Homepage

  • Áreas inóspitas na Sibéria podem tornar-se habitáveis
    11 junho 2019
    arrow
    arrow
  • Fonte
    Redacção
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Facto pode ser uma realidade ainda neste século devido às alterações climáticas.
  • Segundo os resultados de uma investigação agora divulgada na revista científica Environmental Research, áreas inóspitas da Sibéria, na Rússia, podem tornar-se habitáveis até ao fim do século devido às alterações climáticas.

    Uma equipa do Centro Federal de Investigação de Krasnoyarsk, na Rússia, e do Instituto Nacional de Aeronáutica, dos Estados Unidos, usou cenários climáticos actuais e projecções para examinar o conforto climático na Rússia asiática e descobrir o potencial de povoamento em larga escala ao longo do século XXI.

    “As primeiras migrações humanas têm sido associadas às alterações climáticas. À medida que as civilizações desenvolveram tecnologia que lhes permitiu adaptarem-se, os seres humanos tornaram-se menos dependentes do meio ambiente, particularmente em termos de clima”, disse a principal autora da investigação, Elena Parfenova, do Centro Federal de Investigação de Krasnoyarsk. “Queríamos entender se as futuras alterações climáticas podem levar a que partes mais inóspitas da Rússia asiática sejam mais habitáveis para os humanos.”

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, e encontra tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Sibéria
  • Alterações climáticas
  • Meio Ambiente
  • Fonte
    Redacção
pub
similar News
similar
janeiro 23
Surf to Win apresenta equipa oficial para 2020
janeiro 24
Lewis Pugh é o primeiro humano a nadar sob camada de gelo na Antártida
janeiro 24
Gondomar retira das serras 3 toneladas de lixo por semana
janeiro 22
Tempestade Glória provoca ondulação inédita no Mediterrâneo
janeiro 23
Vem aí o Pacto Português para os Plásticos
janeiro 23
O ornitorrinco pode desaparecer devido à ocupação humana
janeiro 24
Austrália enfrenta praga de aranhas mortíferas