Homepage

  • Paris’2024: Taiti na “pole position” para receber prova de surf
    12 novembro 2019
    arrow
    arrow
  • Fotografia
    WSL
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • A decisão final sobre o palco da prova de surf deverá ser anunciada até o início de 2021 e nunca antes do final de 2020.
  • Inicialmente poderia parecer uma proposta auspiciosa e impossível, mas a verdade é que o Taiti pode estar muito perto de vir a ser o palco das provas de surf dos Jogos Olímpicos de 2024, que terão Paris, capital francesa, como sede. Segundo, avançou por estes dias o prestigiado jornal desportivo francês “L’Èquipe”, a ilha que pertence à Polinésia Francesa e que é território francês, está mesmo na linha da frente para acolher o surf.

    Apesar de o presidente do Comité Olímpico Internacional preferir um local mais perto da sede dos Jogos, ou seja, na França Continental, a verdade é que, de acordo com o jornal gaulês, isso não irá impedir a escolha do Taiti para receber a prova de surf, naquela que seria uma decisão pouco habitual. A preferência do Comité Organizador de Paris’2024 parece mesmo recair sobre as famosas ondas taitianas.

    Recorde-se que é no Taiti que fica a onda tubular de Teahupoo, uma das paragens mais regulares e históricas do WCT. Mas a ilha possui outras ondas que, embora menos famosas, também têm muita qualidade para receber eventos, como é o caso de Papara, por exemplo.

    O Taiti concorre com mais quatro locais para receber a segunda participação olímpica da história do surf, isto depois de o Comité Organizador do evento francês já ter garantido que quer que a competição se desenrole no mar, rejeitando qualquer intenção de fazê-lo em piscinas de ondas.

    Hossegor-Seignosse-Capbreton (Landes), que recebe há vários anos uma etapa do WCT, Biarritz (Pyrénées-Atlantiques), Lacanau (Gironde) e La Torche (Finistère), todos eles com paragens no calendário da WSL, são os locais que rivalizam com o Taiti. Muitos deles têm grande experiência de provas internacionais, mas nem por isso parecem estar a conseguir levar a melhor frente à hipótese de levar a prova de surf para o Oceano Pacífico.

    A dar a cara pela campanha taitiana estão dois dos maiores talentos locais. Michel Bourez, que é um dos surfistas mais experientes do WCT e que passou a representar a bandeira francesa para efeito olímpico, e Vahine Fierro, campeã mundial júnior da WSL em 2017, foram esta semana nomeados embaixadores da candidatura.

    A decisão final sobre o palco da prova de surf deverá ser anunciada até o início de 2021 e nunca antes do final de 2020. Durante o último verão todos os locais candidatos foram visitados pelo Comité Organizador, que tem clara preferência sobre o Taitit, de forma a proporcionar um Jogos “diferentes”.

    Resta saber se os organizadores gauleses terão força suficiente para contrariar a vontade de Thomas Bach. O presidente do COI veio mesmo a público defender a escolha de uma solução mais próxima de Paris, para que atletas e público possam desfrutar da atmosfera olímpica. No entanto, deixou a decisão nas mãos do Comité de Organização.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Paris'2024
  • Jogos Olímpicos
  • michel bourez
  • Taiti
  • Teahupoo
  • França
  • COI
  • Vahine Fierro
  • Fotografia
    WSL
  • Fonte
    Redação
pub
similar News
similar
fevereiro 25
Surfistas querem levar jovem vítima de bullying a Snapper Rocks
fevereiro 24
A havaiana com nome português que está a varrer o WQS aos… 15 anos
fevereiro 24
A 10 anos de haver mais plástico que peixe no mar!?
fevereiro 23
Alex Botelho agradece apoio de todos após acidente na Nazaré
fevereiro 21
Fim de semana primaveril à vista! A temperatura vai chegar aos 25 graus!
fevereiro 21
Slater, Kikas e mais 10 do CT na Nova Zelândia
fevereiro 23
Mafalda Lopes ambiciona título nacional em ano de transição