Homepage

  • A partir de hoje os sacos de plástico são pagos em Macau
    18 novembro 2019
    arrow
    arrow
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Porém a ativista Annie Lao considera que tal medida não resolve o problema.
  • Em Macau o dia 5 de novembro de 2019 marca o momento em que os sacos de plástico passam a custar uma pataca, 10 cêntimos. 

    Apesar da medida tomada, há quem considere o valor em causa irrisório e que isso prejudica o objetivo da ação.

    "Não é nada em Macau e não vai resolver o problema. A maioria das pessoas não se importa de pagar esse valor. As pessoas vão acostumar-se a pagar uma pataca por saco de plástico cada vez que forem a lojas e supermercados no território", considerou a ativista Annie Lao, que promoveu em 2018 uma petição para a proibição dos sacos plásticos.

    “A principal razão para a taxa é que o público entenda o impacto ambiental negativo nos nossos oceanos e no meio ambiente em Macau e no mundo, que está a colocar um enorme custo para nós e para a geração futura, o que é simplesmente insustentável”, referiu.

    A primeira lei das restrições ao fornecimento de sacos de plástico apresenta duas exceções para esta taxa: os “produtos alimentares ou medicamentos não previamente embalados” e “produtos que estejam sujeitos a restrições relativas à segurança no transporte de bagagem de mão”.

    De acordo com o último relatório do estado do ambiente, Macau descartou 522.548 toneladas em resíduos sólidos urbanos no ano passado.

    Deste valor, 22,5% são plástico, tendo, no entanto, o Governo registado, em 2018, “uma diminuição na quantidade de plástico recolhido”. O mesmo relatório indicou que a quantidade de plástico recolhido, no ano passado, em 2018 foi de 250.194 quilogramas, menos 10,3% que o recolhido em 2017.

    “Nos últimos 10 anos, houve uma tendência global de subida na quantidade de resíduos sólidos urbanos descartados de Macau e na quantidade de resíduos sólidos urbanos descartados per capita, mas observou-se um abrandamento no aumento entre 2015 e 2018”, reconheceram as autoridades.

    Para o Governo, este aumento deveu-se sobretudo à “melhoria estável da economia de Macau, do aumento da capacidade de consumo dos residentes e do crescimento acelerado da quantidade de turistas”.

    No ano passado, Macau produziu 2,7 toneladas de lixo ‘per capita’, mais 0,5% que em 2017 e mais do que em locais como Singapura, Hong Kong e Pequim.

    “Se continuarmos assim, estamos apenas a criar um ambiente doente e insalubre em Macau para as pessoas que aqui moram. Portanto, as pessoas precisam de entender isto, com urgência, e precisam de começar a levar sacos reutilizáveis para carregarem as compras”, frisou a ativista.

    O ideal “seria proibir os sacos de plástico e adotar leis rígidas para que empresas e pessoas passem a usar materiais biodegradáveis naturais e que usem sacos reutilizáveis próprios”, disse Annie Lao.

    Em agosto, aquando da aprovação do diploma, o secretário para os Transportes e Obras Públicas reconheceu que a taxa sobre os sacos de plástico vem tarde. “É um passo de iniciação. Tarde, mas é um primeiro passo”, afirmou Raimundo do Rosário.

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Mundo
  • Meio Ambiente
  • Natureza
  • Macau
  • Sacos de Plástico
  • Plástico
  • Sustentabilidade
  • Ásia
  • Fonte
    Redação
pub
similar News
similar
julho 12
Jovem surfista australiano perde a vida após ataque de tubarão
julho 10
Novo fim de semana com muito calor a caminho
julho 12
Já se pode ir a banhos na Praia da Parede. Situação em Carcavelos também normalizada
julho 10
Praia da Parede continua interdita a banhos
julho 10
Fluxo anormal de água atinge acesso da Praia de Carcavelos
julho 10
Projeto TransforMAR está de regresso às praias nacionais e vai ajudar 15 IPSS
julho 10
Okahina, a quarta tecnologia de ondas que promete três piscinas em França
pub