Homepage

  • Miguel Blanco: “Vou apanhar boas ondas até final de Março” (Entrevista)
    15 fevereiro 2020
    arrow
    arrow
  • Fotografia
    DR/Miguel Blanco
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • O jovem surfista do Estoril falou com o MEO Beachcam sobre os seus planos presentes e futuros e sobre o que está a caminho na sua carreira.
  • Bicampeão nacional em título e um dos surfistas do momento no surf nacional e europeu, Miguel Blanco divide a sua paixão entre sessões perfeitas de freesurf e a competição. No entanto, no início de 2020 tem estado pouco ativo no que a provas diz respeito, embora garanta que daqui para a frente irá fazer provas do WQS.

    A entrar numa fase de maturidade surfista, Blanco tem, para já, uma meta bem definida em mente: brilhar nos tubos de Carcavelos, já esta segunda-feira, durante o Capítulo Perfeito. Depois, deixará a paixão guiar o seu caminho. O jovem surfista do Estoril falou com o MEO Beachcam sobre os seus planos presentes e futuros e sobre o que está a caminho na sua carreira.

    Beachcam - Durante a apresentação do Capítulo Perfeito, em novembro último, disseste que ias apontar baterias para os eventos especiais de tubos e que só lá para março ou abril irias começar a apostar forte no circuito QS. Esses planos continuam de pé?

    Miguel Blanco - Isso é algo que já está a acontecer. Estou a tentar apostar um pouco mais nas minhas aventuras, viagens, eventos especiais e em paralelo fazer algumas provas do circuito QS. Porém apenas vou entrar nos campeonatos que considero que fazem mais sentido e têm um maior significado para mim.

    B - Cancelaste a presença no QS5000 de Fernando de Noronha e falhaste à última hora a participação no QS de Tenerife. A que se deveu tal situação?

    MB - Estive ausente do QS de Tenerife porque magoei-me num pé. No entanto, estou recuperado e já regressei aos treinos. Quanto ao QS de Fernando de Noronha a minha ausência deve-se ao facto de, neste momento, ter outras prioridades. No futuro próximo vou fazer o Capítulo Perfeito e tenho programadas as minhas viagens pela Europa, pelo que o tempo não dá para tudo.

    B - E em termos competitivos, quais são os planos para o futuro próximo?

    MB - Vou estar a fazer as minhas surf trips e a apanhar boas ondas até ao final de março. Depois vou entrar na primeira etapa da Liga MEO Surf bem como nos dois QS de Santa Cruz e Caparica. Talvez vá ainda a Krui, na Indonésia.

    B - No último ano sagras-te bicampeão nacional de surf. Em 2020 vais defender esse estatuto e fazer o campeonato na totalidade?

    MB - Estou a tentar organizar-me para, pelo menos, fazer quatro das cinco etapas do calendário. Vou tentar defender os títulos com sucesso e com isso conquistar pelo terceiro ano consecutivo a Liga MEO Surf.

    B - Conquistaste o segundo título de campeão nacional após uma jornada de surf épica em Carcavelos, onde não tinhas margem de erro. Aquele foi o teu melhor dia da carreira?

    MB - Não foi o melhor, mas foi sem dúvida um dos melhores dias que tive em cima de uma prancha. Foi incrível ter sido campeão em Carcavelos com todas aquelas pessoas na praia e num dia bem comprido e preenchido. No entanto, para mim o que tem significado é as sessões de surf em si, as surf trips e a partilha de experiências. Isso acaba por ter um maior significado para mim do que um dia em que estavam boas ondas e surfei melhor do que os outros. A parte do free surf preenche-me um pouco mais do que a competição em si.

    B - Tocas na paixão que tens pelo free surf. Sentes que em Portugal é possível ter uma carreira de free surfer bem sucedida, apesar de todas as dificuldades que existem?

    MB - Com certeza. Temos o exemplo do Nic von Rupp, que de alguma forma sempre fez a sua carreira mais pela parte do free surf. No entanto, acho que não deve ser feita essa distinção entre aqueles que são competidores e free surfers. Dá para fazer um pouco de tudo. Na verdade é isso que tenho feito nos últimos anos e tem corrido bem.

    B - Ficaste sem patrocínio num momento tão delicado como é a transição de júnior para sénior. Achas que essa situação afetou um pouco a tua carreira?

    MB - De certa forma, acho que sim. Tinha 18 anos e vinha com tudo. O facto de ter ficado sem patrocínios, durante dois anos, foi algo que me limitou um pouco em termos de viagens, entre outros aspectos. No entanto, a seguir chegou em boa hora o patrocínio da Rip Curl. Este patrocínio permite-me ter este estilo de vida e as opções que tomo ao nível do free surf e da competição. É verdade que estive dois anos sem patrocínio, mas a marca que veio foi a melhor que podia surgir.

    B - Em determinada altura da tua carreira sentiu-se que fizeste um esforço enorme para progredir e chegar ao top 100 mundial. E conseguiste. Sentes que todo esse grande esforço te levou a algum lugar?

    MB - Acho que tudo faz parte de um processo de aprendizagem. Na minha opinião os QS fazem elevar o nível de surf de qualquer atleta. Se extrairmos o aspecto da qualificação para o CT, penso que um surfista ao estar só naquele ambiente competitivo está já em evolução do próprio surf. Também aprendemos ao ver outros surfistas muito bons em ação. Dentro das minhas capacidades tento ser o melhor surfista possível e dar sempre o melhor. Os QS acabam por contribuir muito para isso.

    B - Falaste que tens viagens programadas para o futuro. Podes nos dizer por onde vais andar ou é segredo?

    MB - É meio segredo. Estejam atentos, pois lá para o final do inverno vão começar a sair novos conteúdos das minhas viagens por várias ondas. Tenho andado a treinar pela Europa. Fui ao País Basco, entre outros destinos. Simultaneamente irá também sair o projeto de uma surf trip que fiz.

    B - Onde é que poderemos ver esses vídeos sobre as tuas aventuras?

    MB - Podem ver através do meu canal de Youtube. Neste espaço irei publicar vídeos das minhas últimas surf trips, entre outras coisas. Vou também publicar vídeos de arquivo, que fiz upload. Tenho material desde 2015, ano em que não tinha patrocínio.

    B - Vais agora entrar no Capítulo Perfeito, que vai decorrer na Praia de Carcavelos que conheces tão bem. Quais as expectativas?

    MB - O Capítulo Perfeito é para encarar no modo competitivo. Seria incrível obter uma vitória. O nível de surf é muito alto, pois vão estar presentes os melhores tube riders do mundo. É verdade que conheço muito bem a Praia de Carcavelos e lá estarei para dar o máximo.

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, e encontra tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Miguel Blanco
  • Entrevista
  • WQS
  • liga meo surf
  • freesurf
  • Fotografia
    DR/Miguel Blanco
  • Fonte
    Redação
pub
similar News
similar
março 31
Campeão mundial espanhol de surf adaptado está infetado com coronavírus
março 31
Kelly Slater mostra dotes musicais em composição própria (Vídeo)
março 31
Em quarentena, campeã olímpica treina em piscina insuflável (Vídeo)
março 31
Escola de Surf da Figueira contorna quarentena com aulas online
março 30
Erupção do vulcão Merapi lança cinzas a 5 mil metros de altura
março 31
ISA World Surfing Games adiados por tempo indeterminado
março 31
Multas para surfistas chegaram a J-Bay