Homepage

  • João Aranha: “Comparando com os outros países, o nosso exemplo está a ser brilhante”
    21 abril 2020
    arrow
    arrow
  • Fotografia
    FPS
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Além do Sri Lanka, Aranha também esteve em África a lidar diretamente com o ébola e a cólera.
  • Esteve ligado aos Médicos Sem Fronteiras e aos Médicos pelo Mundo, participando em várias missões ao redor do Mundo em cenários de guerra e até epidemia. Uma experiência que lhe confere muita bagagem, mas que nem por isso lhe deixa de gerar preocupação em relação ao Covid-19. João Aranha, o homem que em 2013 assumiu a liderança da FPS, depois de ter estado na ANS e de ter regresso em definitivo a Portugal em 2004, concedeu uma entrevista ao site “Tribuna” do Expresso onde recorda esse seu passado de missões e aborda o futuro após o Covid-19.

    “Tive várias missões no terreno relacionadas com catástrofe, com guerra e epidemias, foi um bocado parte da minha vida”, começa por contar João Aranha. “Fiz parte de uma das primeiras missões a chegar ao Sri Lanka, após o tsunami. […] Era uma missão médica, basicamente. Tentámos reconstruir hospitais e criar um plano de emergência e evacuação no caso de haver outro tsunami. Havia problemas de salubridade, porque a água entrou terreno dentro, havia muito pó no ar e registaram-se muitas doenças respiratórias. Em termos de emergência médica, tinha muito a ver com o apoio psicológico. O rasto de destruição deixado pelo tsunami provocou muitos problemas de saúde em muita gente em termos respiratórios, de infeções e de doenças de pele”, relembra.

    Além do Sri Lanka, Aranha também esteve em África a lidar diretamente com o ébola e a cólera. “Estivemos ligados à do ébola, no Congo, mas foi antes. Epidemia mesmo propriamente dita, foi na Guiné, de cólera. Fomos a primeira ONG a chegar, juntamente com a AMI. Em 2005, quando houve um surto de cólera na Guiné-Bissau. Não teve nada a ver com esta, apesar de nem ser uma doença africana, até é europeia. Podes morrer com cólera em dois dias”, explica o líder federativo.

    “Os meus amigos mais próximos perguntaram-me por cuidados a ter, mas, quer dizer, não conheço esta doença. Andei eu tanto tempo em África, a pedir a toda gente que lavasse as mãos, por causa do surto de cólera, e agora em Portugal a história é a mesma. São cuidados básicos de higiene que são fundamentais neste período. E, claro, há o contágio, o que para o povo português, que é tão caloroso, é complicado. Tenho à vontade para falar sobre a cólera, mas embora algumas pessoas me tenham perguntado coisas, não sou especialista sobre a covid-19”, frisa.

    João Aranha compara as situações e garante que lidar com estas situações no terreno em nada se compara ao momento atual, mesmo perante todos os impactos que o novo coronavírus possa ter. “Lá, todos os dias atestava o depósito dos carros, que estavam estacionados sempre virados para a rua, porque a qualquer momento poderíamos precisar de sair dali a correr. Com esta pandemia, o efeito económico vai ser brutal. É assustador o que pode acontecer. Obviamente que isto é horrível e, se calhar, o que vou dizer é incorreto. Esta epidemia, reforço, é horrível, vai morrer muita gente, mas, se olharmos para trás e para todas as que houve, na realidade até é mais leve que as outras - a gripe espanhola, a gripe das aves, a peste negra na Idade Média”, reforça.

    “Posso ter uma frieza pelo que já vivi, mas claro que isto me preocupa. Posso estar mais habituado a ler comunicados e perceber o que se está a passar, mas, de resto, isto preocupa-me brutalmente. Ao início, fiquei preocupado com a forma como as pessoas iriam reagir. E continua a preocupar-me como irão as pessoas reagir a seguir. Mas, comparando com os outros países, acho que o nosso exemplo está a ser brilhante. As pessoas fecharam-se em casa sem ninguém mandar, quando o governo mandou já lá estávamos. Acho que isso foi um fator muito positivo”, aponta João Aranha.

    No entanto, o presidente da FPS garante tem preocupações no que ao surf diz respeito. “O que me preocupa mais agora são coisas mais ligadas a nós, ao surf. Quando é que isto vai abrir? Como o vão fazer? Nós não queremos abrir as praias, nós queremos é as ondas. Obviamente que terá de haver disciplina e a Austrália é um ótimo exemplo, porque têm feito umas campanhas para sensibilizar as pessoas. O Estado deveria, pelo menos, estar a mostrar que existem coisas pensadas, ou a serem pensadas. Claro que ainda é cedo, mas como é que as escolas de surf vão voltar à praia? Vamos criar um grupo de trabalho para tentar "ajudar" o Governo para percebermos como se vai abrir as praias”, questiona.

    “As escolas de surf vão ter de se readaptar durante os primeiros tempos, porque o mercado desapareceu. Os estrangeiros não estão cá e ainda vão demorar a vir. Toda a parte do turismo vai ficar desativada durante um tempo. O número de alunos por aula vai ter que baixar e, se calhar, um instrutor só poderá dar uma aula a duas pessoas. O Estado tem que estar pronto para ajudar. O surf de lazer envolve dezenas de milhares de pessoas, que estão confinadas em casa e vão ter de sair. Não há nada a fazer. Contra mim falo, mas, na vertente desportiva, sim, acho que ainda vai demorar. Não posso deixar que haja campeonatos sem condições de segurança. Ninguém sabe como é que isto vai ser”, remata.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • João Aranha
  • Surf
  • FPS
  • Covid-19
  • Missão humanitária
  • Fotografia
    FPS
  • Fonte
    Redação
pub
similar News
similar
novembro 29
Sporting anuncia duas contratações para o team de surf
novembro 28
Algarve eleito o 'Melhor Destino de Praia do Mundo' pela primeira vez
novembro 27
Wavegarden dos Alpes vai abrir no início de 2021
novembro 28
Governo clarifica locais onde as autocaravanas podem aparcar e pernoitar
novembro 27
Homem reavê carteira que perdeu há 25 anos numa praia australiana
novembro 27
Forte de São Miguel Arcanjo vai estar encerrado nos próximos dias
novembro 27
Cordão dunar entre as praias de Quiaios e Murtinheira vai ser reforçado
pub