater
  • Andy Irons
  • Joel Parkinson
  • italo ferreira
  • gabriel medina
  • surf off
  • wct
  • WSL
  • Pipeline
  • Campeão Mundial
  • Fotografia
    wsl
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
outubro 15
Nasceu a Matosinhos Surf School Cup: a nova competição para as escolas de surf do concelho
outubro 15
Faleceu Tom Morey, o Pai do Bodyboard
outubro 15
Recolhidos 10 kg de lixo marinho na Praia do Samouco (Galeria Fotos)
outubro 15
Reserva Mundial de Surf da Ericeira comemorou 10º aniversário
outubro 15
'EDP Surf for Tomorrow' - A viagem às Maldivas
outubro 15
Nuno Vitorino recebe prémio do Comité Paralímpico de Portugal
outubro 15
Fim de semana chega com tempo mais cinzento e regresso da chuva nas regiões Norte e Centro