Homepage

  • Owen Wright quer que o capacete seja exemplo para todos os surfistas
    03 setembro 2019
    arrow
    arrow
  • Fotografia
    WSL
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Antes de Owen, já Sally Fitzgibbons e Jeremy Flores tinham vencido provas de capacete na cabeça num passado recente.
  • Não foi a primeira vez que algo do género aconteceu num passado recente, mas o triunfo de Owen Wright no Tahiti Pro acabou por ter como imagem de marca o capacete com que o australiano competiu durante todo o evento. A grave lesão que Wright sofreu na cabeça em 2015 em Pipeline e o tamanho do swell que chegou a Teahupoo assim obrigaram.

    Antes de Owen, já Sally Fitzgibbons e Jeremy Flores tinham vencido provas de capacete na cabeça num passado recente, já para não falar de surfistas do passado, como Tom Carroll, que não dispensavam o uso do mesmo em ondas de consequência. Mas Owen deseja que este triunfo seja uma clara mensagem para todos os surfistas sobre a importância de usar capacete.

    O australiano até nem foi o único a entrar dessa forma neste campeonato, pois o wildcard local e vencedor dos trials, Kauli Vaast, também se destaca pelo capacete que usa sempre que surfa em Teahupoo. Esta acaba por ser uma proteção extra num local onde tantos e perigosos wipeouts acontecem. Sobretudo, porque esta famosa bancada de reef é praticamente raza.

    Depois de ter sofrido uma grave concussão na cabeça num local idêntico, como é Pipe, e de quase ter terminado a carreira de forma antecipada, Owen Wright não abdica agora do seu helmet, querendo ser um exemplo para todos. “Estou bem de saúde, por isso quero proteger-me para não voltar àqueles dias de recuperação”, afirmou o australiano, de 29 anos, à imprensa australiana.

    Após o terrível acidente no Havai, Owen esteve mesmo mais de um ano em recuperação, sendo obrigado a aprender tudo de novo. Na altura chegaram a ser mostradas imagens do talentoso surfista a aprender novamente a surfar. A lesão só o permitiu regressar à competição no início de 2017 – fê-lo logo com um triunfo na Gold Coast.

    “As ondas em Teahupoo estão cheias de energia e têm bastante consequência. Não temos qualquer tipo de controlo, pois não conseguimos sequer colocar os braços a proteger a cabeça quando caímos. É muito raso. O facto de ter capacete ajuda-me a acalmar e a ir para todas as ondas que quero, nos limites e de uma forma protegida. Basicamente, estou a proteger o meu futuro”, frisou.

    A imagem de Wright a vencer de capacete criou impacto e o surfista espera que sirva de inspiração para todos. “Espero que isto ajude a criar alguma mudança. Está na hora de o fazer no desporto. Não é só a nossa vida que sai afetada com isto, mas também a de todos os que nos rodeiam”, sublinhou o atual número 8 mundial.

    Contudo, há especialistas que defendem que o capacete pouco ou nada pode fazer em caso de lesões cerebrais. Alan Pearce, neurocientista numa universidade australiana, garante que o capacete apenas ajuda a evitar fraturar no crânio. “O capacete não protege uma pessoa de ter lesões no cérebro ou concussões, porque o cérebro continua a mover-se dentro do crânio. Até se torna mais arriscado, porque acabam por arriscar mais, uma vez que têm a falsa impressão que o capacete vai proteger o cérebro”, explicou o médio ao jornal “ABC”.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, e encontra tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Owen Wright
  • Tahiti Pro
  • Teahupoo
  • Capacete
  • Fotografia
    WSL
  • Fonte
    Redação
pub
similar News
similar
outubro 18
Fim de semana chega com sábado muito chuvoso
outubro 18
Tráfego marítimo contribui para 20% da poluição costeira em Portugal
outubro 18
Seca e má gestão deixam o Tejo em mínimos históricos
outubro 18
Glaciares suíços sofrem maior redução em 100 anos
outubro 18
Previsão de mau tempo cancela sessão de autógrafos na 58 Surf
outubro 17
Inscrições abertas para a 2ª etapa do Circuito de Bodyboard do Ericeira Surf Clube
outubro 17
No Corvo haverá um apagão para salvar as aves marinhas