Homepage

  • Paris’2024 escolhe Taiti como palco da prova de surf
    12 dezembro 2019
    arrow
    arrow
  • Fotografia
    WSL
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Teahupoo será igualmente palco da competição feminina, o que poderá trazer riscos, face à magnitude das ondas.
  • Após os vários rumores, eis a confirmação. O Comité Organizador dos Jogos Olímpicos de Paris’2024 apontou mesmo o Taiti como o palco da prova de surf para as olimpíadas francesas. Mesmo depois da relutância mostrada pelo Comité Olímpica Internacional (COI), os organizadores gauleses optaram por escolher as ondas de um dos seus territórios ultramarinos, em detrimento de quatro outras propostas situadas na costa francesa.

    A decisão saiu de uma reunião marcada para esta quinta-feira e já foi anunciada oficialmente pela comissão organizadora dos Jogos de Paris’2024. O Taiti levou a melhor sobre as hipóteses Lacanau, Hossegor, Biarritz e La Torche. No entanto, esta escolha só será final quando o COI der o “sim” definitivo, o que deverá acontecer no início do próximo ano, a 8 de janeiro.

    Tomas Bach, presidente do organismo máximo olímpico, já havia dito que preferia uma opção em França, que ficasse mais perto de Paris e que pudesse oferecer a todos a possibilidade de viver a atmosfera olímpica. Resta perceber se esta opção francesa não irá criar atrito no seio do COI e se irá mesmo avante como palco para a edição de 2024 dos Jogos Olímpicos.

    Caso Taiti vá mesmo receber a prova de surf dos Jogos de 2024, o palco da prova será Teahupoo, a famosa e temida onda tubular que recebe há vários anos uma etapa do circuito mundial de surf. Ainda assim, há outros pontos menos mediáticos mas também com muita qualidade de surf, como Papara, por exemplo.

    Entretanto, já várias personalidades reagiram a esta escolha, entre elas Michel Bourez, atual top do WCT que é natural do Taiti. Bourez apadrinhou a candidatura do Taiti a par da jovem Vahine Fierro, que foi campeã mundial júnior em 2017. Desta forma, será a cerca de 15 mi quilómetros de distância de Paris e no Oceano Pacífico que vai decorrer a disputa pelo ouro olímpico no surf.

    “É uma surpresa muito agradável e o reconhecimento da nossa história, de devolver alguma nobreza à Polinésia, onde o surf começou”, considerou o presidente da Federação de surf do Taiti, Lionel Teihotu. De acordo com o Comité Organizador, os critérios em relação ao custo e ao impacto ambiental não diferiam muito entre as candidaturas, mas "o critério desportivo" marcou a diferença, com Teahupoo a oferecer ótimas ondas no período dos Jogos – 26 de julho a 11 de agosto.

    Teahupoo será igualmente palco da competição feminina, o que poderá trazer riscos, face à magnitude das ondas, mas Lionel Teihotu assinalou que em algum momento, e por ser possível prever ondas menores, entrarão as mulheres. “Em algum momento as vagas são menos possantes, existem meios de prever e permitir que as mulheres também surfem em Teahupoo”, disse.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Jogos Olímpicos
  • Paris'2024
  • Teahupoo
  • Surf
  • França
  • Taiti
  • Fotografia
    WSL
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
maio 14
Joana Schenker termina no 5º posto em Iquique
maio 13
Joel Rodrigues alcança o 5º lugar no Iquique Bodyboard Pro
maio 13
Entrevista a Pedro Perestrelo Pinto, Cônsul-Geral em São Francisco (Parte 2): da visita às catedrais do surf havaiano ao antepassado português de Kai Lenny
maio 12
Entrevista a Pedro Perestrelo Pinto, Cônsul-Geral em São Francisco (Parte 1): 'O legado português no Havai é notório nas quatro principais ilhas'
maio 12
Calor vai continuar até sábado em Portugal continental
maio 12
Depois do recital em Arica, Amaury Lavernhe é ausência em Iquique: 'Não tenho vida para estar focado a 100% no Mundial'
maio 13
Joel Rodrigues e Joana Schenker já estão nos quartos-de-final em Iquique