Homepage

  • Europa arrisca falhar metas climáticas até 2030
    05 dezembro 2019
    arrow
    arrow
  • Objetivos só serão alcançados se existir um maior esforço por parte dos Estados-membros da União Europeia.
  • A União Europeia (UE) declarou que não conseguirá cumprir até 2030 as metas de redução dos gases com efeito estufa, salvo se os Estados membros fizerem um maior esforço em relação ao que tem sido feito até agora.

    Esta é a conclusão de um relatório produzido pela Agência Europeia do Meio Ambiente e que foi agora divulgado. O documento afirma que as medidas existentes colocam a UE no caminho de reduzir as suas emissões em 30% na próxima década, em comparação com os níveis de 1990.

    Atualmente, o bloco de 28 países tem uma meta de 40% até 2030, sendo que alguns até pediram que essa meta fosse aumentada para 55%.

    Este relatório foi divulgado numa altura quando quase 200 países estão reunidos em Madrid para discutir as alterações climáticas. A Cimeira sobre as Alterações Climáticas, conhecida como COP25, irá decorrer até ao próximo dia 13 de dezembro na capital espanhola.

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Europa
  • Alterações climáticas
  • União Europeia
  • Efeito de estufa
  • Cimeira do Clima
  • Sustentabilidade
  • Natureza
  • Ecossistema
  • Ambiente
  • Metas climáticas
  • Fonte
    Redação
pub
similar News
similar
janeiro 23
Surf to Win apresenta equipa oficial para 2020
janeiro 24
Lewis Pugh é o primeiro humano a nadar sob camada de gelo na Antártida
janeiro 24
Gondomar retira das serras 3 toneladas de lixo por semana
janeiro 22
Tempestade Glória provoca ondulação inédita no Mediterrâneo
janeiro 23
Vem aí o Pacto Português para os Plásticos
janeiro 23
O ornitorrinco pode desaparecer devido à ocupação humana
janeiro 24
Austrália enfrenta praga de aranhas mortíferas