Homepage

  • Investigadores testam formas de afastar golfinhos das redes de pesca no Algarve
    03 março 2020
    arrow
    arrow
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Uma das formas testadas é através de alarmes sonoros.
  • Recentemente foi revelado, através de um trabalho da Universidade de Aveiro, que pelo menos um golfinho morre acidentalmente por dia em Portugal nas redes de pesca. 

    Por forma a contornar este cenário trágico, um projeto da Universidade do Algarve (UAlg) está a testar formas de afastar os golfinhos de artes de pesca através de alarmes sonoros, diminuindo a sua mortalidade e os prejuízos para os pescadores, disse à agência noticiosa Lusa uma investigadora.

    “Os ensaios estão a decorrer e no caso das redes de emalhar são muito promissores, com 100% de sucesso na redução das capturas acidentais de cetáceos”, revelou à Lusa a investigadora Ana Marçalo, uma das coordenadoras do projeto iNOVPESCA.

    Desde junho passado que os alarmes acústicos estão a ser testados em redes de embarcações de Olhão, Quarteira (Loulé) e ilha da Culatra (Faro), fazendo a monitorização do sistema para perceber “os seus efeitos e eventual habituação dos animais”.

    A habituação dos cetáceos ao sistema pode vir a ser um problema, admitiu Ana Marçalo, já que se tratam de animais “bastante inteligentes”.

    Mostrando-se otimista face os resultados obtidos nos testes já realizados, Ana Marçalo alertou, no entanto, para o facto de o tamanho da frota tornar “impraticável a colocação dos alarmes em todos os barcos”, o que iria “aumentar o ruído” no ambiente marinho e “afastar os animais do seu habitat natural”.

    A investigadora destacou a importância da criação de um manual de boas práticas, juntamente com a comunidade piscatória, para “desenvolver ideias” para a utilização dos alarmes acústicos em artes adequadas, que estejam na água “apenas um determinado tempo e em certas estações do ano, estabelecendo certos limites”.

    A instalação dos alarmes fica a “custo zero para os profissionais da pesca”, mas cada um “tem um valor de 2500 euros” e precisam de ser colocados “a cada 400 metros”, em redes que podem chegar a vários quilómetros.

    Contudo, existem plataformas de financiamento inseridas no programa Mar 2020 às quais “as associações de pescadores deverão estar atentas”, para se poderem candidatar quando abrirem os concursos.

     

     

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Investigação
  • Portugal
  • Golfinhos
  • redes de pesca
  • Universidade do Algarve
  • Algarve
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
setembro 26
Foi 'muito criticado', mas Guilherme Fonseca reivindicou-se em Huntington Beach: 'Fui acreditando cada vez mais'
setembro 26
O Mundial ISA de Yolanda Hopkins: 'Acho que tive uma boa performance'
setembro 26
João Aranha: 'O quarto lugar no Mundial ISA 2022 soube-nos a pouco'
setembro 26
Circuito de Bodyboard 2022 - Restaurante O Sacas encerrou na Praia de Odeceixe
setembro 26
Quase 600 mergulhadores juntaram-se em Sesimbra e bateram recorde mundial do Guinness
setembro 26
Nova geração deu espetáculo na 2ª etapa do ASCC Super Groms 2022
setembro 26
Finalíssima do Nacional de Surf Esperanças Sub-12 2022 realiza-se no Norte