Homepage

  • FPS critica ISA por falta de apoio no Mundial de Surf Adaptado
    19 março 2020
    arrow
    arrow
  • Nuno Vitorino, um dos três representantes nacionais, também lamentou a forma de atuar da ISA, dizendo que esta "portou-se mal".
  • Foi com grande surpresa que a Seleção Nacional acabou por não competir no Mundial, que se disputou na semana passada na Califórnia. Horas antes dos atletas portugueses entrarem na água para a estreia, a Federação Portuguesa de Surf decidiu que, perante a escalada global do coronavírus, aliada ao anúncio de que Trump ia fechar as fronteiras norte-americanas, o melhor seria não colocar os atletas em risco, optando por uma retirada estratégica e um regresso imediato a Portugal. Já em Portugal, e de quarentena, FPS e atletas criticam a forma como a ISA não agiu perante este problema global.

    João Aranha, presidente da FPS, afirma que nada foi feito por parte da entidade organizadora do evento, acusando mesmo a ISA de “irresponsabilidade” ao ter continuado o campeonato, mesmo com mais seleções a se terem recusado a competir, como foi o caso da Itália – ainda assim, a prova seguiu e foi a Espanha a conquistar o título mundial. Já Nuno Vitorino, um dos atletas da Seleção Nacional, fala numa prova desvirtuada, corroborando as críticas à ISA.

    “Mais uma vez, a ISA demonstrou uma total incapacidade de ajudar as seleções nacionais”, começou por apontar João Aranha. “Nada fez. Não houve qualquer tipo de apoio, nem a nível de contactos com as autoridades nem sequer ao nível de contactos com companhias aéreas. Ainda por cima a prova decorria perto da sede da ISA, no país onde trabalham diariamente, não era num local remoto qualquer. A única resposta que recebi foi: ‘se abandonarem, compreendemos perfeitamente’. Não precisamos da compreensão para nada, precisávamos era de apoio e esse foi zero. Nem sequer consideraram devolver o valor das inscrições. Além disso, continuar a prova foi, na minha opinião, uma irresponsabilidade considerando o panorama mundial”, atirou o líder federativo.

    Após inteirar-se diariamente da evolução que o vírus estava a ter a nível mundial e de ter percebido que os Estados Unidos iam fechar as fronteiras, Aranha não quis arriscar em ficar no país. Uma decisão tomada em conjunto e que teve o apoio dos atletas. “O presidente dos EUA anunciou o fecho de fronteiras e no contacto com as companhias aéreas vi que não havia qualquer garantia e que seria arriscado. Reunimos com a equipa e dei-lhes a conhecer o cenário sendo que, pela minha experiência em cenários de emergência, a minha decisão seria de retirar sem arriscar. Toda a equipa foi solidária e da mesma opinião. As medalhas podiam esperar, as vidas não”, frisou.

    “Fui analisando a situação relativa ao Covid19 diariamente. Mantive o contacto com Portugal de forma a entender o que as nossas autoridades poderiam fazer para nos ajudar, caso o pior acontecesse e o regresso ficasse comprometido. Apesar de sempre disponíveis, tanto a Secretaria de Estado como o IPDJ, nos informaram que se houvesse problemas era impossível ir lá retirar a equipa e iríamos ficar por nossa conta. No terreno o Cônsul Honorário de Portugal em San Diego foi extremamente prestável. Já o consulado geral em São Francisco nem sequer respondeu aos contactos”, revelou o presidente da FPS.

    Nuno Vitorino, um dos três representantes nacionais, também lamentou a forma de atuar da ISA. “A ISA portou-se mal. Enquanto atleta, e já faço alta competição desde 1998, foi a primeira vez que me senti abandonado pela organização de um evento. É de lamentar porque Portugal faz um grande esforço para estar presente neste evento”, vincou Nuno Vitorino, que está em quarentena voluntária, tal como toda a comitiva, desde que chegou a Portugal, há cerca de uma semana.

    “Íamos com muitas expectativas para conseguir medalhas. Apesar de ter ficado triste com a situação, reconheço que a decisão do presidente João Aranha foi a mais acertada. As decisões são tomadas com os dados que temos na altura e não nos devemos arrepender do que foi feito. Em tempos de guerra temos de tomar as decisões necessárias. Por exemplo, Espanha só chegou a casa na quarta-feira e França demorou dois dias, com diversas ligações e custos que para nós seriam um pouco incomportáveis. O Mundo estava a mudar muito rápido e tínhamos menores na comitiva, por isso tomámos a melhor decisão”, sublinhou o surfista português.

    Um desfecho que, embora expectável, não era previsível que acontecesse de forma tão rápida à partida para a Califórnia. “Escalou bastante rápido e obrigou a reajustes ao plano”, sublinhou João Aranha, antes de garantir acreditar que o próximo Mundial ISA, que serviria de qualificação olímpica, não se vai realizar, embora a ISA mantenha esse desejo, para a prova que ainda está marcada para Maio deste ano, em El Salvador.

    “Nesta altura ainda a ISA considera que a prova de qualificação olímpica, os World Surfing Games, se poderão realizar. Acho que estão a delirar e não se vai conseguir. A prova seria de 9 a 17 de Maio em El Salvador. Além da pandemia, El Salvador já tinha proibido a entrada a vários países, o que iria desvirtuar a possível qualificação, além de ser de uma total injustiça para os países impedidos de competir. A participação estará dependente da evolução da pandemia mas parece muito difícil nesta altura”, rematou.

    Por sua vez, Nuno Vitorino deixou a garantia de que no próximo ano a Seleção Nacional de Surf Adaptado vai voltar ainda mais forte ao Mundial. “Vamos concentrar-nos no futuro. Quando tiver passado esta epidemia e houver outro Mundial vamos lá com tudo. Embora desta vez o jogo tinha sido um pouco viciado, quero dar os parabéns e um forte abraço a todos os vencedores. Voltaremos em breve com mais força e energia para mostrar o nosso valor”, prometeu.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Mundial ISA Surf Adaptado
  • Surf Adaptado
  • Portugal
  • ISA
  • Estados Unidos América
  • Federação Portuguesa de Surf
  • Nuno Vitorino
  • João Aranha
  • La Jolla
  • Califórnia
  • Fotografia
    ISA
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
fevereiro 24
Duas derrocadas registadas no porto da Assenta, em Torres Vedras
fevereiro 24
Deslizamento dos glaciares da Antártida Ocidental está a acelerar
fevereiro 23
“Billy”, o documentário sobre Billy Kemper já está online na WSL
fevereiro 23
Praia algarvia considerada uma das três melhores da Europa
fevereiro 23
Espanha leva equipa muito experiente ao Mundial ISA
fevereiro 23
Polícia Marítima recolhe mais de 200kg de lixo na Costa Vicentina
fevereiro 23
Trio português avança para os quartos-de-final do E-Pro Europe