Homepage

  • Tomás Lacerda: 'Quero ser um dos melhores atletas de SUP do mundo'
    28 janeiro 2020
    arrow
    arrow
  • Fotografia
    Facebook Tomás Lacerda
  • Fonte
    Alexandre Melo
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • É apaixonado pelo surf e o stand up paddle, mas é nesta última disciplina que pretende deixar legado. Para já, Tomás fez história para Portugal e aponta a voos ainda mais altos.
  • O ano de 2020 não poderia ter começado da melhor forma para Tomás Lacerda e o stand up paddle (SUP) português.

    Na 'GlaGla Race' de 2020, conhecida prova internacional de SUP, o atleta do Clube Naval do Funchal brilhou ao mais alto nível e cumpriu um sonho.

    Tornou-se no primeiro atleta luso a vencer uma prova neste evento ao mesmo tempo que foi o primeiro português ao subir ao pódio da competição disputada nos Alpes franceses, mais concretamente nas águas do Lago de Annecy.

    Tudo aconteceu na disciplina de Race Técnico, onde o atleta madeirense foi o mais forte entre os atletas da categoria Júnior, sétimo da classificação geral, numa corrida que contou com mais de 600 atletas. Já na prova de Maratona, Tomás Lacerda acariciou novamente a vitória ao ser segundo classificado entre os juniores. 

    Depois de tal demonstração de força, o MEO Beachcam esteve à conversa com este jovem de 17 anos para ficar a conhecer um pouco melhor alguém que tem pela frente um futuro muito promissor.

    No seu currículo já leva seis títulos nacionais e regionais bem como um título de campeão ibérico. 

    TL - Obtiveste um triunfo histórico, na categoria Júnior, na prova de Race Técnico da 'GlaGla Race 2020'. Este foi um resultado que superou as tuas melhores expectativas?

    B - Apesar de ter trabalhado muito, estar calmo e confiante, este foi um resultado que superou as minhas expectativas. Foi uma surpresa. Nunca pensei na especialidade Race Técnico vencer a prova na categoria Júnior e ficar apenas a 30 segundos do vencedor, que é igualmente o melhor do mundo. Esta foi, sem dúvida, a realização de um sonho.

    TL - Estás habituado a treinar na Madeira, que tem um clima muito próprio, e de repente passaste para o frio e temperaturas abaixo de 0ºC. Como geriste toda essa situação?

    B - Foi estranho e confesso que foi um pouco difícil. Na Madeira, nesta altura do ano, estão 25ºC e andamos de calções. No local da prova enfrentámos temperaturas negativas. Apesar desta situação, tinha junto de mim o material certo para ser competitivo.

    TL - Tiveste a possibilidade de competir com o teu ídolo, Ty Judson. Como foi estar ali lado a lado com tal figura?

    B - Não há muitas palavras para descrever a sensação que é estar ao lado de alguém que idolatramos. No arranque da prova de Race Técnico fiquei à frente do Ty e isso foi algo que mexeu um pouco comigo. É uma sensação incrível partilhar uma linha de partida e discutir as primeiras posições com alguém que admiramos. É mesmo um sonho e espero que assim continue daqui em diante.

    TL - Na sequência do resultado obtido, disseste que estás mais à vontade na prova de Race Técnico em detrimento da prova de longa distância. Existe algum motivo em especial?

    B - A prova de longa distância é diferente. O Race Técnico, como o próprio nome indica, é mais técnico, intenso e a velocidade é sempre superior à longa distância. Acho que se calhar é por isso que tenho preferência por essa especialidade. 

    TL - Começaste da melhor forma a temporada, quais são os teus principais objetivos para 2020?

    B - O meu objetivo passa por fazer o maior número de provas de stand up paddle e com isso evoluir. Este é o meu último ano como atleta júnior, pelo que espero vir a conquistar algum título europeu. Sei que tenho muito trabalho pela frente, mas também sei que com trabalho tudo é possível.

    TL - Para além do stand up paddle, também fazes surf. Como consegues conciliar a prática das duas disciplinas?

    B - Desde os oito anos que faço surf. Costumo dizer que tenho duas grandes paixões: o surf e o stand up paddle. O stand up surgiu na minha vida através de um convite do meu treinador, Ricardo Rodrigues. Comecei a fazer algumas provas e adorei. No entanto, entre os treinos de stand up, continuo a tentar surfar o máximo possível. Nunca deixo o surf à parte, mas o meu objetivo no futuro é ser um dos melhores atletas de stand up paddle.

    TL - Como consegues alterar o chip entre duas disciplinas que são diferentes?

    B - São adrenalinas completamente diferentes. A adrenalina do surf passa por fazer uma manobra melhor ou apanhar uma onda maior. No stand up é diferente. A adrenalina está em conseguirmos transpor as nossas barreiras físicas e mentais. Em cada treino levamos o nosso corpo e a mente ao limite. Acho que é isso que faz o stand up paddle uma modalidade tão incrível.

    TL - Sentes o que o facto de seres da Madeira, uma região delimitada, pode ser um factor que limite a tua evolução?

    B - Sentia mais isso em termos de surf. Na minha opinião a região da Madeira é a mais forte do país em termos de stand up paddle. Temos inúmeros atletas. Mesmo para os principais atletas mundiais de SUP, como é o caso do dinamarquês Casper Steinfath, é na Madeira que fazem os seus estágios de pré-temporada.

    Acho que é um sítio perfeito, pois permite treinar as diferentes especialidades do stand up paddle. Para além disso temos a facilidade de em apenas cinco minutos, via transporte automóvel, estar a mais de 1000 metros de altitude. Por tudo isto a Madeira é o sítio ideal para ser um atleta de alta competição no SUP.

    TL - Como vês o estado do stand up paddle em Portugal? Entendes que este teu desempenho é um caso isolado ou podem surgir, no futuro, mais resultados destes por parte de outros atletas?

    B - Penso que nos escalões mais jovens podem vir a surgir mais atletas. Acho que o SUP tem futuro em Portugal. Agora é preciso existir aposta por parte das federações. A meu ver o stand up paddle é um pouco desprezado. Acho que quanto mais tarde for o investimento no SUP, mais tarde iremos conseguir estar ao nível das principais potências da modalidade. Apesar de tudo, tenho a certeza de que num futuro próximo Portugal será uma das grandes nações de stand up paddle no mundo.

    TL - Quando falas em desprezo é em comparação com o surf?

    B - Acho que existe um grande investimento no surf. Por vezes os resultados nessa disciplina não condizem com o investimento que é feito. Não desprezando o surf, que é uma modalidade que adoro, mas era bom canalizarem menos dinheiro para o surf e mais para o stand up, pois nós também temos capacidade.

     

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Mar
  • Portugal
  • Madeira
  • Tomás Lacerda
  • stand up paddle
  • SUP Race Técnico
  • Clube Naval do Funchal
  • Competição
  • GlaGla Race 2020
  • Surf
  • Fotografia
    Facebook Tomás Lacerda
  • Fonte
    Alexandre Melo
pub
similar News
similar
fevereiro 21
Nazaré Winter Sessions powered by Mercedes-Benz - 8º Episódio
fevereiro 21
Tomás Fernandes aposta novamente na Liga MEO Surf em detrimento do QS
fevereiro 21
MEO Beachcam lança nova Live Cam na Praia da Comporta
fevereiro 21
Águas do Algarve abre as portas e mostra o que faz
fevereiro 21
Slater, Kikas e mais 10 do CT na Nova Zelândia
fevereiro 21
Fim de semana primaveril à vista! A temperatura vai chegar aos 25 graus!
fevereiro 21
Billy Kemper sofre grave lesão numa sessão por África