Homepage

  • Portugal subscreve compromisso para o oceano
    24 setembro 2019
    arrow
    arrow
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Compromisso assinado por 14 países à margem da Cimeira do Clima que tem vindo a decorrer nas Nações Unidas.
  • O compromisso foi ontem assinado pela ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, à margem da cimeira para a Ação Climática que está a decorrer nas Nações Unidas (Nova Iorque).

    No âmbito do documento assinado Portugal compromete-se, nomeadamente, em investir no sequestro de carbono através de organismos marinhos, como as algas, e em classificar 30% do espaço marinho nacional como área protegida até 2030. Atualmente é 0,7%.

    Portugal compromete-se também em produzir 10% da eletricidade consumida no país com base na energia eólica (produzida no mar) e nas ondas do mar até 2030. E vai assegurar ainda um sistema de infraestruturas nos portos para o fornecimento de combustíveis alternativos e de baixo carbono.

    O país prometeu também que apresentará uma estratégia de sustentabilidade para o sistema portuário até 2020.

    O compromisso, diz-se no comunicado, reforça o empenho do país "relativamente a metas ambiciosas de sustentabilidade e descarbonização como o Acordo de Paris ou os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável".

    A assinatura foi feita na manhã de ontem no âmbito de um Painel de Alto Nível para uma Economia do Oceano Sustentável.

    O painel junta para o propósito comum de combate às alterações climáticas com um enfoque em ações no oceano, um total de 14 países. Além de Portugal fazem parte os seguintes países: Noruega, Austrália, Japão, Quénia, México, Namíbia, Chile, Indonésia, Palau, Fiji, Gana, Canadá e Jamaica.

    "O oceano tem um grande impacto nas alterações climáticas, constituindo-se como uma grande fonte de absorção de CO2, retendo 50 vezes mais dióxido de carbono do que a atmosfera. É por isso que o oceano tem de ser central naquele que é o grande objetivo global da descarbonização e do combate às alterações climáticas", defendeu Ana Paula Vitorino, citada no comunicado.

    O compromisso de ação climática "azul" tem seis grandes áreas de ação: Investimento em Soluções Climáticas de Base Natural; Reforço da Aposta nas Energias Renováveis Oceânicas; Descarbonização das Indústrias Oceânicas; Garantia de Alimento Sustentável para o Futuro; Avanço no Desenvolvimento de Soluções para a Captura e Armazenamento de CO2 (dióxido de carbono); e Expansão da Observação e Investigação Científica.

    Os países envolvidos representam cerca de 30% da linha costeira mundial, 30% das Zonas Económicas Exclusivas globais e 20% da frota de navios em todo o mundo.

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, e encontra tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Portugal
  • Mundo
  • Ecossistema
  • ONU
  • Alterações climáticas
  • Mar
  • Natureza
  • Meio Ambiente
  • Oceano
  • Fonte
    Redação
pub
similar News
similar
outubro 22
Manuel Gameiro, do Ribatejo para o topo do surf nacional
outubro 21
Salvamentos aumentaram nas praias portuguesas na época balnear de 2020
outubro 22
Cerca de 1 milhão de toneladas de equipamentos de pesca chega aos oceanos anualmente
outubro 22
BV2, o novo modelo da Chilli Surfboards já está disponível em Portugal
outubro 22
Surfista preso em zona de falésia é resgatado em Aljezur
outubro 22
Bernardo Jerónimo avança mais uma ronda no Frontón King 2020
outubro 22
Bom Petisco Cascais Pro alimentado a 60% com energia solar
pub