Homepage

  • DECO quer fiscalização do “negócio descontrolado” no surf
    26 julho 2019
    arrow
    arrow
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • O artigo inclui uma entrevista com o presidente da Federação Portuguesa de Surf e uma visita informal a 40 escolas em oito zonas do país representativas da modalidade.
  • O surf, sobretudo na sua vertente de ensino, é um “negócio descontrolado” e a precisar de intervenção e fiscalização por parte das entidades competentes. Quem o diz é a DECO Proteste, através de um estudo que, basicamente, conclui que é necessário separar quem presta bom serviço, para promover o ordenamento e evitar acidentes com banhistas.

    Segundo a agência Lusa, o estudo, que será publicado na próxima revista da Deco Proteste, analisou 40 escolas de surf em todo o continente, um negócio que “cresceu de modo informal” e que já atinge 400 milhões de euros por ano, mas que é alvo de críticas porque as praias estão sobrelotadas e “os acidentes com os banhistas acontecem”.

    O artigo inclui uma entrevista com o presidente da Federação Portuguesa de Surf, uma visita informal a 40 escolas em oito zonas do país representativas da modalidade (Cascais, Costa de Caparica, Ericeira, Peniche, Nazaré, Matosinhos, Figueira da Foz e Costa Vicentina), uma atividade que envolve variadas entidades, como a Autoridade Marítima, a Autoridade para a Segurança Alimentar e Económica (ASAE), Instituto do Desporto e da Juventude, Ministério do Ambiente, Turismo de Portugal e Federação Portuguesa de Surf.

    A Deco considera que “a multiplicidade de entidades com responsabilidade na regulação das escolas de surf gera um cenário confuso”, pois “quando a responsabilidade é de todos pode não ser de ninguém e a eficácia da fiscalização acaba comprometida, até porque é conhecida a limitação de meios da Polícia Marítima, mas também da ASAE, num caso para controlar a praia, noutro para evitar a existência de escolas ilegais”.

    Para a Deco, “certas regras estão até desfasadas da realidade”, dando como exemplo que a missão da Autoridade Marítima é zelar pela segurança e, no limite, pode mandar retirar surfistas da água se considerar que as condições do mar estão agitadas ou estão a pôr em causa a segurança dos banhistas.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, e encontra tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • DECO
  • Surf
  • Escolas de Surf
  • Federação Portuguesa de Surf
  • Fonte
    Redação
pub
similar News
similar
setembro 28
MEO Portugal Cup of Surfing junta o surf e a sustentabilidade
setembro 25
Projeto 'The Unwanted Shapes' vai estar presente no MEO Portugal Cup of Surfing
setembro 28
Nuno Vitorino vai competir no nacional britânico de surf adaptado
setembro 28
Kikas: “Felizmente, em Portugal as previsões do mar não são descuradas”  
setembro 28
Italo tem “boas memórias” de Ribeira, mas preferia competir em Supertubos
setembro 28
Nova chamada para terça-feira no MEO Portugal Cup of Surfing
setembro 11
Gabriela Dinis: Um percurso em ascensão, mas sem esquecer a escola (Entrevista)
pub