Homepage

  • Portugal subscreve compromisso para o oceano
    24 setembro 2019
    arrow
    arrow
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Compromisso assinado por 14 países à margem da Cimeira do Clima que tem vindo a decorrer nas Nações Unidas.
  • O compromisso foi ontem assinado pela ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, à margem da cimeira para a Ação Climática que está a decorrer nas Nações Unidas (Nova Iorque).

    No âmbito do documento assinado Portugal compromete-se, nomeadamente, em investir no sequestro de carbono através de organismos marinhos, como as algas, e em classificar 30% do espaço marinho nacional como área protegida até 2030. Atualmente é 0,7%.

    Portugal compromete-se também em produzir 10% da eletricidade consumida no país com base na energia eólica (produzida no mar) e nas ondas do mar até 2030. E vai assegurar ainda um sistema de infraestruturas nos portos para o fornecimento de combustíveis alternativos e de baixo carbono.

    O país prometeu também que apresentará uma estratégia de sustentabilidade para o sistema portuário até 2020.

    O compromisso, diz-se no comunicado, reforça o empenho do país "relativamente a metas ambiciosas de sustentabilidade e descarbonização como o Acordo de Paris ou os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável".

    A assinatura foi feita na manhã de ontem no âmbito de um Painel de Alto Nível para uma Economia do Oceano Sustentável.

    O painel junta para o propósito comum de combate às alterações climáticas com um enfoque em ações no oceano, um total de 14 países. Além de Portugal fazem parte os seguintes países: Noruega, Austrália, Japão, Quénia, México, Namíbia, Chile, Indonésia, Palau, Fiji, Gana, Canadá e Jamaica.

    "O oceano tem um grande impacto nas alterações climáticas, constituindo-se como uma grande fonte de absorção de CO2, retendo 50 vezes mais dióxido de carbono do que a atmosfera. É por isso que o oceano tem de ser central naquele que é o grande objetivo global da descarbonização e do combate às alterações climáticas", defendeu Ana Paula Vitorino, citada no comunicado.

    O compromisso de ação climática "azul" tem seis grandes áreas de ação: Investimento em Soluções Climáticas de Base Natural; Reforço da Aposta nas Energias Renováveis Oceânicas; Descarbonização das Indústrias Oceânicas; Garantia de Alimento Sustentável para o Futuro; Avanço no Desenvolvimento de Soluções para a Captura e Armazenamento de CO2 (dióxido de carbono); e Expansão da Observação e Investigação Científica.

    Os países envolvidos representam cerca de 30% da linha costeira mundial, 30% das Zonas Económicas Exclusivas globais e 20% da frota de navios em todo o mundo.

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, e encontra tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Portugal
  • Mundo
  • Ecossistema
  • ONU
  • Alterações climáticas
  • Mar
  • Natureza
  • Meio Ambiente
  • Oceano
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
outubro 20
Sete raias mantidas em cativeiro foram devolvidas ao mar das Berlengas
outubro 18
Praia da Arriba coroou os campeões nacionais de skimboard de 2021
outubro 20
Joel Rodrigues apurado diretamente para a ronda 3 do Frontón King no Open
outubro 19
Joel Rodrigues, o bodyboarder português que enfrenta o Frontón em busca do título mundial júnior
outubro 20
Tomás Lacerda é o primeiro campeão nacional de SUP Downwind
outubro 19
A Vaga Gigante está de regresso e o período de espera já começou!
outubro 18
Bodyboarders profissionais homenagearam o malogrado Tom Morey