Homepage

  • Cientistas alertam para a necessidade de preservação da biodiversidade dos oceanos
    30 abril 2020
    arrow
    arrow
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Os peritos propõem a criação de áreas marinhas protegidas 'que abranjam 30% dos oceanos'.
  • Um grupo internacional de 150 investigadores alertou, na passada semana, para a necessidade de preservação do genoma dos recursos marinhos oceânicos que têm potencial para aplicações biotecnológicas de interesse comercial, mas actualmente ameaçados.

    “É importante, por um lado, preservar a biodiversidade que permite esta variedade genética, mas, ao mesmo tempo, olhar para o oceano como tendo valor económico”, disse à agência noticiosa Lusa Adelino Canário, investigador e director do Centro de Ciências do Mar (CCMAR) da Universidade do Algarve.

    O investigador é um dos autores do artigo “O genoma oceânico: conservação, uso justo, equitativo e sustentável dos recursos genéticos marinhos”, juntamente com outros especialistas internacionais e portugueses, como Narcisa Bandarra, do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

    Os especialistas apontam o excesso de exploração, a perda e degradação de habitats, a poluição e o impacto das alterações climáticas como algumas das ameaças ao genoma oceânico, que compreende os recursos genéticos presentes em toda a biodiversidade marinha e que os investigadores consideram ter um elevado potencial para aplicações biotecnológicas com interesse comercial.

    Criação de áreas marinhas protegidas

    Os peritos propõem a criação de áreas marinhas protegidas “que abranjam 30% dos oceanos” e um apoio para uma “maior equidade na investigação e transferência de conhecimento de genómica”.

    Paralelamente, defendem que é preciso garantir que as normas de propriedade intelectual “sustentem o equilíbrio e partilha de conhecimento” e assegurar uma “avaliação dos riscos e benefícios de novas tecnologias e práticas de biologia molecular aplicadas ao ambiente marinho”. Reivindicam, ainda, “um maior apoio financeiro e político para melhorar o conhecimento do genoma oceânico e a sua partilha”.

    Adelino Canário defendeu também que a conservação dos recursos é importante, mas “não pode ser encarada apenas como um impedimento”, porque as áreas protegidas “permitem que haja um refúgio da biodiversidade”. Para o investigador, é possível a coexistência de actividades económicas na periferia das áreas protegidas, muitas vezes com uma “produtividade maior” do que aconteceria “se não houvesse essa protecção

    Portugal tem bons exemplos de compromisso entre a conservação e a exploração quer na costa continental quer nos Açores, até com reconhecimento a nível internacional”, exemplificou. “Criar áreas protegidas não significa uma perda de dinheiro, mas antes um investimento.”

     

     

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Praia
  • Mar
  • Oceano
  • Biodiversidade marinha
  • Vida marinha
  • Ecossistema
  • Cientistas
  • Ciência
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
fevereiro 01
Surf nacional lamenta perda de Pedro Lacerda
fevereiro 01
Campeonato Nacional de Surf da Ucrânia vai ser realizado em Portugal
fevereiro 01
FUEL TV assegura transmissão do Winter Dew Tour 2023 à escala global
janeiro 31
Surf adaptado mantém bem vivo sonho da inclusão nos Jogos Paralímpicos de Los Angeles'2028
fevereiro 01
Índia vai estrear-se no Mundial ISA e já sonha com Paris’2024
janeiro 31
Comunicado da FPS sobre o projeto 'Gestão do Espaço Costeiro'
janeiro 31
Luke Shepardson, o vencedor improvável do Eddie Aikau que passou a ter um dia no Havai com o seu nome